Bra­ga Net­to assume Ca­sa Ci­vil; Onyx vai pa­ra Ci­da­da­nia

Bra­ga Net­to, que co­man­dou in­ter­ven­ção fe­de­ral no Rio e assume no lu­gar de Onyx Lo­ren­zo­ni, é o ter­cei­ro general na cú­pu­la do Pla­nal­to

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Gus­ta­vo Uribe, Ta­li­ta Fernandes e Ju­lia Chaib

Jair Bol­so­na­ro con­fir­mou o general Wal­ter Sou­za Bra­ga Net­to pa­ra o co­man­do da Ca­sa Ci­vil. Ele subs­ti­tui Onyx Lo­ren­zo­ni, que vai pa­ra o Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia. Es­sa pasta era ocu­pa­da por Os­mar Ter­ra, que vol­ta pa­ra a Câ­ma­ra. Pa­ra con­gres­sis­tas, ao au­men­tar o nú­cleo mi­li­tar, o pre­si­den­te en­saia um iso­la­men­to po­lí­ti­co. Eles pre­ve­em pi­o­ra na re­la­ção com o Congresso.

bra­sí­lia O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro anun­ci­ou nes­ta quin­ta-fei­ra (13) o general do Exér­ci­to Wal­ter Sou­za Bra­ga Net­to pa­ra o co­man­do da Ca­sa Ci­vil, a pasta mais pres­ti­gi­o­sa do Exe­cu­ti­vo.

Onyx Lo­ren­zo­ni, ex-in­te­gran­te do nú­cleo du­ro e ide­o­ló­gi­co do Pa­lá­cio do Pla­nal­to, assume o Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia. Os­mar Ter­ra dei­xa a Es­pla­na­da e vol­ta pa­ra a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

A al­te­ra­ção, que con­so­li­da o au­men­to da in­fluên­cia do nú­cleo mi­li­tar no go­ver­no, é fei­ta num mo­men­to em que o pre­si­den­te ten­ta ele­var o rit­mo de en­tre­gas do Exe­cu­ti­vo.

O con­vi­te pa­ra Bra­ga Net­to co­man­dar a Ca­sa Ci­vil foi an­te­ci­pa­do nes­ta quar­ta (12) pe­la Fo­lha —que, na se­ma­na pas­sa­da, adi­an­tou tam­bém que as mu­dan­ças en­vol­ven­do Onyx e Ter­ra de­ve­ri­am ocor­rer.

Com Bra­ga Net­to, a cú­pu­la do Pa­lá­cio do Pla­nal­to te­rá o ter­cei­ro oriun­do das For­ças Ar­ma­das —e, co­mo mi­li­tar, tem ain­da o ma­jor re­for­ma­do da PM Jorge Oli­vei­ra na Se­cre­ta­ria-Ge­ral.

Bol­so­na­ro exal­tou a al­te­ra­ção afir­man­do que “fi­cou com­ple­ta­men­te mi­li­ta­ri­za­do o meu ter­cei­ro an­dar [do Pa­lá­cio do Pla­nal­to]”.

A de­ci­são de co­lo­car mais um mi­li­tar na cú­pu­la, no en­tan­to, ge­rou for­te in­sa­tis­fa­ção no Po­der Le­gis­la­ti­vo. Pa­ra con­gres­sis­tas, ao au­men­tar o nú­cleo mi­li­tar, o pre­si­den­te en­saia um iso­la­men­to po­lí­ti­co. De­pu­ta­dos e se­na­do­res já an­te­ve­em o ris­co de pi­o­rar ain­da mais a já di­fí­cil re­la­ção com o Congresso.

O mi­li­tar qua­tro es­tre­las foi no­me­a­do com o ob­je­ti­vo de im­pri­mir um no­vo per­fil à Ca­sa Ci­vil. A ideia é re­for­çar a atri­bui­ção ge­ren­ci­al da pasta e afas­tá-la de vez da ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca.

Pa­ra Bol­so­na­ro, a in­sis­tên­cia de Onyx em atu­ar na ne­go­ci­a­ção com o Le­gis­la­ti­vo atro­pe­la­va a ta­re­fa que ca­be à Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, co­man­da­da por Luiz Edu­ar­do Ra­mos, e com­pro­me­tia o rit­mo do go­ver­no, co­mo o atra­so na re­for­mu­la­ção do Bol­sa Fa­mí­lia e nas mu­dan­ças do Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da. Des­de o ano pas­sa­do, o pre­si­den­te já re­cla­ma­va da len­ti­dão de pro­gra­mas fe­de­rais e do atra­so na con­clu­são de pro­je­tos.

