Livro pró-ce­li­ba­to opõe os dois pa­pas

Ben­to 16 pede pa­ra dei­xar de cons­tar co­mo co­au­tor de obra, vis­ta co­mo re­a­ção de con­ser­va­do­res ao Sí­no­do da Amazô­nia

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Rei­nal­do José Lo­pes

Ben­to 16 pe­diu pa­ra não ser ci­ta­do co­mo co­au­tor de livro que de­fen­de o ce­li­ba­to dos sa­cer­do­tes. Obra foi vis­ta co­mo uma crí­ti­ca a Francisco, que tem per­mi­ti­do de­ba­tes so­bre a fle­xi­bi­li­za­ção em cir­cuns­tân­ci­as es­pe­ci­ais.

são car­los O pa­pa emé­ri­to Ben­to 16 pe­diu pa­ra não ser mais ci­ta­do co­mo co­au­tor de um livro que é uma de­fe­sa do ce­li­ba­to dos sa­cer­do­tes ca­tó­li­cos em to­das as cir­cuns­tân­ci­as. Tre­chos da obra, as­si­na­da tam­bém pe­lo car­de­al con­ser­va­dor Ro­bert Sa­rah, vi­e­ram à to­na no dia 12 e fo­ram in­ter­pre­ta­dos co­mo uma crí­ti­ca ao pa­pa Francisco, que tem per­mi­ti­do de­ba­tes so­bre a fle­xi­bi­li­za­ção do ce­li­ba­to em cir­cuns­tân­ci­as es­pe­ci­ais.

Mes­mo le­van­do em con­ta os qua­se 2.000 anos de his­tó­ria con­tur­ba­da do ca­to­li­cis­mo, a si­tu­a­ção em tor­no do livro “Des Pro­fon­deurs de Nos Co­eurs” (Das pro­fun­de­zas de nos­sos co­ra­ções) con­tém com­pli­ca­ções sem pre­ce­den­tes, se­ja no que diz res­pei­to aos de­ba­tes que têm di­vi­di­do a Igre­ja nos úl­ti­mos anos, se­ja na ten­ta­ti­va de de­fi­nir as es­fe­ras de in­fluên­cia de pa­pas “na ati­va” e “apo­sen­ta­dos”.

De um la­do, a pu­bli­ca­ção do livro pa­re­ce uma re­a­ção às con­clu­sões do Sí­no­do da Amazô­nia, reu­nião de bis­pos de to­dos os paí­ses da re­gião abran­gi­da pe­la flo­res­ta que ocor­reu em ou­tu­bro de 2019.

Pre­la­dos ca­tó­li­cos e par­ti­ci­pan­tes lei­gos dis­cu­ti­ram no­vos ca­mi­nhos pa­ra a atu­a­ção da Igre­ja em ter­ri­tó­rio amazô­ni­co e, em sua mai­o­ria, vo­ta­ram a fa­vor de pro­pos­tas vis­tas co­mo ou­sa­das, co­mo a in­cor­po­ra­ção de ele­men­tos das cul­tu­ras in­dí­ge­nas na li­tur­gia ca­tó­li­ca e a pos­si­bi­li­da­de de or­de­nar sa­cer­do­tes já ca­sa­dos.

Es­ses no­vos pa­dres ca­sa­dos se­ri­am ho­mens ma­du­ros, com vi­da fa­mi­li­ar só­li­da e atu­a­ção nas co­mu­ni­da­des da re­gião, e de­ve­ri­am tam­bém já ser diá­co­nos (mem­bros do cle­ro que ho­je po­dem ce­le­brar ca­sa­men­tos, mas não con­sa­grar a hós­tia e o vi­nho pa­ra a Eu­ca­ris­tia). A ideia por trás do pla­no é su­prir a es­cas­sez de pa­dres nas áre­as mais iso­la­das da Amazô­nia —sem elas, di­fi­cul­ta-se mui­to a ce­le­bra­ção da Eu­ca­ris­tia, par­te mais im­por­tan­te das mis­sas.

En­ca­ra­da de for­ma iso­la­da, tra­ta-se de uma mo­di­fi­ca­ção mo­des­ta nas atu­ais re­gras do ce­li­ba­to. E não se­ria al­go to­tal­men­te iné­di­to. Igre­jas cris­tãs do Ori­en­te Mé­dio su­bor­di­na­das a Ro­ma já têm pa­dres com es­po­sas há sé­cu­los.

E, du­ran­te seu pa­pa­do, o pró­prio Ben­to 16 per­mi­tiu que sa­cer­do­tes ca­sa­dos da Igre­ja An­gli­ca­na (pro­tes­tan­te) que se con­ver­te­ram ao ca­to­li­cis­mo man­ti­ves­sem su­as uniões.

Is­so é pos­sí­vel por­que o ce­li­ba­to é con­si­de­ra­do uma dis­ci­pli­na (ou se­ja, re­gra de con­du­ta), e não um dog­ma es­sen­ci­al da fé ca­tó­li­ca, em­bo­ra te­nha pre­do­mi­na­do no Oci­den­te ao lon­go dos úl­ti­mos mil anos.

