Pre­si­den­te anun­cia no­vo sa­lá­rio mí­ni­mo de R$ 1.045

Go­ver­no es­ti­ma im­pac­to de R$ 2,13 bi com re­a­jus­te ex­tra, en­quan­to ór­gão fis­cal do Se­na­do apon­ta gas­tos de até R$ 3,3 bi

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Bernardo Caram e Gus­ta­vo Uri­be Bernardo Caram

Jair Bol­so­na­ro anun­ci­ou on­tem no­vo re­a­jus­te do sa­lá­rio mí­ni­mo pa­ra re­com­por in­te­gral­men­te a in­fla­ção. A par­tir de fe­ve­rei­ro, o va­lor se­rá de R$ 1.045.

O pre­si­den­te dis­se que en­vi­a­rá me­di­da pro­vi­só­ria ao Con­gres­so em subs­ti­tui­ção ao tex­to de de­zem­bro, que ele­va­va o pi­so de R$ 998 pa­ra R$ 1.039. O im­pac­to do au­men­to foi es­ti­ma­do em R$ 2,13 bi­lhões nes­te ano.

“Um: is­so [o re­a­jus­te] im­pli­ca mai­or po­der de con­su­mo pa­ra a po­pu­la­ção. E dois: es­se va­lor im­pli­ca pres­são or­ça­men­tá­ria Wal­dery Ro­dri­gues se­cre­tá­rio especial da Fa­zen­da

bra­sí­lia O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro anun­ci­ou nes­ta ter­ça­fei­ra (14) que o go­ver­no fa­rá um no­vo re­a­jus­te do sa­lá­rio mí­ni­mo pa­ra re­com­por in­te­gral­men­te a in­fla­ção. A par­tir de fe­ve­rei­ro, o va­lor se­rá de R$ 1.045.

Após reu­nião com o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, o pre­si­den­te afir­mou que en­vi­a­rá uma no­va MP (me­di­da pro­vi­só­ria) ao Con­gres­so

O tex­to subs­ti­tui­rá a pro­pos­ta en­vi­a­da em de­zem­bro, que re­a­jus­ta­va o pi­so sa­la­ri­al do país de R$ 998 pa­ra R$ 1.039.

O im­pac­to fis­cal do no­vo au­men­to foi es­ti­ma­do pe­lo go­ver­no em R$ 2,13 bi­lhões nes­te ano, em ra­zão de o go­ver­no pa­gar be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os e as­sis­ten­ci­ais vin­cu­la­dos ao sa­lá­rio mí­ni­mo.

Em ava­li­a­ção que se­rá di­vul­ga­da na tar­de des­ta quar­ta-fei­ra (15), a IFI (Ins­ti­tui­ção Fis­cal In­de­pen­den­te), li­ga­da ao Se­na­do, es­ti­ma que o im­pac­to do re­a­jus­te se­rá ain­da mai­or.

Os cál­cu­los do Re­la­tó­rio de Acom­pa­nha­men­to Fis­cal do ór­gão apon­tam pa­ra um au­men­to das des­pe­sas pú­bli­cas en­tre R$ 2,7 bi­lhões e R$ 3,3 bi­lhões em 2020.

En­quan­to o go­ver­no pro­je­ta que o im­pac­to fis­cal pa­ra ca­da R$ 1 de au­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo é de R$ 355 mi­lhões, a IFI cal­cu­la que a ci­fra po­de va­ri­ar de R$ 450 mi­lhões a R$ 550 mi­lhões.

O va­lor do sa­lá­rio mí­ni­mo an­te­ri­or­men­te es­ti­pu­la­do, que le­vou em con­ta a in­fla­ção de ja­nei­ro a no­vem­bro de 2019 mais uma es­ti­ma­ti­va do mer­ca­do pa­ra de­zem­bro, era de 3,86%.

O ín­di­ce fi­cou abai­xo da in­fla­ção oficial, di­vul­ga­da na se­ma­na pas­sa­da pe­lo IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca), de 4,48%.

O no­vo cál­cu­lo, com o INPC (Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor) in­te­gral de 2019, apon­tou pa­ra es­se acrés­ci­mo dos R$ 6 no sa­lá­rio mí­ni­mo.

