Ví­ti­mas saí­ram de ou­tros bair­ros em bus­ca de la­zer

Al­guns men­ti­ram a su­as fa­mí­li­as pa­ra ir ao baile funk em Pa­rai­só­po­lis, on­de houve tragédia

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Al­fre­do Henrique, Ar­tur Ro­dri­gues e Tayguara Ri­bei­ro Com o Ago­ra

A mai­o­ria dos no­ve mor­tos após ação da PM em Pa­rai­só­po­lis saiu de ou­tros bair­ros de São Pau­lo pa­ra ir ao baile funk. Se­gun­do pa­ren­tes de seis das ví­ti­mas, elas vi­vi­am em lo­cais com pou­co la­zer, e al­gu­mas men­ti­ram pa­ra os pais so­bre seu des­ti­no.

são pau­lo Mo­ra­do­res da pe­ri­fe­ria, em sua mai­o­ria ne­gros, os mor­tos após a ação po­li­ci­al em Pa­rai­só­po­lis no do­min­go (1º) saí­ram de ou­tros bair­ros da Gran­de São Pau­lo em bus­ca de di­ver­são no baile funk de rua mais fa­mo­so da ca­pi­tal.

Se­gun­do fa­mi­li­a­res e co­nhe­ci­dos das ví­ti­mas, elas vi­vi­am em bair­ros sem ofer­ta de la­zer. Pa­ra ir ao lo­cal, al­guns dei­xa­ram de avi­sar ou men­ti­ram pa­ra os pais, que só des­co­bri­ram que os filhos es­ta­vam a quilô­me­tros de ca­sa após as no­tí­ci­as so­bre a tragédia.

Dos no­ve mor­tos, qua­tro eram ado­les­cen­tes —e só uma era mu­lher. A re­por­ta­gem conseguiu lo­ca­li­zar pa­ren­tes e co­nhe­ci­dos de seis de­les.

Gus­ta­vo Xa­vi­er, 14

Mais no­vo en­tre as ví­ti­mas do pi­so­te­a­men­to, Gus­ta­vo foi um dos jo­vens que foi ao baile de Pa­rai­só­po­lis sem avi­sar os fa­mi­li­a­res. Era a ter­cei­ra vez que fa­zia is­so. “Vi­mos ele nas ima­gens que fo­ram di­vul­ga­das, em que ele es­ta­va caí­do no chão. A gen­te que­ria ter es­pe­ran­ça, mas já ha­via mui­to me­do de que ele es­ti­ves­se mor­to”, dis­se o pa­dri­nho de­le, Ro­ber­to Oliveira.

Gus­ta­vo mo­ra­va com a avó e a mãe no Ca­pão Re­don­do, no ex­tre­mo sul da ci­da­de. O ra­paz fa­zia bi­cos em um mer­ca­do e sonhava em com­prar um Gol mo­de­lo an­ti­go.

Oliveira afir­ma que há mui­to pre­con­cei­to de clas­se em re­la­ção a jo­vens pobres que, as­sim co­mo Gus­ta­vo, bus­cam o la­zer nes­ses bai­les. Is­so se re­fle­te, diz ele, na for­ma co­mo au­to­ri­da­des tra­tam o ca­so tam­bém. “Se fos­se lá, co­mo é mes­mo?, Hi­gi­e­nó­po­lis, o tra­ta­men­to se­ria di­fe­ren­te”, diz.

Ma­teus dos San­tos Cos­ta, 23

O ven­de­dor de pro­du­tos de lim­pe­za Ma­teus dos San­tos Cos­ta mo­ra­va em Ca­ra­pi­cuí­ba (Gran­de São Pau­lo) e cos­tu­ma­va ir a bai­les funk em Pa­rai­só­po­lis de vez em quan­do. Ma­teus era sol­tei­ro, não ti­nha filhos e mo­ra­va so­zi­nho. Os pais de­le mo­ram na Bahia.

“Ele ven­dia pro­du­to de lim­pe­za em ca­mi­nhão e pa­ga­va o alu­guel da ca­si­nha de­le”, afir­ma a do­més­ti­ca Síl­via Ferreira Gon­çal­vez, 41, cu­nha­da de Ma­teus.

“Ele só foi lá [ao baile funk] porque em Ca­ra­pi­cuí­ba não tem opção. Nem a gen­te que é casal tem pa­ra on­de ir”, diz.

Bru­no Ga­bri­el dos San­tos, 22

Bru­no ha­via ido ao pan­ca­dão co­me­mo­rar seu ani­ver­sá­rio. Ele tra­ba­lha­va co­mo ope­ra­dor de te­le­mar­ke­ting e vi­via em Mo­gi das Cru­zes. Se­gun­do a ir­mã, a pro­fes­so­ra Va­ni­ne Cris­ti­a­ne Si­quei­ras, 39, Bru­no fez 22 anos no dia 28, mas re­sol­veu co­me­mo­rar na noi­te de sá­ba­do (30). Se­gun­do ela, Bru­no foi ado­ta­do ain­da pe­que­no.

“Ele pe­gou as coi­si­nhas de­le e fa­lou que ia pas­sar a noi­te com os ami­gos, co­mer uma piz­za e pa­ra co­me­mo­rar o ani­ver­sá­rio”, con­ta.

A pro­fes­so­ra tam­bém con­tes­ta a ver­são da po­lí­cia de que o jo­vem te­ria mor­ri­do pi­so­te­a­do. Ela dis­se ter vis­to ima­gens de­le caí­do no chão e seu corpo não apre­sen­ta­va si­nais de pi­so­te­a­men­to.

