Lei­lões frus­tra­dos

De­sin­te­res­se pri­va­do em áre­as do pré-sal lan­ça dú­vi­das so­bre re­gu­la­ção do se­tor pe­tro­lí­fe­ro

Folha de S.Paulo - - Primeira Página -

So­bre de­sin­te­res­se pri­va­do em áre­as do pré-sal.

Da­das as ele­va­das ex­pec­ta­ti­vas, o re­sul­ta­do do lei­lão dos ex­ce­den­tes de pe­tró­leo na área do pré-sal foi, sem dú­vi­da, frus­tran­te.

Não hou­ve par­ti­ci­pa­ção re­le­van­te de em­pre­sas es­tran­gei­ras, 2 dos 4 blo­cos não ti­ve­ram in­te­res­sa­dos e a Pe­tro­bras aca­bou le­van­do so­zi­nha —com pe­que­na par­ti­ci­pa­ção de grupos chi­ne­ses— as áre­as em que ha­via ma­ni­fes­ta­do in­te­res­se.

Com is­so, a ar­re­ca­da­ção fi­cou em R$ 69,9 bi­lhões, bem abai­xo dos R$ 106,5 bi­lhões es­pe­ra­dos. A de­cep­ção não dei­xa de ter con­sequên­ci­as po­lí­ti­cas ne­ga­ti­vas, na me­di­da em que o go­ver­no ven­deu oti­mis­mo e aca­ba­rá por não en­tre­gar to­do o di­nhei­ro pro­me­ti­do aos es­ta­dos e aos mu­ni­cí­pi­os.

Do mon­tan­te, a União fi­ca­rá com R$ 23 bi­lhões. De sua par­te, a Pe­tro­bras te­rá de de­sem­bol­sar R$ 29 bi­lhões em bô­nus de as­si­na­tu­ra, já des­con­tan­do os R$ 34 bi­lhões que re­ce­be­rá pe­la re­ne­go­ci­a­ção do con­tra­to que vi­a­bi­li­zou o lei­lão.

Pa­ra os go­ver­nos re­gi­o­nais so­bra­rão R$ 10,6 bi­lhões, uma aju­da de­cer­to con­si­de­rá­vel —mas cer­ca de me­ta­de da an­te­ci­pa­da.

Nes­ta quin­ta-fei­ra (7), ou­tro lei­lão se mos­trou um fi­as­co. Ape­nas 1 de 5 blo­cos ofer­ta­dos foi ar­re­ma­ta­do, no­va­men­te sob li­de­ran­ça da Pe­tro­bras. Ain­da que tal des­fe­cho não de­va com­pro­me­ter se­ri­a­men­te o cres­ci­men­to da pro­du­ção pe­tro­lí­fe­ra nos pró­xi­mos anos, a sen­sa­ção de der­ro­ta é ine­vi­tá­vel.

En­tre os mo­ti­vos pro­vá­veis pa­ra o fra­cas­so dos cer­ta­mes, há os que di­zem res­pei­to à re­gu­la­ção do pré-sal em ge­ral e ou­tros mais es­pe­cí­fi­cos quan­to à ces­são one­ro­sa.

Pai­ram dú­vi­das, por exem­plo, so­bre a atra­ti­vi­da­de do mo­de­lo de par­ti­lha (pe­lo qual a ven­ce­do­ra do lei­lão en­tre­ga par­te da pro­du­ção ao go­ver­no), na com­pa­ra­ção com o mo­de­lo mais co­mum no mun­do, o de con­ces­são.

O di­rei­to de pre­fe­rên­cia da Pe­tro­bras, por sua vez, po­de ter con­tri­buí­do pa­ra afas­tar in­te­res­sa­dos.

A lei de­ter­mi­na par­ti­ci­pa­ção mí­ni­ma de 30% no con­sór­cio nas áre­as em que a em­pre­sa ma­ni­fes­tar in­te­res­se. Na prá­ti­ca, a do­mi­nân­cia vem sen­do mai­or, e a par­ti­ci­pa­ção de ou­tras em­pre­sas se tor­na su­bal­ter­na. O go­ver­no ago­ra ava­lia eli­mi­nar es­sa prer­ro­ga­ti­va, o que po­de ser po­si­ti­vo pa­ra lei­lões fu­tu­ros.

No que diz res­pei­to à ces­são one­ro­sa, as even­tu­ais ven­ce­do­ras de­ve­ri­am in­de­ni­zar a Pe­tro­bras por in­ves­ti­men­tos pas­sa­dos. Cor­re­ta em prin­cí­pio, es­sa exi­gên­cia veio car­re­ga­da de in­cer­te­za, pois va­lo­res se­ri­am ne­go­ci­a­dos a pos­te­ri­o­ri.

Se exis­te al­go de po­si­ti­vo a ex­trair do epi­só­dio, tra­ta-se da re­fu­ta­ção mais evi­den­te da te­se cons­pi­ra­tó­ria se­gun­do a qual se en­tre­ga­ri­am as re­ser­vas por pre­ço vil a in­te­res­ses es­tran­gei­ros. Fos­se as­sim, te­ria ha­vi­do com­pe­ti­ção.

Pro­mo­vê-la no se­tor pe­tro­lí­fe­ro é o re­al de­sa­fio —que o go­ver­no pa­re­ce ter su­bes­ti­ma­do ao es­ta­be­le­cer su­as pre­vi­sões pa­ra os lei­lões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.