On­da evan­gé­li­ca

É le­gí­ti­mo que de­no­mi­na­ção am­plie pe­so po­lí­ti­co, mas sem que­rer im­por su­as con­vic­ções aos de­mais

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Edi­to­ri­[email protected]­po­fo­lha.com.br

Acer­ca do avan­ço do pro­tes­tan­tis­mo no Bra­sil.

Des­de que os por­tu­gue­ses apor­ta­ram na Bahia há mais de 500 anos e, en­tre seus atos inau­gu­rais, ce­le­bra­ram uma missa, a re­li­gião ca­tó­li­ca es­te­ve in­ti­ma­men­te im­bri­ca­da com a his­tó­ria do Bra­sil.

Na co­lo­ni­za­ção, or­dens re­li­gi­o­sas ti­ve­ram pa­pel re­le­van­te na ocu­pa­ção do ter­ri­tó­rio con­quis­ta­do; du­ran­te o pe­río­do mo­nár­qui­co, o ca­to­li­cis­mo foi al­ça­do à cren­ça oficial do Es­ta­do; mais re­cen­te­men­te, Ge­tú­lio Var­gas de­cla­rou Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da a pa­dro­ei­ra do país.

Ta­ma­nha pre­sen­ça e in­fluên­cia tra­du­ziu-se nu­ma pre­va­lên­cia des­sa re­li­gião, si­tu­a­ção que per­sis­te até ho­je. Tal ce­ná­rio, con­tu­do, vem se mo­di­fi­can­do de ma­nei­ra cé­le­re nas úl­ti­mas três dé­ca­das.

De 1991 a 2010, a pro­por­ção de ca­tó­li­cos caiu 1 pon­to per­cen­tu­al ao ano, ao pas­so que a de evan­gé­li­cos cres­ceu 0,7. Na úl­ti­ma dé­ca­da, de acor­do com es­pe­ci­a­lis­tas, o fenô­me­no ga­nhou ain­da mais ím­pe­to.

Ho­je, 50% dos bra­si­lei­ros se de­cla­ram ca­tó­li­cos, en­quan­to 31% se di­zem evan­gé­li­cos, con­for­me mos­trou re­cen­te pes­qui­sa do Da­ta­fo­lha. Re­gi­o­nal­men­te, a on­da pro­tes­tan­te se mos­tra mais for­te no Nor­te e no Cen­tro-Oes­te, on­de o per­cen­tu­al de fi­eis atin­ge 39%, e mais fra­ca no Nor­des­te, com 27%.

Nes­sa to­a­da, es­ti­ma-se que em 12 anos o Bra­sil se­di­men­te um no­vo cre­do he­gemô­ni­co, com os evan­gé­li­cos su­pe­ran­do os ca­tó­li­cos.

Es­sa tran­si­ção re­li­gi­o­sa, bem co­mo su­as im­pli­ca­ções, cons­ti­tui fenô­me­no ain­da não de to­do com­pre­en­di­do e com­por­ta inú­me­ras nu­an­ces, a co­me­çar da enor­me di­ver­si­da­de de de­no­mi­na­ções pro­tes­tan­tes exis­ten­tes no país.

Den­tre os des­do­bra­men­tos da as­cen­são evan­gé­li­ca, des­ta­ca-se, sem dú­vi­da, o cres­ci­men­to da par­ti­ci­pa­ção des­se gru­po na po­lí­ti­ca.

Na elei­ção de 2018 fo­ram su­fra­ga­dos 91 par­la­men­ta­res iden­ti­fi­ca­dos com es­sa de­no­mi­na­ção, 13 a mais que no plei­to an­te­ri­or, nu­ma par­ti­ci­pa­ção que au­men­ta des­de 2010. Car­gos im­por­tan­tes, co­mo o de pre­fei­to do Rio e de mi­nis­tro de Es­ta­do, são exer­ci­dos ho­je por pas­to­res li­cen­ci­a­dos.

Em­bo­ra se­ja le­gí­ti­mo, na de­mo­cra­cia, que gru­pos re­li­gi­o­sos bus­quem am­pli­ar sua par­ti­ci­pa­ção po­lí­ti­ca, é ina­cei­tá­vel que li­de­ran­ças de­fen­dam ou ori­en­tem ações do po­der pú­bli­co ba­se­a­das em sua fé.

É o que se viu, por exem­plo, na pro­pos­ta do Mi­nis­té­rio da Mu­lher, da Fa­mí­lia e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos de Da­ma­res Al­ves de cri­ar um pro­gra­ma pa­ra in­cen­ti­var jo­vens a adi­ar o iní­cio da vi­da se­xu­al, ou na cen­su­ra co­me­ti­da pe­lo pre­fei­to ca­ri­o­ca, Mar­ce­lo Cri­vel­la, de uma re­vis­ta em qua­dri­nhos que mos­tra­va dois ga­ro­tos se bei­jan­do.

Não se po­de des­fru­tar de li­ber­da­de re­li­gi­o­sa sem ze­lar pe­lo Es­ta­do lai­co. De­fen­dê-lo de­ve ser ta­re­fa de to­dos, qual­quer que se­ja o gru­po que o ame­a­ce.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.