Go­ver­no pro­põe al­te­rar re­gra do te­to de gas­tos

Ga­ti­lho, se apro­va­do, an­te­ci­pa­ria res­tri­ções quan­do com­pa­ra­das às re­gras atu­ais

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Vi­ni­cius Tor­res Frei­re

O go­ver­no Jair Bol­so­na­ro quer mu­dar a ope­ra­ção do te­to de gas­tos. A pro­pos­ta, em uma das PECs en­vi­a­das ao Se­na­do, cria uma es­pé­cie de “te­to abai­xo do te­to”, o que fa­ci­li­ta me­di­das drás­ti­cas de con­ten­ção ca­so as des­pe­sas su­pe­rem cer­to ní­vel.

SÃO PAU­LO Um dos ga­ti­lhos pro­pos­tos pe­lo go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro den­tro do con­jun­to de PECs en­vi­a­do ao Se­na­do nes­ta se­ma­na, na prá­ti­ca, fun­ci­o­na­ria co­mo um te­to den­tro do atu­al te­to de gas­tos.

Ca­so apro­va­da, a me­di­da fa­ci­li­ta e de­ve an­te­ci­par a apli­ca­ção de ações drás­ti­cas de con­ten­ção de gas­tos, se as des­pe­sas ul­tra­pas­sa­rem cer­to ní­vel. Es­se li­mi­te é ago­ra mais baixo, mas não tem de­fi­ni­ção le­gal es­pe­cí­fi­ca.

O cha­ma­do te­to de gas­tos foi cri­a­do pe­la emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal 95, sob o go­ver­no de Mi­chel Te­mer. Es­ti­pu­la que, des­de 2017, a des­pe­sa fe­de­ral de ca­da ano não po­de au­men­tar além da in­fla­ção do ano an­te­ri­or. Ca­so ul­tra­pas­se es­se li­mi­te, o go­ver­no de­ve ado­tar me­di­das obri­ga­tó­ri­as de con­ten­ção de des­pe­sas.

Pe­la emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal pro­pos­ta pe­lo go­ver­no, es­sas me­di­das de con­ten­ção de des­pe­sa en­tram em vi­gor sem­pre que, na ela­bo­ra­ção do Or­ça­men­to, ve­ri­fi­car-se que a des­pe­sa pri­má­ria obri­ga­tó­ria for mai­or do que 95% da des­pe­sa pri­má­ria to­tal es­ti­pu­la­da pa­ra ca­da ano (a des­pe­sa pri­má­ria des­con­si­de­ra gas­tos com ju­ros).

Ou se­ja, já na ela­bo­ra­ção do Or­ça­men­to vai ha­ver pre­vi­são de cor­te de gas­tos. Além do mais, não se­rá pre­ci­so es­pe­rar que a des­pe­sa “ba­ta no te­to” pa­ra que se­ja aci­o­na­do o ga­ti­lho de con­ten­ção de des­pe­sas. As me­di­das de di­mi­nui­ção de gas­to se­rão aci­o­na­das quan­do for atin­gi­do es­se “te­to abai­xo do te­to” (que se­rá atin­gi­do, res­sal­te-se, quan­do a des­pe­sa obri­ga­tó­ria equi­va­ler a 95% da des­pe­sa to­tal).

Al­gu­mas des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as são inequí­vo­cas, co­mo pa­ga­men­tos de be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os, mas não há de­fi­ni­ção inequí­vo­ca de quais gas­tos po­dem ser en­qua­dra­dos nes­sa ca­te­go­ria.

“Com es­sa mu­dan­ça na Cons­ti­tui­ção, se­rá ne­ces­sá­ria uma de­fi­ni­ção mais pre­ci­sa de des­pe­sa obri­ga­tó­ria. A Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as

apre­sen­ta uma lis­ta das [des­pe­sas] obri­ga­tó­ri­as, em ra­zão do con­tin­gen­ci­a­men­to das [des­pe­sas] dis­cri­ci­o­ná­ri­as, mas não creio que is­so bas­ta­ria”, diz Jo­sué Pel­le­gri­ni, di­re­tor da Ins­ti­tui­ção Fis­cal In­de­pen­den­te (IFI, ór­gão de acom­pa­nha­men­to e aná­li­se das con­tas pú­bli­cas li­ga­do ao Se­na­do).

Se­ja co­mo for, a no­va re­da­ção do ar­ti­go 109 vai cri­ar um “te­to den­tro do te­to” pa­ra o gas­to de ca­da Po­der.

Em no­ta téc­ni­ca a ser pu­bli­ca­da nes­ta sex­ta-fei­ra (8), Fe­li­pe Sal­to, di­re­tor-exe­cu­ti­vo da IFI, e Pel­le­gri­ni, tam­bém co­men­tam a mu­dan­ça no te­to de gas­tos. “A mu­dan­ça subs­ti­tui no ar­ti­go 109 a re­gra do te­to por ou­tra re­gra, de tal mo­do que as me­di­das de ajus­te ne­le pre­vis­tas pas­sa­rão a ser aci­o­na­das em fun­ção do des­cum­pri­men­to des­sa no­va re­gra e não do des­cum­pri­men­to da re­gra do te­to”, es­cre­vem.

