Po­li­ci­ais de Pa­rai­só­po­lis dão ver­sões di­ver­gen­tes

De­poi­men­tos co­lo­cam em dú­vi­da re­la­to de que ti­ros le­va­ram a con­fu­são

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ro­gé­rio Pagnan e Ar­tur Ro­dri­gues

Di­ver­gên­ci­as no de­poi­men­to de po­li­ci­ais que par­ti­ci­pa­ram da ope­ra­ção na fa­ve­la Pa­rai­só­po­lis, que re­sul­tou em no­ve mor­tes, tra­zem in­de­fi­ni­ção so­bre o es­to­pim da con­fu­são.

Há dú­vi­da so­bre se a tragédia ocor­reu após dis­pa­ros de cri­mi­no­sos ou por po­li­ci­ais que dis­per­sa­vam a mul­ti­dão. Seis PMs fo­ram ti­ra­dos da ati­vi­da­de de po­li­ci­a­men­to.

são pau­lo Di­ver­gên­ci­as no de­poi­men­to de po­li­ci­ais que par­ti­ci­pa­ram da ope­ra­ção na fa­ve­la Pa­rai­só­po­lis (zo­na sul) que re­sul­tou em no­ve mor­tes e 12 fe­ri­dos, tra­zem dú­vi­das so­bre o ver­da­dei­ro es­to­pim da con­fu­são que le­vou ao pi­so­te­a­men­to das ví­ti­mas.

Do­cu­men­tos ob­ti­dos pe­la Fo­lha, que tra­zem o de­poi­men­to de seis po­li­ci­ais que atu­a­ram na­que­la noi­te, co­lo­cam em dú­vi­da se a tragédia ocor­reu em ra­zão da su­pos­ta con­fu­são pro­vo­ca­da por dis­pa­ros de cri­mi­no­sos, ou, em um se­gun­do mo­men­to, por po­li­ci­ais mi­li­ta­res que ten­ta­ram dis­per­sar a mul­ti­dão.

In­te­gran­tes da cú­pu­la da PM ad­mi­tem que ain­da não é pos­sí­vel di­zer com cer­te­za o mo­men­to exa­to dos pi­so­te­a­men­tos e so­men­te ao tér­mi­no das in­ves­ti­ga­ções, com aju­da de exa­mes pe­ri­ci­ais, se­rá pos­sí­vel sa­ber com cer­te­za a cro­no­lo­gia do ca­so.

O pon­to cen­tral da ver­são sus­ten­ta­da até ago­ra pelo go­ver­no pau­lis­ta é que, na ma­dru­ga­da de do­min­go, po­li­ci­ais mi­li­ta­res da Ro­cam (que usam mo­tos) ini­ci­a­ram uma perseguiçã­o a dois sus­pei­tos ocu­pan­tes de uma mo­to de cor pre­ta, mo­de­lo XT 660, nas pro­xi­mi­da­des da Pa­rai­só­po­lis.

Pelo re­la­to, a perseguiçã­o te­ve iní­cio quan­do os cri­mi­no­sos, ao cru­za­rem com o com­boio de PMs, co­me­ça­ram a re­a­li­zar dis­pa­ros de ar­ma de fo­go con­tra os PMs. O in­ci­den­te ter­mi­nou em uma rua on­de ocor­ria um baile funk com mais de 5.000 pes­so­as.

A po­lí­cia re­la­ta que a tragédia ocor­reu quan­do es­ses cri­mi­no­sos, ao en­tra­rem com a mo­to na aglo­me­ra­ção, pas­sa­ram a re­a­li­zar dis­pa­ros con­tra os po­li­ci­ais. Se­gun­do eles, is­so te­ria pro­vo­ca­do pâ­ni­co ge­ne­ra­li­za­do no pú­bli­co, cor­re­ria e em­pur­ra-em­pur­ra, daí as que­das e o pi­so­te­a­men­to.

Ain­da de acor­do com es­sa ver­são, na sequên­cia os po­li­ci­ais de mo­tos te­ri­am si­do ata­ca­dos por par­te do pú­bli­co e pre­ci­sa­ram ser res­ga­ta­dos por equi­pes da for­ça tá­ti­ca, que ti­ve­ram de usar bom­bas de efei­to mo­ral e ba­las de bor­ra­cha pa­ra sair da fa­ve­la. O uso da for­ça te­ria si­do um mo­vi­men­to de de­fe­sa dos pró­pri­os po­li­ci­ais, con­for­me ale­gam.

Es­se gru­po tá­ti­co, es­pe­ci­a­li­za­do em ações os­ten­si­vas, é o mes­mo ao qual per­ten­cia um po­li­ci­al as­sas­si­na­do há um mês na fa­ve­la em ocor­rên­cia po­li­ci­al. Des­de en­tão, a PM in­ten­si­fi­cou ope­ra­ções, o tam­bém que pro­vo­cou reclamaçõe­s por par­te de mo­ra­do­res.

Par­te dos de­poi­men­tos dos po­li­ci­ais apon­ta que, após os fre­quen­ta­do­res do baile funk co­me­ça­rem a ati­rar ob­je­tos con­tra os PMs de mo­to, estes con­se­gui­ram dei­xar a fa­ve­la sem mai­or con­fron­to. Nes­ses de­poi­men­tos, não há a ci­ta­ção da ne­ces­si­da­de da for­ça tá­ti­ca pa­ra res­ga­tá-los.