In­sa­tis­fei­to, Bol­so­na­ro foi con­ven­ci­do a es­ca­lar um mi­li­tar pa­ra a fun­ção. Sem as­pi­ra­ções po­lí­ti­cas, es­se ges­tor po­de­ria co­brar com ri­gor a equi­pe mi­nis­te­ri­al.

Em con­ver­sas re­ser­va­das, o pre­si­den­te di­zia que que­ria na Ca­sa Ci­vil um Tar­cí­sio de Frei­tas. O mi­nis­tro da In­fra­es­tru­tu­ra, tam­bém mi­li­tar, é um dos fa­vo­ri­tos de Bol­so­na­ro.

O no­me de Bra­ga Net­to, atu­al che­fe o Es­ta­do-Mai­or do Exér­ci­to, foi su­ge­ri­do pe­lo mi­nis­tro da De­fe­sa, Fernando Aze­ve­do, e de­fen­di­do por Ra­mos e Augusto He­le­no (Ga­bi­ne­te de Se­gu­ran­ça Ins­ti­tu­ci­o­nal).

Ini­ci­al­men­te, ele re­sis­tiu ao con­vi­te do pre­si­den­te. Após con­sul­tar a fa­mí­lia, Bra­ga Net­to in­for­mou a Bol­so­na­ro que acei­ta­va a fun­ção. O mi­li­tar é des­cri­to por ami­gos e ali­a­dos co­mo dis­ci­pli­na­do e com­pe­ten­te, mas pou­co so­ciá­vel e de tem­pe­ra­men­to for­te.

Se­gun­do as­ses­so­res pre­si­den­ci­ais, o pró­prio pre­si­den­te te­ve dú­vi­das em no­meá-lo pa­ra o car­go. Na quar­ta, após a Fo­lha re­ve­lar o con­vi­te ao general, Bol­so­na­ro foi aler­ta­do da re­per­cus­são ne­ga­ti­va que a in­di­ca­ção po­de­ria cau­sar.

A quei­xa prin­ci­pal era a de que ao no­me­ar três ge­ne­rais pa­ra car­gos na cha­ma­da co­zi­nha do Pla­nal­to, pas­tas que des­pa­cham na se­de ad­mi­nis­tra­ti­va do Po­der Exe­cu­ti­vo, o pre­si­den­te da­ria o si­nal de que pre­ten­de mi­li­ta­ri­zar o país e des­pres­ti­gi­ar a clas­se po­lí­ti­ca.

A ideia ini­ci­al era que o anún­cio das mu­dan­ças mi­nis­te­ri­ais fi­cas­se ape­nas pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na. Is­so da­ria tem­po ao pre­si­den­te pa­ra re­fle­tir a ques­tão.

Nes­ta quin­ta, no en­tan­to, au­men­tou a pres­são so­bre o pre­si­den­te pa­ra mu­dar de po­si­ção. Bol­so­na­ro fez en­tão um anún­cio às pres­sas nas re­des so­ci­ais pa­ra evi­tar ame­a­ças de re­ta­li­a­ção na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. O re­sul­ta­do, no en­tan­to, não foi bem re­ce­bi­do por de­pu­ta­dos e se­na­do­res.

Pa­ra con­gres­sis­tas ou­vi­dos pe­la Fo­lha, a no­me­a­ção iso­la ain­da mais o pre­si­den­te no diá­lo­go com o Congresso, uma vez que Onyx atu­a­va tam­bém co­mo uma es­pé­cie de pon­te do Le­gis­la­ti­vo com o Exe­cu­ti­vo, e re­ti­ra do Pa­lá­cio do Pla­nal­to um no­me que aju­da­va na ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca.

A ex­pec­ta­ti­va de con­gres­sis­tas bol­so­na­ris­tas era de que, di­an­te de um diá­lo­go con­si­de­ra­do ine­fi­ci­en­te da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no com a Câ­ma­ra, o pre­si­den­te es­ca­las­se pa­ra a Ca­sa Ci­vil al­guém com tra­que­jo po­lí­ti­co, o que não se con­fir­mou.

