Que tal ti­rar o de­do do ga­ti­lho?

Re­for­ma pa­ra no­vos ser­vi­do­res é mais im­por­tan­te que gam­bi­ar­ras de cur­to pra­zo

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Nel­son Bar­bo­sa

Va­le a pe­na aper­tar o ga­ti­lho de cor­tes con­tra ser­vi­do­res ci­vis? A re­for­ma pa­ra no­vos ser­vi­do­res é mais im­por­tan­te do que gam­bi­ar­ras de cur­to pra­zo, de pou­co im­pac­to fis­cal e que po­dem pre­ju­di­car os ser­vi­ços pres­ta­dos à po­pu­la­ção.

Nel­son Bar­bo­sa

Pro­fes­sor da FGV e da UnB, ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da e do Pla­ne­ja­men­to (2015-2016). É dou­tor em eco­no­mia pe­la New Scho­ol for So­ci­al Re­se­ar­ch.

O go­ver­no apre­sen­tou no­vas me­di­das de re­for­ma fis­cal nes­ta se­ma­na. O rol de in­ten­ções é am­plo, de ex­tin­ção de mu­ni­cí­pi­os à re­du­ção au­to­má­ti­ca de in­cen­ti­vos tri­bu­tá­ri­os.

Ho­je ana­li­sa­rei uma das prin­ci­pais me­di­das a cur­to pra­zo: a au­to­ri­za­ção pa­ra re­du­zir jor­na­da e sa­lá­rio de ser­vi­do­res no ca­so de “emer­gên­cia fis­cal”.

A pro­pos­ta não é no­vi­da­de. A Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal já pre­via re­du­ção de jor­na­da e sa­lá­ri­os em ca­so de “gas­to ex­ces­si­vo” com ser­vi­do­res. Po­rém, co­mo o STF re­cen­te­men­te

jul­gou tal dis­po­si­ti­vo in­cons­ti­tu­ci­o­nal, res­tou ao go­ver­no pro­por uma PEC so­bre o te­ma.

A cha­ma­da PEC Emer­gen­ci­al diz que, ca­so a União vi­o­le a “re­gra de ou­ro” —emis­são de dí­vi­da mai­or do que a so­ma de in­ves­ti­men­to, amor­ti­za­ção e cor­re­ção mo­ne­tá­ria dos tí­tu­los pú­bli­cos—, o go­ver­no es­ta­rá autorizado a cor­tar tem­po­ra­ri­a­men­te sua fo­lha em até 25%.

No ca­so de es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, a emer­gên­cia fis­cal acon­te­ce­rá quan­do a des­pe­sa de pes­so­al ex­ce­der 95% da re­cei­ta cor­ren­te lí­qui­da, mas fi­que­mos na União.

A pro­pos­ta de Bol­so­na­ro cor­ri­ge uma das “fa­lhas” do te­to de gas­tos de Te­mer, que pre­viu cor­te au­to­má­ti­co de des­pe­sas se e quan­do o te­to fos­se ex­tra­po­la­do, mas ao mes­mo tem­po tor­nou im­pos­sí­vel a ex­tra­po­la­ção do te­to por­que o Or­ça­men­to é ne­ces­sa­ri­a­men­te fei­to res­pei­tan­do tal li­mi­te.

O re­sul­ta­do da “fa­lha” de Te­mer é co­nhe­ci­do: co­mo as des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as con­ti­nu­am cres­cen­do, os in­ves­ti­men­tos são com­pri­mi­dos até que não res­tem mais in­ves­ti­men­tos.

Di­an­te des­se qua­dro, Bol­so­na­ro re­sol­veu aper­tar o ga­ti­lho con­tra ser­vi­do­res quan­do o go­ver­no fe­de­ral des­cum­prir a re­gra de ou­ro, ou se­ja, ago­ra e até o fim de seu go­ver­no, em 2022.

Co­mo o gas­to com pes­so­al é a se­gun­da mai­or des­pe­sa pri­má­ria da União, o tiro de Bol­so­na­ro pa­re­ce po­de­ro­so, ca­paz de eco­no­mi­zar o su­fi­ci­en­te pa­ra au­men­tar bas­tan­te o in­ves­ti­men­to. Na prá­ti­ca, a re­a­li­da­de é ou­tra, pois nem to­dos os es­ta­rão su­jei­tos a tais li­mi­tes (mi­li­ta­res e al­gu­mas car­rei­ras ci­vis es­tão fo­ra).

Se­gun­do de­cla­ra­ção da pró­pria equi­pe econô­mi­ca, ca­so o Con­gres­so apro­ve a PEC Emer­gen­ci­al nes­te ano, a eco­no­mia com a re­du­ção da fo­lha de pa­ga­men­tos se­rá de R$ 12 bi­lhões em 2020 (apro­xi­ma­da­men­te 0,2% do PIB).

Pa­ra co­lo­car as coi­sas em pers­pec­ti­va, tam­bém se­gun­do pro­je­ções do go­ver­no, só a re­es­tru­tu­ra­ção das car­rei­ras mi­li­ta­res au­men­ta­rá a des­pe­sa em apro­xi­ma­da­men­te R$ 5 bi­lhões em 2020.

Di­an­te des­sas ci­fras, te­nho uma dú­vi­da: va­le a pe­na aper­tar o ga­ti­lho con­tra ser­vi­do­res ci­vis? Mais, con­si­de­ran­do que o go­ver­no cor­re­ta­men­te aca­bou de apro­var o au­men­to da con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria dos ser­vi­do­res ci­vis, pro­por re­du­ção de jor­na­da e sa­lá­ri­os não se­ria des­ne­ces­sá­rio nes­te mo­men­to?

Em vez de aci­o­nar ga­ti­lhos po­lê­mi­cos pa­ra sal­var uma ideia ruim, o te­to Te­mer, o ide­al se­ria re­vi­sar o li­mi­te de gas­tos pa­ra al­go mais ra­ci­o­nal que per­mi­tis­se o au­men­to do in­ves­ti­men­to, de um la­do, e do gas­to re­al per ca­pi­ta com saú­de e edu­ca­ção, do ou­tro la­do.

No ca­so da fo­lha de pa­ga­men­to, a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va pa­ra no­vos ser­vi­do­res é mui­to mais im­por­tan­te do que gam­bi­ar­ras de cur­to pra­zo, que têm pou­co im­pac­to fis­cal, mas que po­dem pre­ju­di­car os ser­vi­ços pres­ta­dos à po­pu­la­ção, so­bre­tu­do em saú­de e edu­ca­ção, que já so­frem cor­tes or­ça­men­tá­ri­os.

As­sim, su­gi­ro ao go­ver­no ti­rar o de­do do ga­ti­lho da PEC Emer­gen­ci­al pa­ra ne­go­ci­ar os de­mais te­mas da re­for­ma fis­cal. É me­lhor fo­car o de­ba­te nas me­di­das es­tru­tu­rais da PEC do Pac­to Fe­de­ra­ti­vo e da PEC dos Fun­dos Pú­bli­cos, que têm al­guns pon­tos po­si­ti­vos e ou­tros bem ne­ga­ti­vos, mas dei­xo es­se te­ma pa­ra ou­tras co­lu­nas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.