Vou me em­pe­nhar pe­lo pa­co­ta­ço de Gu­e­des, diz Maia

Pre­si­den­te da Câ­ma­ra diz que Bol­so­na­ro tem tor­na­do Con­gres­so mais in­de­pen­den­te e, com is­so, se for­ta­le­ce pa­ra apro­var re­for­mas

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Thais Ar­bex e Thi­a­go Re­sen­de

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), afir­mou em en­tre­vis­ta à Fo­lha que irá tra­ba­lhar pe­la apro­va­ção do pa­co­te de me­di­das de con­tro­le dos gas­tos pú­bli­cos. “Vou me em­pe­nhar tan­to ou mais [que na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia]”, dis­se.

BRA­SÍ­LIA Ali­nha­do com a equi­pe econô­mi­ca do go­ver­no, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), irá tra­ba­lhar pe­la apro­va­ção do pa­co­te de me­di­das de con­tro­le dos gas­tos pú­bli­cos e fle­xi­bi­li­za­ção do Or­ça­men­to.

“Vou me em­pe­nhar tan­to ou mais [que na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia]”, dis­se à Fo­lha.

Pa­ra Maia, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL) tem tor­na­do o Con­gres­so mais in­de­pen­den­te e, com is­so, con­se­gue se for­ta­le­cer po­li­ti­ca­men­te di­an­te da apro­va­ção de re­for­mas.

“Até por­que es­ta­mos dan­do os ins­tru­men­tos pa­ra fa­zer uma boa ges­tão”, afir­mou.

O go­ver­no apre­sen­tou um pa­co­te pa­ra con­tro­lar as des­pe­sas pú­bli­cas nes­ta se­ma­na. Uma das me­di­das per­mi­te que mu­ni­cí­pi­os se­jam ex­tin­tos, o que in­co­mo­dou par­la­men­ta­res.

Eu te­nho ou­vi­do is­so de de­pu­ta­dos. Eu acho que a dis­cus­são tem de ser co­mo me­lho­rar a qua­li­da­de da ad­mi­nis­tra­ção de ci­da­des me­no­res. O ca­mi­nho mais cla­ro é que vo­cê pos­sa or­ga­ni­zar os mu­ni­cí­pi­os de for­ma mais concreta, num ins­tru­men­to de con­sór­ci­os. O er­ro do go­ver­no foi man­dar al­go que não é de fá­cil apro­va­ção. Acho que é o úni­co pon­to ne­ga­ti­vo na pro­pos­ta.

Há uma in­dis­po­si­ção no Con­gres­so em re­la­ção ao pa­co­te por cau­sa de uma pos­sí­vel re­du­ção no nú­me­ro de mu­ni­cí­pi­os?

Eu dis­cor­do. A po­lí­ti­ca pre­ci­sa en­ten­der que es­sa in­de­xa­ção do Or­ça­men­to é que es­tá ti­ran­do ca­pa­ci­da­de de a po­lí­ti­ca res­pon­der às de­man­das da so­ci­e­da­de.

Não po­de­mos dei­xar es­se as­sun­to [de ex­tin­ção] dos mu­ni­cí­pi­os con­ta­mi­nar, por­que há te­mas pro­pos­tos pe­lo go­ver­no que cer­ta­men­te vão abrir es­pa­ço pa­ra que a gen­te pos­sa dis­cu­tir po­lí­ti­cas de in­ves­ti­men­to com um vo­lu­me de re­cur­sos mai­or.

O sr. vê es­pa­ço pa­ra al­te­ra­ções na pro­pos­ta do go­ver­no, já que o tex­to foi de­si­dra­ta­do em ne­go­ci­a­ções pré­vi­as com o Con­gres­so?

Eu pre­fi­ro as­sim, se é is­so que o go­ver­no en­ten­de que é pos­sí­vel apro­var com diá­lo­go que fez com de­pu­ta­dos e se­na­do­res.