Sem no­mes com ex­pe­ri­ên­cia con­gres­su­al na se­de do go­ver­no, as­ses­so­res pre­si­den­ci­ais di­zem acre­di­tar que, a par­tir de ago­ra, de­pu­ta­dos e se­na­do­res pas­sa­rão a fa­zer ro­ma­ria na Ci­da­da­nia e no De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal, as­su­mi­do na se­ma­na pas­sa­da pe­lo ex-de­pu­ta­do fe­de­ral Ro­gé­rio Ma­ri­nho.

Na no­va fun­ção, Onyx fi­ca­rá res­pon­sá­vel por im­ple­men­tar a re­for­ma do Bol­sa Fa­mí­lia e por con­du­zir po­lí­ti­cas de com­ba­te às dro­gas. Pa­ra pres­ti­gi­ar o ali­a­do, que foi re­bai­xa­do na hi­e­rar­quia da Es­pla­na­da, Bol­so­na­ro con­si­de­ra de­vol­ver pa­ra a es­tru­tu­ra a Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al da Cul­tu­ra.

O ór­gão fe­de­ral, que se­rá co­man­da­do pe­la atriz Re­gi­na Du­ar­te, foi des­lo­ca­do, no ano pas­sa­do, da Ci­da­da­nia pa­ra o Tu­ris­mo. O mo­vi­men­to vi­sa­va o es­va­zi­a­men­to de Ter­ra, que é do MDB.

Com Onyx na Ci­da­da­nia, Ter­ra vol­ta­rá a exer­cer o man­da­to co­mo de­pu­ta­do fe­de­ral. Pa­ra não aban­do­nar o ali­a­do, Bol­so­na­ro ofe­re­ceu a ele pos­tos di­plo­má­ti­cos na Ar­gen­ti­na e Es­pa­nha. Após con­sul­tar a fa­mí­lia, o ago­ra ex-mi­nis­tro não acei­tou a ofer­ta pa­ra não abrir mão de seu man­da­to.

Nes­ta quin­ta-fei­ra, na ten­ta­ti­va de não me­lin­drar o MDB, res­pon­sá­vel pe­la ar­ti­cu­la­ção do go­ver­no no Congresso, o pre­si­den­te che­gou a ava­li­ar no­me­ar Os­mar Ter­ra pa­ra uma es­pé­cie de se­cre­ta­ria es­pe­ci­al que cui­da­ria da po­lí­ti­ca de com­ba­te às dro­gas.

A al­ter­na­ti­va, po­rém, foi aban­do­na­da, uma vez que, pa­ra o mi­nis­tro não per­der o man­da­to, a es­tru­tu­ra pre­ci­sa­ria ga­nhar sta­tus mi­nis­te­ri­al, o que con­tra­ria pro­mes­sa de cam­pa­nha do pre­si­den­te de não ele­var o atu­al nú­me­ro de pas­tas.

Mi­nu­tos de­pois de anun­ci­ar as mu­dan­ças pe­las re­des so­ci­ais, o pre­si­den­te co­me­mo­rou o go­ver­no “com­ple­ta­men­te mi­li­ta­ri­za­do”.

Ao to­do, com a en­tra­da de Bra­ga Net­to, são no­ve mi­li­ta­res no pri­mei­ro es­ca­lão, sen­do qua­tro ge­ne­rais.

“Fi­cou com­ple­ta­men­te mi­li­ta­ri­za­do o meu ter­cei­ro an­dar [do Pa­lá­cio do Pla­nal­to]. São qua­tro ge­ne­rais mi­nis­tros ago­ra. Na­da con­tra os ci­vis. Tem ci­vis ex­cep­ci­o­nais tra­ba­lhan­do, co­mo o Ser­gio Mo­ro [mi­nis­tro da Jus­ti­ça], por exem­plo”, afir­mou.

A con­ver­sa se deu em vi­si­ta de es­tu­dan­tes de di­rei­to de Li­mei­ra, ci­da­de do in­te­ri­or de São Pau­lo, ao Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da.

Na ten­ta­ti­va de pro­var que seu go­ver­no tam­bém con­tem­pla no­mes ci­vis, o pre­si­den­te fez elo­gi­os aos mi­nis­tros da AGU (Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União), An­dré Men­don­ça, e do Meio Am­bi­en­te, Ri­car­do Sal­les.