Ain­da por es­sa ver­são de par­te dos PMs, já do la­do de fo­ra da fa­ve­la eles afir­mam ter re­la­ta­do o ocor­ri­do a um co­man­dan­te, que re­pas­sou in­for­ma­ções a ou­tro co­man­dan­te. De­ci­di­ram re­tor­nar à fa­ve­la, on­de se de­pa­ra­ram com du­as vi­a­tu­ras ape­dre­ja­das e da­ni­fi­ca­das. Nes­se mo­men­to, se­gun­do eles, “ha­via gran­de nú­me­ro de pes­so­as des­con­tro­la­das” e houve o uso de cas­se­te­te e mu­ni­ção quí­mi­ca pa­ra dis­per­sar a mul­ti­dão.

“Em se­gui­da re­ce­be­ram a in­for­ma­ção de que ha­via no­ve pes­so­as de­sa­cor­da­das em uma vi­e­la da rua Er­nest Renan”, dis­se o po­li­ci­al mi­li­tar João Pau­lo Vec­chi Al­ves Ba­tis­ta, que as­si­na co­mo o con­du­tor da ocor­rên­cia (res­pon­sá­vel pe­la ver­são ofi­ci­al dos fa­tos).

No mes­mo re­gis­tro, há PMs que afir­mam que o mo­men­to exa­to dos pi­so­te­a­men­tos se deu após tu­mul­to pro­vo­ca­do pe­los dis­pa­ros dos ban­di­dos.

Há, po­rém, um PM ou­vi­do na in­ves­ti­ga­ção que não chega nem a men­ci­o­nar ter ha­vi­do con­fu­são após os dis­pa­ros dos cri­mi­no­sos.

Ele ci­ta os dis­pa­ros e, na sequên­cia, “que pes­so­as que es­ta­vam no pan­ca­dão pas­sa­ram a ati­rar pe­dras e gar­ra­fas na di­re­ção das equi­pes po­li­ci­ais”. Há, as­sim, uma ou­tra ver­são.

Se­gun­do mo­ra­do­res, os po­li­ci­ais fe­cha­ram am­bos os la­dos da rua Er­nest Renan. Ao dis­pa­rar mu­ni­ção não le­tal e dar gol­pes de cas­se­te­te, te­ri­am in­du­zi­do a mul­ti­dão a ir pa­ra du­as vi­e­las. Em uma de­las acon­te­ceu o pi­so­te­a­men­to.

Os mo­ra­do­res afir­mam não ter vis­to ne­nhu­ma perseguiçã­o. Se­gun­do a po­lí­cia, os sus­pei­tos não fo­ram pre­sos nem ti­ve­ram a mo­to apre­en­di­da.

O por­ta-voz da PM, te­nen­te-co­ro­nel Emer­son Mas­se­ra, dis­se que as in­ves­ti­ga­ções es­tão em an­da­men­to. “Pa­ra sa­ber­mos o mo­men­to exa­to que as mor­tes ocor­re­ram vai de­pen­der da in­ves­ti­ga­ção, mas a hi­pó­te­se prin­ci­pal é de que os fa­tos que le­va­ram às mor­tes des­sas pes­so­as se ini­ci­a­ram com a con­fu­são ge­ra­da pe­los cri­mi­no­sos que en­tra­ram ati­ran­do na co­mu­ni­da­de.”

Ain­da de acor­do com ofi­ci­al, se houve uma ten­ta­ti­va de dis­per­são do pú­bli­co do pan­ca­dão por par­te dos po­li­ci­ais, houve um er­ro de pro­ce­di­men­to com a que­bra das nor­mas ado­ta­das pe­la cor­po­ra­ção. O te­nen­te-co­ro­nel dis­se que se­rá apu­ra­da a ver­são de que mo­tos da Ro­cam saí­ram no lo­cal e de­pois re­tor­na­ram.

Seis po­li­ci­ais en­vol­vi­dos fo­ram ti­ra­dos da ati­vi­da­de de po­li­ci­a­men­to. Mas­se­ra evi­ta usar o ter­mo afas­ta­men­to porque “não há in­dí­ci­os de que co­me­te­ram al­gum cri­me, al­gum er­ro, por is­so es­tão sen­do pre­ser­va­dos.”

O ou­vi­dor da Po­lí­cia, Be­ne­di­to Ma­ri­a­no, dis­se que é ne­ces­sá­ria uma ri­go­ro­sa in­ves­ti­ga­ção, porque não é acei­tá­vel ocor­rer mor­tes em uma ação po­li­ci­al. “Não dá pa­ra uma perseguiçã­o de dois su­pos­tos sus­pei­tos terminar em uma ação de con­tro­le de dis­túr­bi­os, pre­ci­pi­ta­da, sem pla­ne­ja­men­to, ina­de­qua­da, quan­do a in­ter­ven­ção po­li­ci­al se dá quan­do o baile já em an­da­men­to.”

Da­ni­loVer­pa/Fo­lha­press

Ma­ri­aC­ris­ti­naSil­va,mãe­deDenysHen­ri­queQui­ri­no­daSil­va,16,du­ran­te­se­pul­ta­men­to­na­zo­na­nor­te­da­ca­pi­tal

Mar­le­ne Ber­ga­mo/Fo­lha­press

Fa­mi­li­a­res e ami­gos no en­ter­ro de Gus­ta­vo Xa­vi­er, 14, uma das ví­ti­mas de ação po­li­ci­al em Pa­rai­só­po­lis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.