A mu­dan­ça no ar­ti­go 109 das Dis­po­si­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais Tran­si­tó­ri­as cons­ta da emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal do “Pac­to Fe­de­ra­ti­vo”, se­gun­do a de­no­mi­na­ção da­da pe­lo go­ver­no. Mo­di­fi­ca a ver­são que ha­via si­do da­da pe­la emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal 95, que cri­ou o “te­to” de gas­tos.

Se a des­pe­sa obri­ga­tó­ria, a de­fi­nir, ul­tra­pas­sar o li­mi­te de 95%,ogo­ver­no­fi­ca­proi­bi­do­de:

1) con­ce­der au­men­to, re­a­jus­te, van­ta­gem, be­ne­fí­ci­os, au­xí­li­os, abo­nos, bô­nus etc. pa­ra ser­vi­do­res pú­bli­cos ci­vis e mi­li­ta­res;

2) cri­ar car­go, em­pre­go ou fun­ção pú­bli­ca que im­pli­que au­men­to de des­pe­sa;

3) al­te­rar car­rei­ras que im­pli­que mais gas­tos;

4) con­tra­tar pes­so­al no­vo e re­a­li­zar con­cur­so pú­bli­co; 5) cri­ar des­pe­sa obri­ga­tó­ria; 6) re­a­jus­tar des­pe­sa obri­ga­tó­ria além da in­fla­ção (co­mo no ca­so de be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os).

Me­di­das emer­gen­ci­ais e drás­ti­cas de con­ten­ção de des­pe­sas tam­bém po­dem ser de­to­na­das por ou­tro me­ca­nis­mo, pre­vis­to nas emen­das cons­ti­tu­ci­o­nais en­vi­a­das pe­lo go­ver­no ao Con­gres­so.

Ca­so o go­ver­no to­me ou pre­ci­se to­mar em­prés­ti­mos em va­lor su­pe­ri­or a su­as des­pe­sas de ca­pi­tal (in­ves­ti­men­tos), de­ve to­mar as me­di­das de con­ten­ção pre­vis­tas no ca­so do es­tou­ro do te­to e ou­tras (tra­ta-se da vi­o­la­ção da “re­gra de ou­ro”).

Co­mo es­se li­mi­te tem si­do rom­pi­do, ca­so a emen­da se­ja apro­va­da,aa­pli­ca­ção­das­res­tri­ções­se­ri­ai­me­di­a­ta.As­me­di­das adi­ci­o­nais são as se­guin­tes:

1) sus­pen­são do re­pas­se do di­nhei­ro do FAT pa­ra o BNDES;

2) sus­pen­são de pro­mo­ções de ser­vi­do­res, ex­ce­to no ca­so de mem­bros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, da di­plo­ma­cia, po­li­ci­ais e mi­li­ta­res;

3) po­de-se re­du­zir jor­na­da e sa­lá­rio de to­dos os ser­vi­do­res em até 25%.

“É pre­ci­so ava­li­ar du­ran­te a tra­mi­ta­ção da ma­té­ria se a in­ten­ção com a no­va re­da­ção [do ar­ti­go 109] foi es­sa mes­ma. Po­de­rá ha­ver cer­ta con­fu­são en­tre as re­gras, além de pos­sí­veis in­con­sis­tên­ci­as ou re­dun­dân­ci­as”, es­cre­vem Sal­to e Pel­le­gri­ni, re­fe­rin­do­se às re­gras do te­to de gas­tos e da “re­gra de ou­ro”.

Ser­vi­do­res te­rão que dar co­ta de sa­cri­fí­cio, afir­ma re­la­tor

bra­sí­lia In­di­ca­do pe­lo Po­de­mos pa­ra re­la­tar a PEC da Emer­gên­cia Fis­cal, o se­na­dor Ori­o­vis­to Gui­ma­rães (PR) dis­se que os ser­vi­do­res pú­bli­cos te­rão que dar uma co­ta de sa­cri­fí­cio di­an­te da cri­se nas con­tas pú­bli­cas da União, de es­ta­dos e de mu­ni­cí­pi­os.

So­bre a ex­pec­ta­ti­va do Pa­lá­cio do Pla­nal­to de apro­var es­sa PEC (Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção) até o fim do ano nas du­as Ca­sas, Gui­ma­rães dis­se nes­ta quin­ta-fei­ra (7) que pre­ten­de en­tre­gar seu pa­re­cer na CCJ (Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça) do Se­na­do em 20 di­as, mas es­pe­ra que o tex­to se­ja apro­va­do ape­nas no Se­na­do até de­zem­bro.