Es­pe­ra-se que o pa­pa Francisco se pro­nun­cie so­bre as con­clu­sões do sí­no­do por meio de um do­cu­men­to oficial (a cha­ma­da exor­ta­ção apos­tó­li­ca) nes­te ano. Se o si­nal ver­de vi­er, é mui­to pro­vá­vel que se­ja ape­nas pa­ra a si­tu­a­ção par­ti­cu­lar da Amazô­nia, já que Francisco afir­mou di­ver­sas ve­zes ser con­trá­rio a uma mu­dan­ça ge­ne­ra­li­za­da na dis­ci­pli­na do ce­li­ba­to.

Ape­sar de to­das es­sas res­sal­vas, a pos­si­bi­li­da­de, bem co­mo as ou­tras pro­pos­tas ou­sa­das do sí­no­do amazô­ni­co, de­ram ain­da mais im­pul­so a crí­ti­cos con­ser­va­do­res de Francisco na hi­e­rar­quia ca­tó­li­ca.

Es­ses crí­ti­cos, co­mo o car­de­al ame­ri­ca­no Ray­mond Bur­ke e o ale­mão Gerhard Mül­ler (ex­che­fe de pu­re­za dou­tri­ná­ria da Igre­ja sob Ben­to 16), já ti­nham de­sa­fi­a­do Francisco a se ex­pli­car so­bre seu do­cu­men­to “Amo­ris La­e­ti­tia”, de 2016, que abriu a pos­si­bi­li­da­de de comunhão pa­ra ao me­nos al­guns fiéis di­vor­ci­a­dos (tam­bém após de­ba­tes em sí­no­dos).

Com o Sí­no­do da Amazô­nia, os mes­mos car­de­ais che­ga­ram a fa­lar de afir­ma­ções fal­sas ou mes­mo he­ré­ti­cas nos do­cu­men­tos pre­pa­ra­tó­ri­os (em­bo­ra es­ses tex­tos não te­nham si­do as­si­na­dos pe­lo pró­prio Francisco).

Ro­bert Sa­rah, nas­ci­do na Re­pú­bli­ca da Gui­né, não es­tá en­tre os crí­ti­cos mais du­ros do pa­pa ar­gen­ti­no. Co­man­dan­do a Con­gre­ga­ção pa­ra o Cul­to Di­vi­no e a Dis­ci­pli­na dos Sa­cra­men­tos, ele é es­pe­ci­a­lis­ta em as­sun­tos li­túr­gi­cos (ou se­ja, ri­tu­ais ca­tó­li­cos) e, nes­se pon­to, é um de­fen­sor de mis­sas se­gun­do o ri­to an­ti­go, em la­tim, tal co­mo Ben­to 16. Tam­bém é bas­tan­te con­ser­va­dor do pon­to de vis­ta dos cos­tu­mes, tal co­mo a mai­or par­te do cle­ro afri­ca­no.

Es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas o co­lo­cam co­mo ad­ver­sá­rio na­tu­ral das pro­pos­tas do sí­no­do. Além dis­so, há es­tu­di­o­sos do Va­ti­ca­no que cre­di­tam sua no­me­a­ção pa­ra a Con­gre­ga­ção pa­ra o Cul­to Di­vi­no a uma es­pé­cie de pro­mo­ção que equi­va­le a um re­bai­xa­men­to, já que Francisco dá pou­co pe­so a ques­tões li­túr­gi­cas.

A es­sas ques­tões mais diretas da po­lí­ti­ca da Igre­ja se so­bre­põe um pro­ble­ma mais pro­fun­do: é a pri­mei­ra vez na his­tó­ria em que um pa­pa que re­nun­ci­ou não só con­ti­nua mo­ran­do ao la­do de seu su­ces­sor co­mo, de vez em quan­do, dá en­tre­vis­tas, pu­bli­ca tex­tos e, que­ren­do ou não, in­ter­fe­re nos de­ba­tes do ca­to­li­cis­mo.

Foi o pró­prio Ben­to 16 que cri­ou a fi­gu­ra do pa­pa emé­ri­to, an­tes ine­xis­ten­te. Por meio de seu se­cre­tá­rio pes­so­al, o ar­ce­bis­po Ge­org Gänswein, ele dis­se que par­ti­ci­pou do livro do car­de­al afri­ca­no ape­nas co­mo au­tor de um dos ca­pí­tu­los, en­quan­to Sa­rah ha­via de­cla­ra­do que o pa­pa emé­ri­to ti­nha su­per­vi­si­o­na­do to­do o pro­ces­so de pu­bli­ca­ção.

De qual­quer ma­nei­ra, a im­pres­são dei­xa­da pe­lo ca­so foi a de que Ben­to 16 tem ser­vi­do —pro­va­vel­men­te de mo­do não in­ten­ci­o­nal— co­mo fo­co do descontent­amento con­tra Francisco, gra­ças a su­as po­si­ções mais con­ser­va­do­ras.

Con­si­de­ran­do que o pa­pa­do é, for­mal­men­te, uma es­pé­cie de mo­nar­quia ab­so­lu­ta na qual a uni­da­de dos fiéis sob o pa­pa é um va­lor cru­ci­al, a ins­ta­bi­li­da­de que es­se fo­co al­ter­na­ti­vo de po­der cria é con­si­de­rá­vel, e ain­da não es­tá cla­ro co­mo a Igre­ja li­da­rá com o pro­ble­ma no lon­go pra­zo.

Va­ti­ca­no/AFP

... vi­si­ta o pa­pa emé­ri­to Ben­to 16

Em foto de abril de 2019, o pa­pa Francisco...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.