Ar­ti­cu­la­ção ruim e fa­las de Gu­e­des ame­a­çam agen­da

Pa­ra con­gres­sis­tas, de­cla­ra­ções pre­ju­di­cam ain­da mais o trâ­mi­te das re­for­mas

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ju­lia Chaib, Gus­ta­vo Uribe e Edu­ar­do Cu­co­lo

As re­cen­tes de­cla­ra­ções po­lê­mi­cas do mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des (Eco­no­mia) ir­ri­ta­ram a equi­pe de Jair Bol­so­na­ro e lí­de­res de cen­tro do Congresso. A ava­li­a­ção é que as fa­las ge­ram um am­bi­en­te de ten­são e tu­mul­tu­am a tra­mi­ta­ção de re­for­mas, pois di­fi­cul­tam ain­da mais a re­la­ção com o Congresso.

Na quar­ta (12), Gu­e­des dis­se que o dó­lar mais al­to era bom pa­ra to­dos. Com o câm­bio bai­xo, se­gun­do ele, até em­pre­ga­das do­més­ti­cas vi­a­ja­vam pa­ra a Dis­ney. A de­cla­ra­ção au­men­tou a im­pres­são ne­ga­ti­va de­le en­tre os par­la­men­ta­res. On­tem, Gu­e­des se ne­gou a co­men­tar a re­per­cus­são da fra­se.

Di­an­te das crí­ti­cas vin­das de di­ver­sas fren­tes, Bol­so­na­ro bus­cou se des­co­lar dos epi­só­di­os pro­ta­go­ni­za­dos pe­lo mi­nis­tro. Afir­mou que “o dó­lar es­ta­va um pou­qui­nho al­to” e, ques­ti­o­na­do so­bre a po­lê­mi­ca das do­més­ti­cas, re­ba­teu: “Per­gun­ta pa­ra quem fa­lou is­so. Eu res­pon­do pe­los meus atos”.

Já a com­pa­ra­ção de ser­vi­do­res a pa­ra­si­tas, fei­ta na se­ma­na pas­sa­da, pro­vo­cou a ira do fun­ci­o­na­lis­mo e con­tri­buiu pa­ra o go­ver­no adi­ar o en­vio da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va.

bra­sí­lia e são pau­lo As re­cen­tes de­cla­ra­ções po­lê­mi­cas do mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, ir­ri­ta­ram a equi­pe do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e lí­de­res de cen­tro do Congresso. A ava­li­a­ção é que as fa­las ge­ram um am­bi­en­te de ten­são e tu­mul­tu­am a tra­mi­ta­ção de re­for­mas.

Pa­ra as­ses­so­res pa­la­ci­a­nos, as de­cla­ra­ções atin­gem par­ce­la do elei­to­ra­do de Bol­so­na­ro e po­dem con­tri­buir pa­ra au­men­tar na po­pu­la­ção a re­sis­tên­cia à pau­ta econô­mi­ca, uma vez que Gu­e­des é o fi­a­dor do pro­je­to li­be­ral do go­ver­no.

En­tre as me­di­das a se­rem de­ba­ti­das por de­pu­ta­dos e se­na­do­res —e de in­te­res­se do go­ver­no— es­tão as no­vas re­gras tri­bu­tá­ri­as e a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va. As mu­dan­ças no pla­no de car­rei­ras dos ser­vi­do­res pú­bli­cos ain­da nem fo­ram apre­sen­ta­das pe­lo go­ver­no. Bol­so­na­ro dis­se que li­be­ra o tex­to na pró­xi­ma se­ma­na.

O pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), tra­ba­lha pa­ra ins­ta­lar a co­mis­são da re­for­ma tri­bu­tá­ria tam­bém na se­ma­na que vem.

Até lá, du­as fa­las pú­bli­cas do mi­nis­tro já acen­de­ram o aler­ta de as­ses­so­res do pre­si­den­te.

Gu­e­des dis­se na quar­ta (12) que, com o dó­lar bai­xo, em­pre­ga­das do­més­ti­cas vi­a­ja­vam à Dis­ney. “Uma fes­ta da­na­da”, dis­se, em Bra­sí­lia. Se­gun­do ele, o dó­lar um pou­co mais al­to é bom pa­ra to­do o mun­do.

