Lí­di­ce da Ma­ta Ma­chis­mo es­tá en­tra­nha­do

Após re­pór­ter da Fo­lha ser ofen­di­da, re­la­to­ra qu­er es­ten­der CPI das Fa­ke News

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Da­ni­el­le Brant

Re­la­to­ra da CPMI das Fa­ke News, a de­pu­ta­da Lí­di­ce da Ma­ta (PSB-BA) se diz indignada, mas não sur­pre­sa com as ofen­sas à jor­na­lis­ta da Fo­lha Pa­trí­cia Cam­pos Mel­lo. “O ma­chis­mo es­tá en­tra­nha­do, en­rai­za­do na po­lí­ti­ca”, dis­se.

bra­sí­lia Re­la­to­ra da CPMI das Fa­ke News, a de­pu­ta­da fe­de­ral Lí­di­ce da Ma­ta (PSB-BA) se diz indignada, mas não sur­pre­sa, com os in­sul­tos e ofen­sas de cu­nho se­xu­al so­fri­dos pe­la jor­na­lis­ta Pa­trí­cia Cam­pos Mel­lo, da Fo­lha, na úl­ti­ma ter­ça-fei­ra (11) no Congresso.

En­tre ou­tras mentiras à co­mis­são, Hans Ri­ver do Rio Nascimento, ex-fun­ci­o­ná­rio da agên­cia de mar­ke­ting di­gi­tal Ya­cows, dis­se que Pa­trí­cia se in­si­nu­ou se­xu­al­men­te pa­ra ob­ter in­for­ma­ções pa­ra a re­por­ta­gem em que re­ve­lou frau­des em CPFs pa­ra dis­pa­ros em mas­sa de men­sa­gens pe­lo WhatsApp nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2018.

As acu­sa­ções fal­sas de Hans en­con­tra­ram res­pal­do em con­gres­sis­tas ali­a­dos a Jair Bol­so­na­ro, en­tre eles o de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-SP), fi­lho do pre­si­den­te.

O par­la­men­tar aju­dou a re­pro­du­zir e a dis­se­mi­nar as mentiras con­ta­das pe­lo ex­fun­ci­o­ná­rio da Ya­cows aos mem­bros da co­mis­são.

“Es­sa coi­sa do ma­chis­mo é tão en­rai­za­da de for­ma tão for­te na po­lí­ti­ca...”, diz Lí­di­ce. “Es­tá tão in­cor­po­ra­do à cul­tu­ra de­les que eles não per­ce­bem. E ou­tras ve­zes fa­zem com in­te­res­se mes­mo per­ver­so de des­qua­li­fi­car.”

* Co­mo a sra. vê o fa­to de um de­po­en­te ter pres­ta­do fal­so tes­te­mu­nho na CPMI?

Foi um epi­só­dio la­men­tá­vel. Nós te­mos de le­var adi­an­te a pu­ni­ção do de­po­en­te. A lei lhe per­mi­te tam­bém uma re­tra­ta­ção, a pro­cu­ra da co­mis­são ou da Jus­ti­ça pa­ra fa­zer uma re­tra­ta­ção. Eu in­di­co es­se ca­mi­nho.

Ele é fru­to des­se am­bi­en­te de de­sin­for­ma­ção, de cam­pa­nha de de­sin­for­ma­ção no Bra­sil, que com­bi­na um ro­tei­ro, re­pe­te aque­le ro­tei­ro e mo­bi­li­za as su­as re­des, es­pon­tâ­ne­as ou de robôs, pa­ra fa­zer aque­la nar­ra­ti­va ou aque­le ro­tei­ro ser o vi­to­ri­o­so.

Ele já che­gou com uma pre­dis­po­si­ção. A fa­la do lí­der do PSL [na Câ­ma­ra, Edu­ar­do Bol­so­na­ro] foi to­da acu­sa­tó­ria à jor­na­lis­ta. E pos­te­ri­or­men­te a fa­la de agres­são a ela mais ex­plí­ci­ta, usan­do a in­si­nu­a­ção mal­do­sa, sór­di­da, fei­ta pe­lo de­po­en­te, de­mons­tra es­se ne­xo en­tre o de­poi­men­to e o que es­ta­va se armando pa­ra re­per­cu­tir. Men­tir nu­ma CP

MI é cri­me, é gra­ve. É per­jú­rio.

O que eu creio que acon­te­ceu de­pois —di­an­te da re­a­ção da pró­pria Pa­trí­cia, pu­bli­ca­da na Fo­lha, ne­gan­do pon­to por pon­to da fa­la no mes­mo dia, e a re­a­ção e a so­li­da­ri­e­da­de ao ata­que ab­sur­do na sua con­di­ção de mu­lher— é que eles co­me­ça­ram a ten­tar cri­ar ou­tra nar­ra­ti­va fal­sa. Bus­ca­ram di­zer que os prints que fo­ram usa­dos eram ou­tros.