Mas a gen­te sa­be que o tra­ba­lho vai ter de ser do­bra­do pa­ra que as per­das não se­jam tão gran­des com re­la­ção ao pro­je­to do go­ver­no.

Quais são os pon­tos mais po­lê­mi­cos?

To­da a par­te dos ga­ti­lhos [de me­di­das pa­ra re­du­zir gas­tos] é im­por­tan­te. Os [o pon­to dos] 25% de re­du­ção de car­ga ho­rá­ria com re­du­ção de sa­lá­rio [pa­ra ser­vi­do­res pú­bli­cos] é po­lê­mi­co, mas é re­le­van­te, é me­lhor pa­ra o ser­vi­dor, ou en­tão vão so­brar as op­ções de não pa­gar sa­lá­rio ou de­mi­tir.

Os tra­ba­lha­do­res pri­va­dos não es­tão re­pon­do os seus sa­lá­ri­os com es­sa for­ça que o ser­vi­dor pú­bli­co re­ce­be. Não é que ele não me­re­ça, é que não tem di­nhei­ro pa­ra is­so.

O sr. já con­si­de­rou o pa­co­te am­bi­ci­o­so. Is­so sig­ni­fi­ca que o sr. po­de não se em­pe­nhar tan­to co­mo se em­pe­nhou na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia?

Vou me em­pe­nhar tan­to ou mais. Eu acho que a pro­pos­ta é am­bi­ci­o­sa, mas a gen­te pre­ci­sa es­tar em­pe­nha­do ne­la.

O que eu puder fa­zer pa­ra aju­dar o [pre­si­den­te do Se­na­do] Da­vi [Al­co­lum­bre], co­mo ele me aju­dou na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, es­tou à dis­po­si­ção pa­ra aju­dar e con­ti­nu­ar fa­lan­do com to­dos os ato­res pa­ra mos­trar que is­so aqui [pa­co­te] é a fa­vor do bra­si­lei­ro mais sim­ples.

Ho­je, os gas­tos com Pre­vi­dên­cia e com a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca be­ne­fi­ci­am qu­em es­tá no to­po da so­ci­e­da­de.

O go­ver­no quer apro­var a PEC Emer­gen­ci­al, que au­to­ri­za me­di­das ime­di­a­tas de con­tro­le de gas­tos, até o fim do ano nas du­as Ca­sas.

É uma pri­o­ri­da­de de to­dos no cur­to pra­zo. Não é sim­ples, é qua­se im­pos­sí­vel, mas va­mos tra­ba­lhar.

Es­sa his­tó­ria de dar uma par­te [da eco­no­mia de re­cur­sos] pa­ra emen­da de ban­ca­da... Is­so não exis­te. Qu­em vai de­ci­dir pa­ra on­de vão os R$ 20 bi­lhões, R$ 25 bi­lhões é o pró­prio Par­la­men­to, por­que o Or­ça­men­to ago­ra é im­po­si­ti­vo. A de­ci­são fi­nal pa­ra on­de vai es­se di­nhei­ro é do Par­la­men­to.

A re­la­ção com Bol­so­na­ro tem co­mo fi­car po­si­ti­va até o fim do man­da­to?

Es­tá po­si­ti­va. Pe­lo me­nos a mi­nha es­tá po­si­ti­va. Às ve­zes eu cri­ti­co al­gu­mas po­si­ções que ele tem, ele cri­ti­ca al­gu­mas po­si­ções que o Par­la­men­to tem. Is­so é da de­mo­cra­cia, mas na re­la­ção de diá­lo­go pos­so re­cla­mar ze­ro do pre­si­den­te.

O que o sr. es­pe­ra da atu­a­ção do pre­si­den­te pa­ra apro­var o pa­co­te?

Es­sa for­ma de diá­lo­go do Bol­so­na­ro tem for­ta­le­ci­do o Par­la­men­to. Não te­nho dú­vi­da. Ele for­ta­le­ce o Par­la­men­to quan­do ele ga­ran­te uma mai­or in­de­pen­dên­cia com diá­lo­go. O que não po­de no sis­te­ma de­mo­crá­ti­co é uma in­de­pen­dên­cia sem diá­lo­go. Quan­do se dá in­de­pen­dên­cia, tam­bém se trans­fe­re res­pon­sa­bi­li­da­de.

