Li­ber­da­de se­xu­al é tam­bém di­zer não

Pen­so ser pro­ble­má­ti­co cair no ex­tre­mo de ‘tran­sem mui­to, jo­vens’

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Dja­mi­la Ri­bei­ro

Mes­mo em tem­pos de Da­ma­res e “po­lí­ti­ca” de abs­ti­nên­cia, pen­so ser pro­ble­má­ti­co cair no ex­tre­mo de “tran­sem mui­to, jo­vens”. Ter cons­ci­ên­cia so­bre se­xo de­ve­ria ser en­ten­der o que se qu­er. Mui­tas de nós só vão des­co­brir do que gos­tam após mui­to au­to­co­nhe­ci­men­to.

Em tem­pos de Da­ma­res e “po­lí­ti­ca” de abs­ti­nên­cia se­xu­al, vi­ve­mos mo­men­tos du­ros. Em vez de se pen­sar po­lí­ti­cas pa­ra edu­ca­ção se­xu­al nas es­co­las, in­clu­são do es­tu­do de gê­ne­ro nos pla­nos de en­si­no, a mi­nis­tra pre­ga abs­ti­nên­cia co­mo saí­da. Em vez de a mi­nis­tra pen­sar po­lí­ti­cas pa­ra o en­fren­ta­men­to da vi­o­lên­cia se­xu­al con­tra me­ni­nas, cor­ro­bo­ra com o des­mon­te or­ça­men­tá­rio da Se­cre­ta­ria das Mu­lhe­res e, ao mes­mo tem­po, se am­pa­ra em de­ba­tes ra­sos, co­mo cam­pa­nha con­tra “ide­o­lo­gia de gê­ne­ro”.

Se­gun­do ma­té­ria da Fo­lha de 4 de ja­nei­ro, “em no­ta, a So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Pe­di­a­tria diz que des­co­nhe­ce pro­gra­ma com fo­co em abs­ti­nên­cia se­xu­al, mas diz que ‘um dos itens es­sen­ci­ais na abor­da­gem da ado­les­cên­cia, pre­co­ni­za­do pe­lo SUS e res­pal­da­do pe­lo Es­ta­tu­to da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te, é o di­rei­to do in­di­ví­duo de co­nhe­cer seu pró­prio cor­po e re­ce­ber in­for­ma­ções e cui­da­dos ade­qua­dos à saú­de re­pro­du­ti­va”. Lo­go, o go­ver­no de­ve­ria se­guir es­sa di­re­triz em vez de im­por uma vi­são mo­ral a uma ques­tão de po­lí­ti­ca pú­bli­ca.

Por ou­tro la­do, pen­so ser pro­ble­má­ti­co cair no ex­tre­mo de “tran­sem mui­to, jo­vens”. Ter uma boa cons­ci­ên­cia so­bre se­xo de­ve­ria ser en­ten­der o que se qu­er. Com se­xo, vem res­pon­sa­bi­li­da­de, tan­to de se­xo se­gu­ro, quan­to de en­ten­der a par­cei­ra e o par­cei­ro co­mo su­jei­tos. Nu­ma so­ci­e­da­de on­de me­ni­nos são ex­pos­tos à por­no­gra­fia tão ce­do, cri­am-se con­di­ci­o­na­men­tos do pra­zer. Mu­lhe­res são tra­ta­das co­mo ins­tru­men­tos e não vis­tas co­mo al­guém pa­ra se tro­car. So­mos en­si­na­das que, pa­ra agra­dar, de­ve­mos nos ape­gar a uma per­for­man­ce su­bor­di­na­da ao pra­zer mas­cu­li­no. Mui­tas de nós só vão des­co­brir do que gos­tam após mui­to tem­po de au­to­co­nhe­ci­men­to, ou­tras po­dem até tran­sar mui­to, mas sem co­nhe­cer o go­zo. Quan­tas de nós já ti­ve­mos ex­pe­ri­ên­ci­as hor­rí­veis ao ser­mos tra­ta­das sem res­pei­to al­gum ao nos­so pra­zer?

Ape­sar de mui­tas mu­dan­ças, ain­da exis­tem ta­bus so­bre o cor­po da mu­lher, ao pas­so que os me­ni­nos, pa­ra se­rem “su­jei­tos ho­mens”, são en­si­na­dos a se mas­tur­bar, consumir mu­lhe­res, ló­gi­ca de con­su­mo que pas­sa por ex­por cor­pos nus de mu­lhe­res na pu­bli­ci­da­de, na dra­ma­tur­gia, nas re­vis­tas mas­cu­li­nas, em si­tes e re­des so­ci­ais.