O mi­nis­tro tam­bém cha­mou ser­vi­do­res de pa­ra­si­tas na se­ma­na pas­sa­da, em even­to no Rio de Ja­nei­ro. A de­cla­ra­ção pro­vo­cou, em ano de elei­ções mu­ni­ci­pais, a ira do fun­ci­o­na­lis­mo —ca­te­go­ria com for­te lobby no Congresso.

Se­gun­do in­ter­lo­cu­to­res de Bol­so­na­ro, as ga­fes di­fi­cul­tam o diá­lo­go com o Congresso, uma vez que des­per­ta­ram a con­tra­ri­e­da­de de par­la­men­ta­res. O go­ver­no já en­fren­ta pro­ble­mas de ar­ti­cu­la­ção no Congresso e, se­gun­do in­ter­lo­cu­to­res de Bol­so­na­ro, as ga­fes do mi­nis­tro di­fi­cul­tam ain­da mais o diá­lo­go por­que pas­sa­ram a des­per­tar con­tra­ri­e­da­de de par­la­men­ta­res.

De­pu­ta­dos e se­na­do­res di­zem que o mi­nis­tro dá mu­ni­ção à opo­si­ção e opor­tu­ni­da­des de obs­tru­ção de vo­ta­ções.

Is­so com­pli­ca ain­da mais a apro­va­ção das re­for­mas.

En­tre as crí­ti­cas que re­ce­beu de lí­de­res de par­ti­dos de cen­tro, Gu­e­des foi cha­ma­do de eli­tis­ta e de pro­mo­ver se­pa­ra­ção de clas­ses, em con­tra­pon­to à pró­pria men­sa­gem que o Pla­nal­to en­vi­ou ao Congresso

na aber­tu­ra do ano le­gis­la­ti­vo de que qu­er com­ba­ter a de­si­gual­da­de de ren­da.

“Es­te é o mo­men­to de ter de­cla­ra­ções que aju­dem o am­bi­en­te de apro­va­ção das re­for­mas de que o Bra­sil pre­ci­sa”, diz o lí­der da mai­o­ria na Câ­ma­ra, o de­pu­ta­do Agui­nal­do

Ri­bei­ro (PP-PB), re­la­tor da re­for­ma tri­bu­tá­ria na Ca­sa.

De­pu­ta­dos di­zem que ain­da não há co­mo men­su­rar o ní­vel de pres­são que eles vão re­ce­ber da po­pu­la­ção con­tra as re­for­mas por­que não há pro­pos­tas con­so­li­da­das. Os tex­tos não co­me­ça­ram a tra­mi­tar.

“Quan­do ne­go­cio com um mi­nis­tro­e­as­te­ses­que­de­fen­do são con­ver­gen­tes, é mais fá­cil que ne­go­ci­ar com um mi­nis­tro de cu­jas te­ses eu dis­cor­do. Ele di­fi­cul­ta a ne­go­ci­a­ção com o go­ver­no”, diz o lí­der do So­li­da­ri­e­da­de, Zé Sil­va (MG).

Di­an­te das crí­ti­cas, Bol­so­na­ro

bus­cou se des­co­lar dos epi­só­di­os pro­ta­go­ni­za­dos pe­lo mi­nis­tro. Nes­ta quin­ta (13), Dis­se que “o dó­lar es­ta­va um pou­qui­nho al­to” e, ques­ti­o­na­do so­bre a fra­se de Gu­e­des a res­pei­to das em­pre­ga­das do­més­ti­cas, res­pon­deu: “Per­gun­ta pa­ra quem fa­lou is­so. Eu res­pon­do pe­los meus atos”.

Nes­ta quin­ta, em even­to em São Pau­lo, Gu­e­des se ne­gou co­men­tar o as­sun­to com a im­pren­sa.

As fa­las de Gu­e­des se so­mam ain­da ao vai­vém do go­ver­no so­bre o en­vio das ma­té­ri­as.

A re­for­ma tri­bu­tá­ria pas­sa­rá por al­te­ra­ções de con­gres­sis­tas e re­ce­be­rá su­ges­tões do go­ver­no.