O fa­to de ele ter pres­ta­do es­se fal­so tes­te­mu­nho em re­la­ção à Pa­trí­cia não fragiliza as ou­tras in­for­ma­ções que ele trou­xe?

Fragiliza, mas ele não trou­xe mui­to mais in­for­ma­ção. Ele con­fir­mou tu­do o que a Pa­trí­cia de­nun­ci­ou na Fo­lha, a ver­da­de é es­sa.

Ape­sar de di­zer que não deu aque­la en­tre­vis­ta, tu­do o que es­tá na en­tre­vis­ta ele con­fir­mou. Ele pro­te­geu di­ver­sas pes­so­as. Ele não dis­se o no­me de ne­nhum su­pe­rin­ten­den­te. É mui­to es­tra­nho que ele te­nha uma me­mó­ria tão de­ta­lha­da pa­ra al­gu­mas coi­sas e sim­ples­men­te es­que­ça o no­me do seu che­fe ime­di­a­to. E o ano em que ele co­me­çou a tra­ba­lhar.

Ele che­gou a di­zer que en­trou na em­pre­sa quan­do o Lu­la foi pre­so [em abril de 2018]. Me pa­re­ceu mui­to mais uma re­fe­rên­cia pro­vo­ca­ti­va, por­que ele en­trou na em­pre­sa em agos­to e saiu em se­tem­bro.

Co­mo o epi­só­dio de uma tes­te­mu­nha pres­tar fal­so tes­te­mu­nho na CPI afe­ta o tra­ba­lho de vo­cês?

Re­for­ça a necessidad­e da in­ves­ti­ga­ção, de­mons­tra co­mo a prá­ti­ca de dis­pa­ros em mas­sa é fei­ta sem con­tro­le no Bra­sil. A CPI já con­vo­cou os do­nos da Ya­cows, e nós de­ve­mos le­var adi­an­te es­sa in­ves­ti­ga­ção.

A sra. vai pro­por a qu­e­bra de si­gi­lo ban­cá­rio e te­lefô­ni­co de­le?

Tam­bém. Mas nós va­mos fo­car a em­pre­sa.

Por que a sra. sen­tiu a necessidad­e de aci­o­nar o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co?

Pa­ra não dei­xar pas­sar mui­to tem­po, pa­ra não dar es­sa im­pres­são de que a CPMI não re­a­giu. Pa­ra não dar es­sa ideia de que quem qui­ser po­de che­gar aqui e fa­zer do jei­to que qui­ser. Não po­de ser as­sim. Há re­gras.

E que ti­po de re­sul­ta­do a sra. es­pe­ra da CPMI?

Um ce­ná­rio é o de che­gar­mos até o dia 13 de abril com o re­la­tó­rio pron­to, e te­re­mos ên­fa­se na re­co­men­da­ção de pro­je­tos de lei.

O con­ta­to que eu te­nho ti­do com as ví­ti­mas na po­lí­ti­ca de fa­ke news é a que as pes­so­as se per­gun­tam a quem re­cor­rer. Es­se ro­tei­ro é pre­ci­so dar a quem é ví­ti­ma de fa­ke news.

E eu te­nho uma po­si­ção de que a gen­te de­via adi­ar o tér­mi­no, es­ten­den­do a CPMI pe­lo me­nos até ju­nho pa­ra ga­nhar tem­po, an­tes da elei­ção, de avan­çar na in­ves­ti­ga­ção pro­pri­a­men­te di­ta de ca­sos con­cre­tos.

Com mais tem­po, o re­la­tó­rio po­de­ria tra­zer um in­di­ci­a­men­to mais só­li­do?

Po­de­ria tra­zer, por exem­plo, um re­sul­ta­do de qu­e­bra de si­gi­lo ban­cá­rio e te­lefô­ni­co, coi­sa que fi­ca qua­se im­pos­sí­vel de se fa­zer com ape­nas um de­le­ga­do da Po­lí­cia Fe­de­ral. A equi­pe es­tá avan­çan­do no seu tra­ba­lho, po­rém nós não po­de­mos fa­zer is­so sem ter tem­po de cons­tru­ção.

A sra. acha que as elei­ções mu­ni­ci­pais vão ter um ce­ná­rio tão for­te de fa­ke news co­mo em 2018?

Eu acho que vai ser tão com­pli­ca­do quan­to. Po­rém, a elei­ção de 2020 é mu­ni­ci­pal. E a mai­o­ria dos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros tem me­nos de 50 mil ha­bi­tan­tes.

Ape­sar do efei­to de­le­té­rio, num mu­ni­cí­pio pe­que­no as pes­so­as po­dem com­pro­var a prá­ti­ca da­qui­lo que foi di­to, por­que elas se co­nhe­cem.

En­tão o que um fa­la do ou­tro o po­vo mais ou me­nos já sa­be o que é ver­da­de e o que é men­ti­ra, é mais rá­pi­da a pos­si­bi­li­da­de de o des­men­ti­do che­gar ao con­jun­to da po­pu­la­ção.