Com es­sa no­va re­la­ção, o sr. acha que o pre­si­den­te se for­ta­le­ce ou se en­fra­que­ce po­li­ti­ca­men­te?

Não tem por que não se for­ta­le­cer. Até por­que es­ta­mos dan­do os ins­tru­men­tos pa­ra fa­zer uma boa ges­tão. As re­for­mas, mui­tos pro­je­tos im­por­tan­tes, nós es­ta­mos apro­van­do pa­ra o go­ver­no. Não tem ou­tra al­ter­na­ti­va. Nos­sa al­ter­na­ti­va é: com a in­de­pen­dên­cia, for­ta­le­ce o pa­pel do Par­la­men­to, mas, com as vo­ta­ções das ma­té­ri­as, for­ta­le­ce, é cla­ro, o pa­pel do pre­si­den­te.

Qual é a sua pri­o­ri­da­de: re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va, tri­bu­tá­ria ou pac­to fe­de­ra­ti­vo? O go­ver­no fez a es­co­lha cer­ta de co­me­çar pe­lo Pla­no Mais Bra­sil?

Acho que fez. A tri­bu­tá­ria [o go­ver­no] sa­be que es­tá aqui, sa­be que vai an­dar, que a gen­te vai tra­ba­lhar com a equi­pe tri­bu­tá­ria de­le. Acho que tem es­pa­ço pa­ra tra­ba­lhar to­das as agen­das.

O Se­na­do ca­mi­nha pa­ra apro­var ain­da em no­vem­bro a PEC pa­ra­le­la da Pre­vi­dên­cia. O cli­ma na Câ­ma­ra mu­dou em re­la­ção à in­clu­são de es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os?

Acho o se­guin­te: os se­na­do­res li­ga­dos aos go­ver­na­do­res do Nor­des­te saí­ram do ple­ná­rio, não vo­ta­ram. É uma si­na­li­za­ção ruim pa­ra os de­pu­ta­dos do Nor­des­te.

Ima­gi­na se eles sa­em do ple­ná­rio, quan­tos vão so­brar pa­ra apro­var a PEC pa­ra­le­la? Va­mos ver se no se­gun­do tur­no a gen­te con­se­gue mo­bi­li­zar os se­na­do­res mais vin­cu­la­dos aos go­ver­na­do­res pa­ra que es­sa ma­té­ria che­gue aqui e pos­sa tam­bém ca­mi­nhar com cer­ta agi­li­da­de.

O go­ver­no quer lan­çar um pa­co­te de em­pre­go que pre­vê a de­so­ne­ra­ção da fo­lha. Qual sua ava­li­a­ção?

Co­nhe­ço pou­co as pro­pos­tas. Acho que me­di­da pro­vi­só­ria [co­mo pla­ne­ja­do] é um ins­tru­men­to ruim pa­ra o um te­ma co­mo es­se.

A ques­tão da de­so­ne­ra­ção tem de ser bem pen­sa­da.

Co­mo o sr. ava­lia o re­sul­ta­do dos lei­lões re­cen­tes de pe­tró­leo?

Eu acho que tem du­as ques­tões. O sis­te­ma de par­ti­lha não é bom. E a Pe­tro­bras exer­ceu o seu po­der e, na re­la­ção de­la com o se­tor pri­va­do, pe­lo que eu li dos ana­lis­tas, ela ge­rou in­se­gu­ran­ça dos ato­res pri­va­dos. Ela dei­xou mui­ta coi­sa pa­ra ne­go­ci­ar de­pois do lei­lão.

A Câ­ma­ra vai ana­li­sar pro­je­to pa­ra mu­dar o re­gi­me do pe­tró­leo?

É um te­ma que pre­ci­sa ser en­fren­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.