Co­mo caí no gol­pe do WhatsApp

Fin­gin­do con­ta­to pro­fis­si­o­nal, cri­mi­no­so pede número de con­fir­ma­ção, clo­na usuá­rio e so­li­ci­ta dinheiro de co­nhe­ci­dos

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Mar­cos No­guei­ra

O ce­lu­lar to­cou, con­vi­te pa­ra fes­ta de Hen­ri­que Fo­ga­ça. “Pa­ra con­fir­mar sua pre­sen­ça, é pre­ci­so que o se­nhor re­pi­ta o có­di­go que aca­bei de lhe en­vi­ar pa­ra o ce­lu­lar.” Pi­po­cou um avi­so na te­la, re­pe­ti os nú­me­ros.

E mi­nha vi­da vi­rou um in­fer­no.

são pau­lo O ce­lu­lar to­cou en­quan­to eu par­ti­ci­pa­va do pod­cast de um jor­na­lis­ta ami­go. Fa­lá­va­mos jus­ta­men­te so­bre a re­la­ção en­tre im­pren­sa e chefs de co­zi­nha.

“Boa tar­de, sr. No­guei­ra. Sou as­ses­sor do chef Hen­ri­que Fo­ga­ça. Ele me pe­diu pa­ra in­cluir seu no­me na lis­ta de uma fes­ta que ele vai ofe­re­cer.”

Em ju­nho do ano pas­sa­do, fiz uma vi­a­gem a tra­ba­lho pa­ra a Itá­lia. O Fo­ga­ça es­ta­va no gru­po. A gen­te se co­nhe­ceu, con­ver­sou. Não fi­ca­mos ami­gões do pei­to, mas me pa­re­ceu na­tu­ral o con­vi­te. Ape­nas uma gen­ti­le­za. A voz do ou­tro la­do da li­nha pros­se­guiu, sem­pre mui­to edu­ca­da.

“Pa­ra con­fir­mar sua pre­sen­ça, é pre­ci­so que o se­nhor re­pi­ta o có­di­go que eu aca­bei de lhe en­vi­ar pa­ra o ce­lu­lar.”

Pi­po­cou um avi­so na te­la e eu re­pe­ti os nú­me­ros. Era o có­di­go de se­gu­ran­ça do WhatsApp. Mi­nha vi­da vi­rou um in­fer­no a par­tir da­que­le mo­men­to.

Dois mi­nu­tos de­pois, um ami­go me te­le­fo­nou pa­ra avi­sar que al­guém ha­via clo­na­do mi­nha con­ta de WhatsApp e pe­dia um de­pó­si­to em dinheiro co­mo se fos­se eu que pre­ci­sas­se de­ses­pe­ra­da­men­te da gra­na. Pre­ci­so, mas não te­ria ta­ma­nha ca­ra de pau.

O es­te­li­o­na­tá­rio —ou a qu­a­dri­lha de 171s, co­mo pa­re­ce ser o ca­so— dá uma ra­zão mui­to plau­sí­vel pa­ra o em­prés­ti­mo. Um pa­ga­men­to ur­gen­te. Sem­pre al­go que po­de ser re­sol­vi­do no dia se­guin­te, da­ta pa­ra a qual o re­em­bol­so é pro­me­ti­do. E usa con­tas de ter­cei­ros com a des­cul­pa de que a pró­pria con­ta es­tá blo­que­a­da por al­gum mo­ti­vo. Quem nun­ca deu ca­lo­te nes­te país?

Até ago­ra, qua­tro pes­so­as dos meus con­ta­tos de­ram dinheiro pa­ra o ban­do. Mi­nha ex-mu­lher número 1. O pai de um ami­go do meu fi­lho. Uma ami­ga que calha de ser de­sig­ner na Folha. Ou­tra ami­ga de co­ra­ção gigante que fez dois de­pó­si­tos pa­ra o sa­la­frá­rio.