Quan­tas ve­zes per­ce­be­mos o quão des­ne­ces­sá­rio era mos­trar o cor­po de uma atriz em uma ce­na, por exem­plo? Com is­so, não es­tou em ab­so­lu­to me co­lo­can­do con­tra o nu; es­tou a re­fu­tar uma ideia de um nu con­di­ci­o­na­do ao con­su­mo mas­cu­li­no.

Ser fe­mi­nis­ta he­te­ros­se­xu­al já me trou­xe si­tu­a­ções inu­si­ta­das, co­mo, ao di­zer não pa­ra um jo­vem, ele me ques­ti­o­nar: “Mas vo­cê não é fe­mi­nis­ta e li­ber­tá­ria?”. Ou se­ja, se eu di­go não, es­tou sen­do mo­ra­lis­ta, em vez de se en­ten­der que é um di­rei­to.

Não há li­ber­da­de que se­ja con­di­ci­o­na­da ao pra­zer ab­so­lu­to do ho­mem. Ou, quan­do eu di­go que nun­ca gos­tei de se­xo ca­su­al e pre­fi­ro ter re­la­ções com mais sig­ni­fi­ca­do, sem­pre vi­nha a per­gun­ta: “Por que vo­cê não se liberta?”. Ser liberta é ter que tran­sar com vá­ri­as pes­so­as? Não jul­go quem tem mui­tos par­cei­ros ou cur­te es­sa ca­su­a­li­da­de. Ca­da um, ca­da um. Po­rém, é um tan­to pro­ble­má­ti­co im­por um mo­de­lo de li­ber­da­de li­ga­do ao nú­me­ro de par­cei­ros que se tem.

Mu­lhe­res ne­gras são ul­tras se­xu­a­li­za­das nes­sa so­ci­e­da­de de he­ran­ça co­lo­ni­al. É co­mo se ti­vés­se­mos que es­tar dis­po­ní­veis pa­ra se­xo. São vá­ri­os os as­sé­di­os que so­fre­mos por par­te de ho­mens bra­si­lei­ros des­de mui­to ce­do, de grin­gos sem no­ção que vem ao Bra­sil e se sen­tem

au­to­ri­za­dos a to­car o nos­so cor­po ou a des­pe­jar im­pro­pé­ri­os.

Is­so sem fa­lar no pre­te­ri­men­to, de mu­lhe­res ne­gras se­rem vis­tas so­men­te pa­ra ca­su­a­li­da­des e não pa­ras eter uma re­la­ção mais pro­fun­da. O “tran­sar mui­to” pa­ra nós, mui­tas ve­zes, é de ma­dru­ga­da, sem ca­ri­nho, às es­con­di­das, em chats pri­va­dos. Quan­do seéu ma mu­lher pa­drão, se es­que­ce­que exis­te ma­que­las em ce­li­ba­to for­ça­do pe­lo pre­te­ri­men­to ou por se­rem vis­tas co mo­as cha­tas rai­vo­sas, ou ain­da, pe­la es­co­lha de não que­rer se­ra so­bra­da fes­ta, por não acei­tar ne­go­ci­ar sua hu­ma­ni­da­de. Num país em que os cor­pos nus das mu­lhe­res po­dem ser mos­tra­dos pa­ra con­su­mo, mas fa­lar de se­xo e mas­tur­ba­ção fe­mi­ni­na ain­da é ta­bu, se­ria in­te­res­san­te, em vez do “tran­sem mui­to, jo­vens”, bus­car­mos co­nhe­cer me­lhor nos­sos cor­pos e de­se­jos. En­si­nar aos jo­vens que mu­lhe­res não es­tão ali pa­ra se­rem ob­je­tos de pra­zer. Cui­dar pa­ra que ado­les­cen­tes não se­jam ex­pos­tos à por­no­gra­fia sem o mí­ni­mo cri­té­rio e li­mi­te, so­bre­tu­do, em tem­pos de re­des so­ci­ais e de fá­cil aces­soa es­sa pro­du­ção.

Po­de­ría­mos di­zer tam­bém: tran­sem mui­to, se as­sim qui­se­rem, se is­so fi­zer sen­ti­do, mas se­jam res­pon­sá­veis. E es­sa dis­cus­são es­tá lon­ge de ser mo­ra­lis­ta ou, co­mo mui­tos gos­tam de acu­sar, de “mu­lhe­res res­sen­ti­das”.

Po­der dis­cu­tir com ver­da­de e sem me­do nos­sa se­xu­a­li­da­de é um ob­je­ti­vo a ser al­can­ça­do. Nu­ma so­ci­e­da­de em que so­mos en­si­na­das anão di­zer não, di­zê-lo é uma con­quis­ta.

Li­no­ca Sou­za

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.