Pri­mei­ra das três PECs en­tre­gues por Bol­so­na­ro no iní­cio des­ta se­ma­na, a pro­pos­ta pre­vê me­di­das pa­ra con­tro­lar gas­tos obri­ga­tó­ri­os do go­ver­no em ca­so de si­tu­a­ção fis­cal crí­ti­ca. Um dos ga­ti­lhos pro­pos­tos re­duz a jor­na­da de ser­vi­do­res em 25% com cor­te sa­la­ri­al pro­por­ci­o­nal.

“Te­mos que pen­sar que, nes­te país, há 12 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos. Es­se é o mes­mo nú­me­ro de ser­vi­do­res pú­bli­cos. Es­ses 12 mi­lhões de ser­vi­do­res pre­ci­sam en­ten­der que fa­zem par­te do Bra­sil”, dis­se.

O re­la­tor de­fen­de o dis­cur­so de que o cor­te na jor­na­da e nos sa­lá­ri­os dos ser­vi­do­res é ape­nas uma pos­si­bi­li­da­de.

“É du­ro? Cla­ro que é du­ro. Mas não ne­ces­sa­ri­a­men­te is­so vai acon­te­cer. É uma pos­si­bi­li­da­de, não é uma cer­te­za co­mo es­tão que­ren­do fa­zer crer”, dis­se o se­na­dor. DCeTR

Bol­so­na­ro nos traiu, diz pre­fei­to do me­nor mu­ni­cí­pio do país

bra­sí­lia Pre­fei­to da ci­da­de me­nos po­pu­lo­sa do Bra­sil, Ala­or Jo­sé Ma­cha­do, de Ser­ra da Sau­da­de (MG), se sen­te traí­do. Com cer­ca de 780 ha­bi­tan­tes, Ser­ra, co­mo é cha­ma­da pe­la po­pu­la­ção lo­cal, cor­re ris­co de per­der sta­tus de mu­ni­cí­pio nos pró­xi­mos anos.

Nes­ta se­ma­na, o go­ver­no apre­sen­tou uma pro­pos­ta pa­ra que mu­ni­cí­pi­os com me­nos de 5.000 ha­bi­tan­tes e com bai­xa ar­re­ca­da­ção pró­pria—ca­so da ci­da­de mi­nei­ra—pos­sam ser ex­tin­tos.

Ser­ra per­de­ria, as­sim, os car­gos de pre­fei­to, vi­ce-pre­fei­to, três se­cre­tá­ri­os e os no­ve ve­re­a­do­res. Se­ria fun­di­da a uma ci­da­de vi­zi­nha, pro­va­vel­men­te Do­res do In­daiá, com 13 mil ha­bi­tan­tes. A equi­pe econô­mi­ca diz que a fu­são não afe­ta­ria, por exem­plo, cre­ches e pos­tos de saú­de.

“Bol­so­na­ro traiu a gen­te, traiu os pe­que­nos mu­ni­cí­pi­os, ao não in­cluir a gen­te no go­ver­no de­le”, dis­se o pre­fei­to.

Nas ur­nas de Ser­ra, Bol­so­na­ro (PSL) ven­ceu Fer­nan­do Had­dad (PT) com 72,61% dos vo­tos vá­li­dos; 456 no to­tal. Ma­cha­do, do PP, foi um dos apoi­a­do­res do ho­je pre­si­den­te.

Ele de­fen­de que uma me­di­da co­mo es­sas de­ve­ria va­ler ape­nas pa­ra mu­ni­cí­pi­os que vi­e­rem a ser cri­a­dos e que a po­pu­la­ção de­ve­ria ser ou­vi­da.

“Não sei se por ple­bis­ci­to ou por re­fe­ren­do. Mas o mu­ni­cí­pio tem que dar sua opi­nião. Pa­ra cri­ar um mu­ni­cí­pio, a po­pu­la­ção é con­sul­ta­da. O mes­mo tem que ser fei­to pa­ra ex­tin­guir um mu­ni­cí­pio.”

Pa­ra Ma­cha­do, a in­cor­po­ra­ção se­ria pre­ju­di­ci­al à ci­da­de vi­zi­nha.

“Iria que­brar Do­res do In­daiá quan­do nos­sa fo­lha de pa­ga­men­to de ser­vi­do­res, que tem es­ta­bi­li­da­de, pas­sar pa­ra lá. E os gas­tos com Pre­vi­dên­cia tam­bém. A fo­lha de pa­ga­men­tos dos dois mu­ni­cí­pi­os é su­pe­ri­or ao que Do­res vai ga­nhar.”

Pre­fei­tos de Mi­nas Ge­rais —es­ta­do com 231 mu­ni­cí­pi­os com me­nos de 5.000 ha­bi­tan­tes, de acor­do com o IBGE— já es­tão se unin­do con­tra a me­di­da, dis­se Ma­cha­do. “Va­mos fa­lar com os de­pu­ta­dos. Não po­dem apro­var is­so aí.”

Jo­sé Cruz/Agên­cia Bra­sil

O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, que apre­sen­tou três PECs nes­ta se­ma­na ao Con­gres­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.