“O fun­ci­o­na­lis­mo te­ve au­men­to de 50% aci­ma da in­fla­ção, além de ter es­ta­bi­li­da­de na car­rei­ra e apo­sen­ta­do­ria ge­ne­ro­sa. O hos­pe­dei­ro es­tá mor­ren­do, o ca­ra vi­rou um pa­ra­si­ta

Pau­lo Gu­e­des, em 7.fev

Não tem ne­gó­cio de câm­bio a R$ 1,80. [Era] to­do o mun­do in­do pa­ra a Dis­ney­lân­dia, em­pre­ga­da do­més­ti­ca in­do pa­ra a Dis­ney­lân­dia, uma fes­ta da­na­da

Idem, em 13.fev

Bol­so­na­ro dis­se que en­vi­a­rá na se­ma­na que vem su­as su­ges­tões —a mo­ro­si­da­de na de­fi­ni­ção das pro­pos­tas do go­ver­no é ou­tra re­cla­ma­ção de con­gres­sis­tas.

Um­lí­der­de­par­ti­do­de­cen­tro diz que, no ca­so em que Gu­e­des cha­mou os ser­vi­do­res de pa­ra­si­tas, hou­ve um cons­tran­gi­men­to ao Exe­cu­ti­vo, que abri­ga ser­vi­do­res, e ao Congresso, que se­rá co­bra­do pe­lo go­ver­no a apro­var a me­di­da.

A de­cla­ra­ção con­tri­buiu pa­ra o adi­a­men­to do tex­to da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va. “Ele co­lo­ca mais ten­são so­bre te­mas que não es­tão pa­ci­fi­ca­dos. E ele é o prin­ci­pal ar­ti­cu­la­dor das re­for­mas. Não é po­si­ti­vo”, diz o lí­der do MDB no Se­na­do, Edu­ar­do Bra­ga (AM).

A re­for­ma tri­bu­tá­ria é uma das prin­ci­pais ban­dei­ras de Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), pre­si­den­te da Câ­ma­ra, pa­ra es­te ano. Dois lí­de­res de par­ti­dos de cen­tro que o apoi­am di­zem que o Congresso é re­for­mis­ta, e, por is­so, o tu­mul­to cri­a­do por Gu­e­des não se­rá su­fi­ci­en­te pa­ra bar­rar as mu­dan­ças.

A apro­va­ção das me­di­das no pri­mei­ro se­mes­tre, po­rém, é vis­ta com ce­ti­cis­mo e um de­sa­fio por con­gres­sis­tas.

A re­for­ma tri­bu­tá­ria da Câ­ma­ra,po­re­xem­plo,não­a­gra­da a pre­fei­tos de gran­des ci­da­des. A ad­mi­nis­tra­ti­va, por sua vez, fo­ca o fun­ci­o­na­lis­mo em ano de dis­pu­ta pe­las pre­fei­tu­ras.

O re­ceio dos po­lí­ti­cos é que, ao não cri­ar am­bi­en­te pa­ra apro­va­ção e não atu­ar pa­ra de­fen­der su­as pró­pri­as pau­tas, o go­ver­no con­tri­bua pa­ra au­men­tar a pres­são so­bre de­pu­ta­dos e se­na­do­res às vés­pe­ras dos plei­tos mu­ni­ci­pais.

Eco­no­mis­tas ou­vi­dos pe­la Fo­lha di­zem que o ris­co de pa­ra­li­sa­ção das re­for­mas, o cres­ci­men­to econô­mi­co me­nor que o es­pe­ra­do e as fa­las po­lê­mi­cas e atri­tos com o Congresso po­dem re­du­zir o cli­ma de oti­mis­mo com a eco­no­mia bra­si­lei­ra, so­bre o qual pe­sa ain­da a in­cer­te­za em re­la­ção ao de­sem­pe­nho glo­bal.

O pro­fes­sor de ma­cro­e­co­no­mia do Ins­per João Luiz Mas­co­lo diz que o go­ver­no tem pro­du­zi­do cri­ses des­ne­ces­sá­ri­as que po­dem pre­ju­di­car o an­da­men­to das re­for­mas e afe­tar as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra o cres­ci­men­to do PIB em 2020.

“To­do o mun­do co­me­çou o ano mais oti­mis­ta. Pre­su­mi­a­se que o ca­mi­nho es­ta­ria aber­to pa­ra ou­tras re­for­mas. Ago­ra, o ques­ti­o­na­men­to vol­tou, to­do o mun­do fi­ca mais cau­te­lo­so, e is­so tu­do re­tar­da a ar­ran­ca­da”, afir­ma Mas­co­lo.

“Tor­ço pa­ra que es­ses ruí­dos, ar­rou­bos, se­jam mi­ni­mi­za­dos, esquecidos. Quem sa­be o Car­na­val aju­da.”

