Por mais com­pe­ti­ção

Li­mi­te aos ju­ros do che­que es­pe­ci­al de­ve ser me­ro pa­li­a­ti­vo na bus­ca de mai­or concorrênc­ia no se­tor

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - edi­to­ri­[email protected]­po­fo­lha.com.br

Acer­ca de li­mi­te im­pos­to a ju­ros do che­que es­pe­ci­al.

Num país com ele­va­da con­cen­tra­ção no mer­ca­do fi­nan­cei­ro, mos­tra-se opor­tu­na a in­ter­ven­ção do Ban­co Cen­tral pa­ra bai­xar os ju­ros do che­que es­pe­ci­al. A ini­ci­a­ti­va não po­de ser pon­tu­al, con­tu­do, e de­ve in­se­rir-se numa agenda con­sis­ten­te de fo­men­to à concorrênc­ia.

A no­va re­gu­la­men­ta­ção per­mi­te a co­bran­ça de tarifa má­xi­ma de 0,25% so­bre o li­mi­te dis­po­ni­bi­li­za­do pa­ra ca­da cli­en­te, que de­ve­rá ser de­du­zi­da do cus­to do financiame­nto. Va­lo­res até R$ 500 es­tão isen­tos. Em con­tra­par­ti­da, a ta­xa de ju­ros se­rá li­mi­ta­da a 8% ao mês —ele­va­dís­si­mos, mas pou­co me­nos da me­ta­de do pa­ta­mar atu­al.

O che­que es­pe­ci­al, por su­as ca­rac­te­rís­ti­cas, jus­ti­fi­ca re­gu­la­ção di­fe­ren­ci­a­da. Tra­ta-se, pa­ra co­me­çar, do cré­di­to mais one­ro­so, com ju­ros anu­ais de 305% ao ano, um múl­ti­plo da ta­xa mé­dia de to­dos os ti­pos de financiame­nto pes­so­ais, ho­je em tor­no de 50%.

Por se tra­tar de um em­prés­ti­mo con­tin­gen­te, a re­gu­la­ção im­põe um cus­to de ca­pi­tal pa­ra to­dos os li­mi­tes dis­po­ni­bi­li­za­dos, mes­mo quan­do não uti­li­za­dos. O re­sul­ta­do é que os cli­en­tes que ca­em no che­que es­pe­ci­al, com frequên­cia mais pobres e me­nos es­co­la­ri­za­dos, aca­bam pa­gan­do por to­dos.

A per­mis­são pa­ra co­bran­ça de tarifa pro­por­ci­o­nal à li­nha con­tra­ta­da tem co­mo ob­je­ti­vo re­du­zir tal im­pac­to re­gres­si­vo e in­du­zir ao uso mais ra­ci­o­nal do cré­di­to.

Ade­mais, co­mo o che­que es­pe­ci­al é uti­li­za­do co­mo re­cur­so de úl­ti­ma ins­tân­cia, a de­man­da é pou­co sen­sí­vel aos ju­ros co­bra­dos, o que fa­vo­re­ce abu­so de po­der de mer­ca­do por par­te dos bancos.

Pro­va dis­so é que a mo­da­li­da­de re­pre­sen­ta ape­nas 1,4% do vo­lu­me to­tal de cré­di­to do sis­te­ma fi­nan­cei­ro pa­ra pes­so­as fí­si­cas, mas res­pon­de por na­da me­nos que 13% da mar­gem dos bancos com intermedia­ção (já des­con­ta­das as pro­vi­sões pa­ra per­das).

Fo­ram es­sas as jus­ti­fi­ca­ti­vas do BC pa­ra im­por o te­to na co­bran­ça de ju­ros. Tam­bém pa­re­ce ter ha­vi­do pres­são po­lí­ti­ca pa­ra a de­ci­são, o que pre­o­cu­pa por re­me­ter ao ris­co do in­ter­ven­ci­o­nis­mo.

Mes­mo as­sim, e em­bo­ra pas­sí­vel de crí­ti­ca por se tra­tar de uma fi­xa­ção de pre­ço, a me­di­da não cons­ti­tui pro­pri­a­men­te no­vi­da­de. Ou­tros paí­ses ado­tam res­tri­ções nes­se ti­po de financiame­nto, cons­ci­en­tes da re­la­ção as­si­mé­tri­ca e dos riscos so­ci­ais en­vol­vi­dos.

No ca­so bra­si­lei­ro, o te­to não po­de ser mais que um pa­li­a­ti­vo tem­po­rá­rio, que não re­sol­ve­rá o pro­ble­ma prin­ci­pal —a fal­ta de com­pe­ti­ção num sis­te­ma ain­da fe­cha­do.

O Bra­sil co­le­ci­o­na es­ta­tís­ti­cas que de­mons­tram ex­ces­si­vo po­der de mer­ca­do por par­te dos gran­des bancos, que os­ten­tam lu­cra­ti­vi­da­de acima de ou­tros se­to­res da economia —e até mais em re­ces­sões.

O fo­co, por­tan­to, de­ve ser a ação fir­me das au­to­ri­da­des com o pro­pó­si­to de re­du­zir es­pa­ços pa­ra com­por­ta­men­to oli­go­po­lis­ta das gran­des ins­ti­tui­ções e fa­ci­li­tar a che­ga­da de no­vos en­tran­tes em to­dos os seg­men­tos fi­nan­cei­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.