Mar­cos Pau­lo de Oliveira dos San­tos, 16

O es­tu­dan­te Mar­cos Pau­lo de

Oliveira dos San­tos, 16, mo­ra­va no Ja­ra­guá (zo­na nor­te) com a avó. No sá­ba­do (30) à noi­te o ga­ro­to dis­se a ela que ia a uma piz­za­ria com ami­gos da es­co­la, que fi­ca­ria na re­don­de­za de on­de re­si­dia. E não vol­tou mais.

“Foi a pri­mei­ra vez que ele foi nes­se baile, se­gun­do a gen­te sa­be”, afir­mou uma pa­ren­te, que pe­diu pa­ra não ter seu no­me re­ve­la­do.

Se­gun­do ela, um pri­mo de Mar­cos foi jun­to e tam­bém fi­cou ma­chu­ca­do na con­fu­são. “Um se­gu­rou na mão do ou­tro, mas no meio do tu­mul­to to­do mun­do dis­per­sou e o Mar­cos Pau­lo aca­bou fi­can­do so­zi­nho”, dis­se.

“O pri­mo apa­nhou mui­to de cas­se­te­te e es­tá mui­to ma­chu­ca­do. Ele não viu quan­do o Mar­cos mor­reu, só o mo­men­to em que ele caiu no chão, não sa­be o que acon­te­ceu”, afir­mou.

Mar­cos es­ta­va no en­si­no médio e fa­zia cur­so téc­ni­co. O pai é se­pa­ra­do da mãe e, des­de pe­que­no, a avó cui­da de­le.

Denys Henrique Qui­ri­no da Sil­va, 16

O es­tu­dan­te Denys Henrique Qui­ri­no da Sil­va, 16, mo­ra­va em Pi­ri­tu­ba (zo­na nor­te) com a fa­mí­lia. Ele es­tu­da­va e tra­ba­lha­va com lim­pe­za de es­to­fa­dos e so­fás. “Meu ir­mão não era um cri­mi­no­so. Ele tra­ba­lha­va, es­tu­da­va e tam­bém gos­ta­va de funk. Quem mor­reu ali foi ino­cen­te. Não ti­nha 5.000 cri­mi­no­sos ali”, dis­se Dany­lo Qui­ri­no, ir­mão de Denys.

A fa­mí­lia con­tes­ta a ver­são de que o jo­vem te­nha mor­ri­do pi­so­te­a­do. Se­gun­do eles, o corpo do jo­vem não ti­nha si­nais de pi­sões, nem a roupa ti­nha mar­cas de sa­pa­tos.

Dennys Gui­lher­me dos San­tos Fran­co, 16

O es­tu­dan­te Dennys Gui­lher­me dos San­tos Fran­co, 16, mo­ra­va com a fa­mí­lia na Vi­la For­mo­sa (zo­na les­te de SP).

A ir­mã do ra­paz dei­xou o IML (Instituto Mé­di­co Le­gal) re­cla­man­do que não pô­de ver o corpo do ir­mão.

“Ele es­tá mui­to ma­chu­ca­do na ca­be­ça. Cap­tu­ra­ram ele de qual­quer jei­to. Ele es­ta­va com a bar­ri­ga co­ber­ta, não me dei­xa­ram ver. Eu pe­di pa­ra to­car ele, não me dei­xa­ram”, dis­se Fer­nan­da San­tos. Se­gun­do ela, os fe­ri­men­tos apa­ren­tam ser de agres­são. “Tem só um ga­li­nho [na ca­be­ça], a mão de­le es­tá in­tac­ta, do jo­e­lho pa­ra baixo tam­bém. Is­so não foi pi­so­te­a­men­to.”

Fer­nan­da ain­da diz que os ami­gos ten­ta­ram so­cor­rer Dennys, mas que po­li­ci­ais não per­mi­ti­ram. “To­do mun­do sa­be o que foi. Um me­ni­no ne­gro, na fa­ve­la, cur­tin­do um baile. Ele caiu, um ami­go foi so­cor­rer e um po­li­ci­al fa­lou ‘po­de dei­xar que a gen­te cui­da de­le’. De­pois co­lo­cou ele [o ami­go] pa­ra cor­rer.”

Ou­tras ví­ti­mas

Tam­bém mor­re­ram no epi­só­dio Lu­a­ra Vic­to­ria Oliveira, 18, Ga­bri­el Ro­gé­rio de Mo­ra­es, 20, e Edu­ar­do da Sil­va, 21. A re­por­ta­gem não lo­ca­li­zou as fa­mí­li­as de­les.

Fotos Reprodução

Edu­ar­do, 21

Denys, 16

Lu­a­ra, 18

Ma­teus, 23

Bru­no, 22

Mar­cos, 16

Dennys, 16

Gus­ta­vo, 14

Ga­bri­el, 20

1 4 7 2 5 8 3 6 9

Fotos Reprodução e Arquivo pessoal

1 Ma­teus dos San­tos Cos­ta, 23; 2 Mar­cos Pau­lo de Oliveira dos San­tos, 16; 3 Denys Henrique Qui­ri­no da Sil­va, 16; 4 Gus­ta­vo Xa­vi­er, 14; 5 Dennys Gui­lher­me dos San­tos Fran­co, 16; 6 Lu­a­ra Vic­to­ria Oliveira, 18; 7 Bru­no Ga­bri­el dos San­tos, 22; 8 Ga­bri­el Ro­gé­rio de Mo­ra­es, 20; 9 Edu­ar­do da Sil­va, 21

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.