So­bre o ris­co de Bol­so­na­ro dar uma guinada po­pu­lis­ta na eco­no­mia, ele diz que não há mais es­pa­ço pa­ra que es­se ti­po de po­lí­ti­ca de estímulo dê re­sul­ta­do. Se­gun­do Mas­co­lo, até a li­be­ra­ção do FGTS anun­ci­a­da no ano pas­sa­do foi me­nos di­re­ci­o­na­da ao con­su­mo do que se es­pe­ra­va.

“Eu te­nho dú­vi­das se no Bra­sil de ho­je há es­pa­ço pa­ra um voo de ga­li­nha des­ses. O Lu­la con­se­guiu em 2010, a Dil­ma re­pe­tiu e já não deu em na­da. Is­so fi­cou bas­tan­te des­gas­ta­do.”

Pa­ra o pro­fes­sor de eco­no­mia Fernando Bo­te­lho, da FEA-USP, os da­dos que mos­tram re­cu­pe­ra­ção mais len­ta po­dem aju­dar Pau­lo Gu­e­des a con­ven­cer o pre­si­den­te da ur­gên­cia de avan­çar na agen­da de re­for­mas, em­bo­ra ha­ja sem­pre o ris­co de uma guinada po­pu­lis­ta. “O fa­to de a eco­no­mia vir um pou­co mais fra­ca tal­vez de­vol­va um cer­to sen­so de ur­gên­cia ao go­ver­no. Sem a agen­da re­for­mas, po­de­mos vol­tar pa­ra um cli­ma de de­sâ­ni­mo”, afir­ma Bo­te­lho.

Se­gun­do ele, o Exe­cu­ti­vo tem se aco­var­da­do di­an­te da pos­si­bi­li­da­de de pro­mo­ver mu­dan­ças. O pro­fes­sor ci­ta o re­ceio de Bol­so­na­ro em re­la­ção à re­a­ção do fun­ci­o­na­lis­mo. Tam­bém afir­ma que a pro­pos­ta de Gu­e­des de fa­zer uma re­for­ma tri­bu­tá­ria que tra­ta ape­nas de du­as con­tri­bui­ções fe­de­rais (PIS e Co­fins) —a da Câ­ma­ra uni­fi­ca cin­co tri­bu­tos— não resolve o pro­ble­ma do sis­te­ma tri­bu­tá­rio.

So­bre as de­cla­ra­ções po­lê­mi­cas de Gu­e­des, afir­ma que elas não aju­dam na tra­mi­ta­ção das re­for­mas e que po­dem re­fle­tir um mo­men­to di­fí­cil pa­ra o mi­nis­tro.

“As de­cla­ra­ções são mais um sin­to­ma de uma si­tu­a­ção pe­la qual ele de­ve es­tar pas­san­do, de ter uma cer­ta vi­são de que pre­ci­sa con­ti­nu­ar a fa­zer re­for­mas, mas não en­con­trar res­pal­do pa­ra is­so na cú­pu­la do go­ver­no”, diz o eco­no­mis­ta.

“O pre­si­den­te te­ve uma po­si­ção cor­po­ra­ti­vis­ta por mais de 20 anos. Con­ven­cer o Bol­so­na­ro de­ve ser bas­tan­te di­fí­cil. Ele [Gu­e­des] pa­re­ce es­tar im­pa­ci­en­te. Tal­vez não es­te­ja com tan­to pres­tí­gio. Com a eco­no­mia dan­do uma pi­o­ra­di­nha, tal­vez vol­te a ser ou­vi­do.”

Em re­la­tó­rio di­vul­ga­do nes­ta quin­ta (13), a con­sul­to­ria LCA ci­ta ex­pec­ta­ti­va des­fa­vo­rá­vel pa­ra os ati­vos do­més­ti­cos em ra­zão de três fa­to­res, a co­me­çar pe­las fa­las de Gu­e­des e do pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral de que o re­al fra­co não é um ris­co pa­ra a eco­no­mia.

“Em se­gun­do lu­gar, te­mos os pro­ble­mas na agen­da de re­for­mas, co­mo o adi­a­men­to do en­vio da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va e as mu­dan­ças na PEC dos Fundos, fei­tas na CCJ do Se­na­do, que ame­a­çam o te­to de gas­tos. Em ter­cei­ro lu­gar, a in­cer­te­za com o cres­ci­men­to da eco­no­mia.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.