Não con­si­go re­cu­pe­rar a con­ta se­ques­tra­da. Os ban­di­dos de­ram um jei­to de blo­que­ar o meu aces­so usan­do se­nhas er­ra­das pa­ra aler­tar o ser­vi­dor de uma pos­sí­vel in­va­são. Irô­ni­co: são eles os in­va­so­res. Ten­tei os mei­os for­mais pa­ra con­ta­tar o WhatsApp/Fa­ce­bo­ok e ten­tar re­ver­ter a lam­ban­ça. Só re­ce­bi men­sa­gens ro­bó­ti­cas de vol­ta.

A po­lí­cia, di­a­bos, por que não a pro­cu­rei an­tes? Não é pos­sí­vel de­nun­ci­ar de­li­tos di­gi­tais pe­la in­ter­net. Fui à De­le­ga­cia Es­pe­ci­a­li­za­da de In­ves­ti­ga­ção de Cri­mes Ci­ber­né­ti­cos, no pré­dio do Deic (De­par­ta­men­to Es­ta­du­al de In­ves­ti­ga­ções Cri­mi­nais da Po­lí­cia Ci­vil), na zo­na nor­te de São Pau­lo.

O fla­ne­li­nha lo­cal já me deu a le­tra: “Ihhhh, de ber­mu­da vo­cê não po­de en­trar no

Deic”. Di­to e fei­to: na por­ta­ria ha­via um avi­so de­ta­lhan­do o “dress co­de” da re­par­ti­ção. Dei uma cho­ra­da com o guar­dião do por­tal e re­ce­bi meu cra­chá ple­ni­po­ten­ciá­rio.

Du­as coi­sas me im­pres­si­o­na­ram na tal de­le­ga­cia ci­ber­né­ti­ca. Uma, o vo­lu­me de pas­tas chei­as de pa­pel —mon­ta­nhas e mon­ta­nhas so­bre as me­sas dos res­pon­sá­veis por des­ba­ra­tar cri­mes vir­tu­ais. Ou­tra, a ca­ra amar­ra­da de to­do mun­do. Es­se po­vo an­da ven­do mui­to fil­me po­li­ci­al ma­de in USA. Os te­le­fo­nes não pa­ra­vam de to­car pa­ra fa­lar sem­pre do mes­mo as­sun­to: o gol­pe do zap.

Fiz meu bo­le­tim de ocor­rên­cia, me­di­da pro­to­co­lar que não re­sol­veu em na­da a mi­nha vi­da até ago­ra —mui­to me­nos a vi­da dos meus ami­gos, que saí­ram no pre­juí­zo ma­te­ri­al. Obri­ga­do por con­fi­a­rem tan­to em mim, pes­so­as. E me des­cul­pem ou­tra vez.

Na vol­ta pa­ra ca­sa, to­ca o te­le­fo­ne. Número des­co­nhe­ci­do. “Sr. No­guei­ra, fa­lo em no­me do res­tau­ran­te Ton­to­ni. O se­nhor foi con­tem­pla­do no sor­teio de um jan­tar pa­ra dois...”

Apa­ren­te­men­te, a mal­ta do zap tem fa­mi­li­a­ri­da­de com o meio gas­tronô­mi­co. Os des­qua­li­fi­ca­dos sa­bem do que es­tão fa­lan­do. E o gru­po ten­tou pe­gar tam­bém ou­tros cro­nis­tas de co­mi­da, co­mo o Mar­ce­lo Kat­su­ki, meu co­le­ga de blogs na Folha.

Ou­vi pa­ci­en­te­men­te o fu­la­no até ter cer­te­za de que era o mes­mo gol­pe. En­tão per­di a fleu­ma. “Es­cu­ta aqui, seu ar­rom­ba­do fi­lho da pu­ta! Já caí nes­se gol­pe on­tem.”

O su­jei­to não se al­te­rou. Deu uma risadinha tí­mi­da, es­ti­lo do Za­ca­ri­as (dos Tra­pa­lhões), e me carimbou na testa: “Trou­xa”.

Pi­po­cou um avi­so na te­la e eu re­pe­ti os nú­me­ros. Era o có­di­go de se­gu­ran­ça do WhatsApp. Mi­nha vi­da vi­rou um in­fer­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.