Ter­ra­pla­nis­mo de es­quer­da

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - An­dre­za Del­ga­do Se aven­tu­ra pe­lo uni­ver­so nerd, pro­duz con­teú­do na in­ter­net, es­cre­ve na Ca­pi­to­li­na e é uma das cri­a­do­ras da Pe­ri­faCon An­to­nio Del­fim Netto O co­lu­nis­ta es­tá em fé­ri­as

Uma par­te da es­quer­da faz tem­po in­ves­te na di­fu­são de uma nar­ra­ti­va es­pe­cí­fi­ca so­bre 2013 co­mo ori­gem do gol­pe e do fas­cis­mo. Pa­re­ce não ha­ver es­for­ço ne­nhum pa­ra di­a­lo­gar so­bre a es­ca­la­da de re­pres­são, já ini­ci­a­da pe­lo go­ver­no pe­tis­ta da épo­ca.

Uma par­te da es­quer­da faz tem­po in­ves­te na di­fu­são de uma nar­ra­ti­va es­pe­cí­fi­ca so­bre 2013 co­mo ori­gem do gol­pe e do fas­cis­mo, ago­ra atin­gin­do ní­veis de te­o­ria da cons­pi­ra­ção en­vol­ven­do a CIA e chan­ce­la­da pe­lo Lu­la —acu­san­do quem dis­cor­da ou traz evi­dên­ci­as do con­trá­rio de “in­gê­nuo” e “ma­ni­pu­la­do pe­lo im­pe­ri­a­lis­mo”.

O que mo­ve es­se de­ba­te são as frus­tra­ções de fi­gu­ras e a mi­li­tân­cia per­so­na­lis­ta, em sua mai­o­ria mas­cu­li­na, que não abrem mão do di­rei­to de po­der di­zer co­mo as lu­tas e as coi­sas de­ve­ri­am ser. Atu­am den­tro dos pró­pri­os ide­ais de lu­ta bu­ro­crá­ti­ca e de ne­go­ci­a­ções ins­ti­tu­ci­o­nais, de­fi­nin­do o que é um ma­ni­fes­tan­te bom e co­mo de­ve ser uma ma­ni­fes­ta­ção de ver­da­de.

Pa­re­ce não ha­ver es­for­ço ne­nhum des­ses cons­pi­ra­ci­o­nis­tas pa­ra di­a­lo­gar so­bre a es­ca­la­da de re­pres­são, já ini­ci­a­da pe­lo go­ver­no pe­tis­ta da épo­ca. Se for­mos pen­sar bem, um le­ga­do de re­pres­são já ha­via se in­ten­si­fi­ca­do em 2013 e es­ta­va ali­nha­do às es­fe­ras fe­de­ral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal. Tais in­ves­ti­das re­pres­si­vas re­ver­be­ram até ho­je. Se ju­nho de 2013 foi faís­ca pa­ra o fas­cis­mo, o que sig­ni­fi­ca uma lei an­ti­ter­ro­ris­mo que po­de ser usa­da con­tra ma­ni­fes­tan­tes e mo­vi­men­tos so­ci­ais?

Ou­tra fun­ção po­lí­ti­ca des­sa nar­ra­ti­va é fu­gir de um de­ba­te so­bre co­mo as ali­an­ças e po­lí­ti­cas pú­bli­cas de se­gu­ran­ça do pró­prio PT fo­ram co­la­bo­ra­ci­o­nis­tas com o fas­cis­mo e a ex­tre­ma di­rei­ta. Es­sas po­lí­ti­cas e to­ma­das de de­ci­sões pu­ni­ti­vis­tas re­for­ça­ram o pa­pel do Es­ta­do co­mo prin­ci­pal agen­te da re­pres­são, não só nas ma­ni­fes­ta­ções co­mo no au­men­to do en­car­ce­ra­men­to e do ge­no­cí­dio das po­pu­la­ções ne­gra, in­dí­ge­na e das fa­ve­las.

O ata­que a mo­vi­men­tos so­ci­ais não vin­cu­la­dos a par­ti­dos po­lí­ti­cos é mui­to fre­quen­te até ho­je. Mes­mo as­sim, qua­se se­te anos após ju­nho de 2013, pes­so­as con­ti­nu­am se ma­ni­fes­tan­do con­tra au­men­tos nos trans­por­tes, exi­gin­do po­de­rem cir­cu­lar pe­la ci­da­de e mos­tran­do que is­so é um di­rei­to, não uma mer­ca­do­ria. É la­men­tá­vel que Lu­la e tan­tos ou­tros usem sua vi­si­bi­li­da­de na­ci­o­nal/mun­di­al pa­ra ata­car pau­tas tão le­gí­ti­mas quan­to as de 2013, in­clu­si­ve nes­te ce­ná­rio em que a Amé­ri­ca La­ti­na se le­van­ta na de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos e so­ci­ais, in­cluin­do o trans­por­te.

Agem co­mo se tu­do an­tes de 2013 es­ti­ves­se per­fei­to. Co­mo se o Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de Di­rei­to não fos­se uma fan­ta­sia e es­ti­ves­se em ple­no fun­ci­o­na­men­to e a re­cen­te e tão fra­gi­li­za­da de­mo­cra­cia e os di­rei­tos es­ti­ves­sem sen­do res­pei­ta­dos nos qui­lom­bos, fa­ve­las e ter­ri­tó­ri­os in­dí­ge­nas. Ao fi­nal, o que ve­mos é a von­ta­de de al­te­rar a re­a­li­da­de e cri­ar uma ver­da­de pa­ra jus­ti­fi­car os pró­pri­os er­ros, mas­sa­ge­ar egos e fa­vo­re­cer a nar­ra­ti­va nar­ci­sis­ta das lu­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.