“Nós ti­ve­mos uma in­fla­ção atí­pi­ca em de­zem­bro, não es­pe­rá­va­mos que fos­se tão al­ta as­sim, mas foi tu­do ba­si­ca­men­te da car­ne”, afir­mou o pre­si­den­te ao dei­xar o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia à tar­de.

De acor­do com in­ter­lo­cu­to­res de Gu­e­des, a me­di­da pro­vi­só­ria de­ve pre­ver que o re­a­jus­te te­nha va­li­da­de ape­nas a par­tir de fe­ve­rei­ro, sem efei­to re­tro­a­ti­vo pa­ra ja­nei­ro.

A de­ci­são de pro­mo­ver um no­vo au­men­to do pi­so sa­la­ri­al do país ha­via cri­a­do um im­pas­se ju­rí­di­co na equi­pe do go­ver­no.

Téc­ni­cos re­la­ta­vam dú­vi­das so­bre se a Cons­ti­tui­ção per­mi­tia ao Exe­cu­ti­vo edi­tar uma MP com te­or se­me­lhan­te à apre­sen­ta­da no fim de de­zem­bro, quan­do Bol­so­na­ro cor­ri­giu o sa­la­rio mí­ni­mo.

Nem Bol­so­na­ro nem Gu­e­des ex­pli­ca­ram qual a saí­da ju­rí­di­ca es­tu­da­da pa­ra jus­ti­fi­car as du­as me­di­das pro­vi­só­ri­as. Pro­cu­ra­da, as­ses­so­ria da Eco­no­mia não res­pon­deu até a con­clu­são des­te tex­to.

Téc­ni­cos le­gis­la­ti­vos da Câ­ma­ra ou­vi­dos pe­la Folha afir­mam não ser usu­al o go­ver­no en­vi­ar du­as MPs de te­or se­me­lhan­te em tão curto es­pa­ço de tem­po. Em uma pri­mei­ra ava­li­a­ção, eles di­zem acre­di­tar, que não ha­ve­rá pro­ble­ma na tra­mi­ta­ção das pro­pos­tas.

Co­mo a me­di­da en­vi­a­da não foi re­jei­ta­da nem per­deu a va­li­da­de, si­tu­a­ções que im­pe­di­ri­am a edi­ção de um no­vo tex­to, as du­as ma­té­ri­as po­de­rão ca­mi­nhar si­mul­ta­ne­a­men­te.

A MP com o va­lor de R$ 1.039 foi edi­ta­da no dia 31 de de­zem­bro. A ses­são le­gis­la­ti­va foi en­cer­ra­da no dia 22 de de­zem­bro e se­rá rei­ni­ci­a­da em 2 de fe­ve­rei­ro.

Uma ou­tra pos­si­bi­li­da­de que fo­ra aven­ta­da, de le­var su­ges­tões pa­ra se­rem in­cluí­das na MP que já tra­mi­ta no Le­gis­la­ti­vo, fa­ria com que o re­a­jus­te de­mo­ras­se a ser efe­ti­va­do. Is­so por­que o tex­to ain­da de­pen­de­ria de ava­li­a­ção dos con­gres­sis­tas, que es­tão em re­ces­so.

De acor­do com Bol­so­na­ro, as du­as MPs de­ve­rão ter a re­la­to­ria de ape­nas um par­la­men­tar. Ele fi­ca­rá en­tão res­pon­sá­vel por fa­zer o acer­to dos va­lo­res. Uma MP va­le por, no má­xi­mo, 120 di­as.

Se­gun­do o mi­nis­tro, o go­ver­no de­ve­rá anun­ci­ar até a pró­xi­ma se­ma­na uma no­va ar­re­ca­da­ção, de R$ 8 bi­lhões. “Va­mos ter de achar os re­cur­sos pa­ra fa­zer is­so [con­ce­der o re­a­jus­te]”, afir­mou Gu­e­des.

Es­se re­sul­ta­do po­de­rá aco­mo­dar o gas­to adi­ci­o­nal. Gu­e­des não in­for­mou qual a fonte des­sas no­vas re­cei­tas.

O mi­nis­tro tam­bém não de­ta­lhou se ha­ve­rá pro­ble­mas em re­la­ção ao te­to de gas­tos, que li­mi­ta o cres­ci­men­to das des­pe­sas pú­bli­cas à va­ri­a­ção da in­fla­ção.

O Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia in­for­mou à Folha na se­ma­na pas­sa­da que o Or­ça­men­to de 2020 não tem mar­gem pa­ra am­pli­a­ção de gas­tos por es­tar no li­mi­te do te­to.

Des­se mo­do, mes­mo que se­jam ob­ti­das no­vas re­cei­tas, o go­ver­no não po­de­rá gas­tar mais e se­rá obri­ga­do a cor­tar des­pe­sas em ou­tras áre­as pa­ra com­pen­sar a no­va obri­ga­ção bi­li­o­ná­ria.

“Na­tu­ral­men­te, se as coi­sas que es­ta­mos es­ti­man­do não acon­te­ce­rem, po­de ha­ver um con­tin­gen­ci­a­men­to ali na fren­te”, dis­se Gu­e­des.

Mais ce­do, o se­cre­tá­rio especial da Fa­zen­da, Wal­dery Ro­dri­gues, tra­tou de dois efei­tos da cor­re­ção. “Um: is­so [o re­a­jus­te] im­pli­ca mai­or po­der de con­su­mo pa­ra a po­pu­la­ção. E dois: es­se va­lor im­pli­ca pres­são or­ça­men­tá­ria.”

A pró­xi­ma ava­li­a­ção da exe­cu­ção do Or­ça­men­to es­tá pre­vis­ta pa­ra 22 de mar­ço. É, po­rém, pos­sí­vel que se­ja ne­ces­sá­rio fa­zer um cor­te de ver­bas an­tes des­sa da­ta.

Até 2019, vi­go­ra­va uma lei que de­fi­nia a po­lí­ti­ca de re­a­jus­te do sa­lá­rio mí­ni­mo

Pe­la re­gra, nos anos em que a in­fla­ção oficial fi­cas­se mai­or do que a es­ti­ma­ti­va do go­ver­no, es­sa di­fe­ren­ça se­ria in­cor­po­ra­da no cál­cu­lo do re­a­jus­te do ano se­guin­te. Em 2020, no en­tan­to, es­sa re­gra não tem mais va­li­da­de.

O go­ver­no Bol­so­na­ro em 2019 in­ter­rom­peu uma po­lí­ti­ca pú­bli­ca que per­mi­tiu 25 anos de ga­nhos re­ais aos tra­ba­lha­do­res —ou se­ja, com au­men­tos que con­si­de­ra­vam a in­fla­ção mais o cres­ci­men­to da eco­no­mia.

Es­sa po­lí­ti­ca de ga­nho real foi im­ple­men­ta­da in­for­mal­men­te em 1994, por Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so (PSDB), lo­go após a ado­ção do Pla­no Real. As ges­tões pe­tis­tas ofi­ci­a­li­za­ram a me­di­da.

Mi­chel Te­mer (MDB), que go­ver­nou du­ran­te a re­ces­são, não mu­dou a le­gis­la­ção.

Go­ver­no pro­je­ta PIB mais for­te pa­ra 2019 e 2020

bra­sí­lia O Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia re­vi­sou pa­ra ci­ma as pro­je­ções do PIB (Pro­du­to In­ter­no Bru­to) de 2019 e 2020. A ex­pec­ta­ti­va pa­ra o avan­ço da ati­vi­da­de econô­mi­ca em 2019, que es­ta­va em 0,9% em bo­le­tim di­vul­ga­do em no­vem­bro, avan­çou pa­ra 1,12%. O da­do fe­cha­do do ano pas­sa­do ain­da não foi di­vul­ga­do pe­lo IBGE.

Pa­ra 2020, o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia es­pe­ra um avan­ço do PIB de 2,40%, an­te pro­je­ção an­te­ri­or de 2,32%. As es­ti­ma­ti­vas fo­ram di­vul­ga­das nes­ta ter­ça-fei­ra (14) pe­la Se­cre­ta­ria de Po­lí­ti­ca Econô­mi­ca.

As pro­je­ções econô­mi­cas ser­vem de ba­se pa­ra as ava­li­a­ções do an­da­men­to da po­lí­ti­ca fis­cal. Com uma ex­pec­ta­ti­va me­lhor pa­ra a ati­vi­da­de, por exem­plo, a equi­pe econô­mi­ca de­ve am­pli­ar as es­ti­ma­ti­vas de ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.