Nos ata­ques de ter­ça, hou­ve mui­tos com­po­nen­tes de mi­so­gi­nia.

To­dos.

E a sra. tem uma atu­a­ção em de­fe­sa das mu­lhe­res. Co­le­gas seus dis­se­ram que a sra. es­ta­va ner­vo­sa. Co­mo viu is­so?

Es­sa coi­sa do ma­chis­mo é tão en­tra­nha­da, tão en­rai­za­da de for­ma tão for­te na po­lí­ti­ca...

Co­mo sa­bem que is­so é uma coi­sa ne­ga­ti­va na so­ci­e­da­de, prin­ci­pal­men­te nos di­as atu­ais, quan­do a mu­lher já tem um ní­vel de par­ti­ci­pa­ção mais in­ten­sa na eco­no­mia, nas atividades so­ci­ais, eles co­me­tem o ato fa­lho e fa­zem is­so de for­ma mui­to es­pon­tâ­nea.

Es­tá tão in­cor­po­ra­do à cul­tu­ra de­les que eles não per­ce­bem. E ou­tras ve­zes fa­zem com in­te­res­se mes­mo per­ver­so de des­qua­li­fi­car. É sem­pre na in­ten­ção de des­qua­li­fi­car.

Eu te­nho uma lar­ga ex­pe­ri­ên­cia, por­que fui pre­fei­ta.

Eu brin­co que um de­ter­mi­na­do meio de comunicaçã­o da ci­da­de, quan­do fa­la­va de mim, di­zia “a pre­fei­ti­nha”, por­que sou bai­xi­nha. Eu di­zia: “In­te­res­san­te, por­que nun­ca vi al­guém ter co­ra­gem de cha­mar Fran­co [Fran­cis­co Fran­co, di­ta­dor es­pa­nhol] de Fran­qui­nho”. Por­que ele era bai­xi­nho. Ou Hi­tler [Adolf Hi­tler, di­ta­dor na­zis­ta] tam­bém, por­que ele não era mui­to al­to.

O pre­tex­to de eu ser bai­xi­nha era usa­do mui­to mais no sen­ti­do de des­qua­li­fi­car, de di­mi­nuir a mu­lher. É um ma­chis­mo ras­tei­ro, pri­má­rio, não che­ga nem a ser ela­bo­ra­do, que foi o que es­se ra­paz até fez.

Cha­mou a se­nho­ra de me­ni­na, né?

É. Por que me cha­mar de me­ni­na? A ou­tro se di­ri­giu co­mo “moço”, mas a mim co­mo “me­ni­na”. É um pou­co pa­ra ir des­qua­li­fi­can­do, é na­tu­ral. Es­tá tão en­tra­nha­do que eles se acham no di­rei­to de fa­zer as­sim e ob­ter aplau­sos. E eu acho que che­gou um mo­men­to de dar um bas­ta nis­so.

A so­ci­e­da­de es­tá ama­du­re­ci­da, as mu­lhe­res con­quis­ta­ram, ao lon­go des­sa nos­sa lu­ta na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra, es­pa­ços em que nós não po­de­mos ad­mi­tir a per­ma­nên­cia des­se dis­cur­so ma­chis­ta co­mo uma ar­ma cons­tan­te na des­qua­li­fi­ca­ção da mu­lher em to­das as áre­as em que ela atua pro­fis­si­o­nal­men­te.

E aqui no Par­la­men­to não é di­fe­ren­te. Es­con­dem aqui e ali, mas qual­quer va­ci­lo vo­cê vai per­ce­ben­do nas en­tre­li­nhas to­do o dis­cur­so bas­tan­te en­tre­me­a­do des­se pen­sa­men­to ma­chis­ta.

Nes­se pri­mei­ro ano de go­ver­no, que não faz mui­tos ace­nos às mu­lhe­res, a sra. viu uma in­vo­lu­ção?

É cla­ro que es­se am­bi­en­te es­ti­mu­la. Eles se acham bo­ni­ti­nhos fa­zen­do is­so. Eles se acham po­de­ro­sos fa­zen­do is­so, eles ex­põem vai­do­sa­men­te o seu ma­chis­mo. Por­que ele é per­mi­ti­do, ele é con­sen­ti­do, ele é aprovado de al­gu­ma ma­nei­ra.

Quan­do se põe uma mu­lher no go­ver­no, é uma mu­lher que, ape­sar de es­tar em um car­go pú­bli­co, afir­ma que as mu­lhe­res de­vem es­tar den­tro de ca­sa.

Is­so é até uma con­tra­di­ção. Por que ela es­tá lá se acha que as ou­tras de­vem es­tar den­tro de ca­sa, o po­der só po­de ser pa­ra ela? É uma coi­sa bem es­tra­nha es­se po­si­ci­o­na­men­to.

Pe­dro La­dei­ra/Fo­lha­press

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.