“O An­dré Men­don­ça é pas­tor evan­gé­li­co. O Ri­car­do Sal­les tam­bém é mui­to bom. Vo­cê vai pe­gan­do os mi­nis­té­ri­os aí e ló­gi­co que po­de ter pro­ble­ma, né? Mas, co­mo re­gra, es­tão in­do bem. Na De­fe­sa, te­mos um general. An­ti­ga­men­te, ti­ve­mos gen­te do PT e PC do B. Não tem ca­bi­men­to is­so. Ca­da área a gen­te co­lo­ca um mi­nis­tro que en­ten­de do as­sun­to sem aque­la jo­ga­da que vo­cês sa­bi­am que exis­tia”, afir­mou.

A saí­da da Onyx da Ca­sa Ci­vil con­so­li­da tam­bém o iso­la­men­to de Bol­so­na­ro do nú­cleo du­ro de sua cam­pa­nha elei­to­ral ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to. O mi­nis­tro foi o co­or­de­na­dor po­lí­ti­co de sua can­di­da­tu­ra e co­or­de­nou a tran­si­ção.

An­tes de­le, o pre­si­den­te tam­bém aban­do­nou o ex-mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria-Ge­ral, Gus­ta­vo Be­bi­an­no, e o ex-se­na­dor Mag­no Mal­ta, que não che­gou a ocu­par car­go no go­ver­no.

Em sua li­ve se­ma­nal, Bol­so­na­ro dis­se que fez uma “pe­que­na re­for­ma mi­nis­te­ri­al”.

Em 2019, quan­do era ques­ti­o­na­do so­bre o as­sun­to, ele ne­ga­va que o fa­ria nes­te ano.

“Ne­nhum mi­nis­tro es­tá sain­do por qual­quer pro­ble­ma. Há pou­cos di­as, no Mi­nis­té­rio do De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal saiu [Gus­ta­vo] Ca­nu­to que foi pa­ra o Da­ta­prev, que vai aju­dar na fi­la do INSS”, dis­se.

O pre­si­den­te afir­mou que a vol­ta de Os­mar Ter­ra pa­ra o man­da­to de de­pu­ta­do fe­de­ral vai aju­dar o go­ver­no no Po­der Le­gis­la­ti­vo. Tam­bém elo­gi­ou a atu­a­ção do general Bra­ga Net­to co­mo in­ter­ven­tor na Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca do Rio de Ja­nei­ro, em 2018.

“A mis­são mais im­por­tan­te na Ca­sa Ci­vil é co­or­de­nar os mi­nis­tros e bus­car so­lu­ções. E an­te­ci­par pro­ble­mas que po­dem acon­te­cer”, dis­se o pre­si­den­te. são pau­lo Com a con­fir­ma­ção de Wal­ter Bra­ga Net­to na Ca­sa Ci­vil, o país vol­ta a ter um mi­li­tar na pasta após 39 anos.

O úl­ti­mo oriun­do da ca­ser­na foi o general Gol­bery do Couto e Sil­va, que saiu do car­go em 1981. Ele ocu­pou a ca­dei­ra no fim do go­ver­no Er­nes­to Gei­sel e iní­cio do go­ver­no João Fi­guei­re­do, úl­ti­mo pre­si­den­te da di­ta­du­ra mi­li­tar (1964-1985).

Gol­bery, con­tro­ver­so, fi­gu­rou en­tre os prin­ci­pais ato­res po­lí­ti­cos do re­gi­me des­de o pri­mei­ro pre­si­den­te da di­ta­du­ra, Cas­tel­lo Bran­co.

A ele foi da­da, em 1964, a che­fia do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de In­for­ma­ções (SNI), prin­ci­pal ór­gão do apa­ra­to de in­te­li­gên­cia da di­ta­du­ra.

O general ne­ga­va a re­la­ção do ór­gão com go­ver­nos to­ta­li­tá­ri­os e che­gou a no­meá-lo “Mi­nis­té­rio do Si­lên­cio” por con­ta da re­cu­sa em dar en­tre­vis­tas. É atri­buí­da a ele a ar­ti­cu­la­ção que ex­tin­guiu o AI-5, sím­bo­lo do pe­río­do mais re­pres­si­vo da di­ta­du­ra.

An­to­nio Cruz/Agên­cia Bra­sil

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro en­tre apoi­a­do­res no Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.