Se­tor de ser­vi­ços re­cua 0,4% em de­zem­bro, diz IBGE

Se­tor en­cer­ra ano com al­ta de 1%, quan­do mer­ca­do es­ti­ma­va 1,5%; in­dús­tria e va­re­jo tam­bém vêm abai­xo do es­pe­ra­do

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Di­e­go Gar­cia

O se­tor de ser­vi­ços fe­chou de­zem­bro com que­da de 0,4% em re­la­ção ao mês an­te­ri­or e en­cer­rou o ano de 2019 com cres­ci­men­to de 1%, in­for­mou on­tem o IBGE. A ex­pec­ta­ti­va do mer­ca­do era cres­cer 1,5%. Foi a pri­mei­ra al­ta do vo­lu­me de ser­vi­ços no país em cin­co anos.

rio de ja­nei­ro O se­tor de ser­vi­ços caiu 0,4% em re­la­ção a no­vem­bro e fe­chou o ano com avan­ço de 1%, se­gun­do o IBGE.

Foi a pri­mei­ra al­ta em cin­co anos. O se­tor vi­nha de sequên­ci­as ne­ga­ti­vas des­de 2015 e per­ma­ne­ceu es­tá­vel em 2018.

Ain­da as­sim, o re­sul­ta­do frus­trou as ex­pec­ta­ti­vas dos eco­no­mis­tas, que pro­je­ta­vam um cres­ci­men­to mai­or, na ca­sa de 1,5% no ano. Na ava­li­a­ção do pró­prio IBGE, o se­tor ain­da es­tá lon­ge de re­cu­pe­rar as per­das acu­mu­la­das no pe­río­do de re­ces­são.

“En­tre 2015 e 2017 ti­ve­mos uma per­da acu­mu­la­da de 11%, en­tão, es­sa al­ta de 2019 é im­por­tan­te, mas ain­da es­tá lon- ge de al­can­çar o me­lhor re­sul­ta­do”, afir­mou o ge­ren­te da pes­qui­sa, Ro­dri­go Lo­bo.

Cha­ma a aten­ção que os com­po­nen­tes do cres­ci­men­to de ser­vi­ços es­te­jam li­ga­do a atividades do mun­do di­gi­tal.

Pe­sou a fa­vor a al­ta nos ser­vi­ços de in­for­ma­ção e comunicaçã­o, que acu­mu­lou cres­ci­men­to de 3,3% no ano. Con­tri­buí­ram pa­ra o re­sul­ta­do o bom de­sem­pe­nho de por­tais, pro­ve­do­res e ou­tros ser­vi­ços de in­for­ma­ção na in­ter­net, co­mo as fer­ra­men­tas de bus­ca.

Tam­bém con­tri­buí­ram a fa­vor o seg­men­to de lo­ca­ção de au­to­mó­veis, im­pul­si­o­na­do pe­lo au­men­to do nú­me­ro de mo­to­ris­tas de apli­ca­ti­vos.

Por ou­tro la­do, o tra­di­ci­o­nal trans­por­te ro­do­viá­rio de car­gas re­gis­trou que­da.

Os dois ou­tros se­to­res com mo­ni­to­ra­men­to men­sal do IBGE, a in­dús­tria e o va­re­jo, tam­bém ti­ve­ram re­sul­ta­dos abai­xo do es­pe­ra­do no ano e um de­zem­bro de­cep­ci­o­nan­te.

O va­re­jo in­ter­rom­peu em de­zem­bro se­te me­ses se­gui­dos de de­sem­pe­nhos po­si­ti­vos e re­gis­trou que­da de 0,1% em re­la­ção a no­vem­bro —quan­do o mer­ca­do ha­via pro­je­ta­do uma al­ta de 0,2% nas ven­das do pe­río­do. O ano fe­chou com al­ta de 1,8%, qua­se me­ta­de do 3,3% es­ti­ma­dos ini­ci­al­men­te pe­los ana­lis­tas.

A in­dús­tria, que já vi­nha com re­sul­ta­dos mais frá­geis, tam­bém te­ve um de­sem­pe­nho pi­or que o es­pe­ra­do. De­pois de al­can­çar cres­ci­men­to de 2,5% e 1%, res­pec­ti­va­men­te em 2017 e 2018, fe­chou o ano com re­tra­ção de 1,1%. Eco­no­mis­tas ou­vi­dos pe­la agên­cia Blo­om­berg pro­je­ta­vam uma que­da me­nor, de 0,8%.

Pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas, o ce­ná­rio do fim de 2019 é pre­o­cu­pan­te por­que in­flu­en­cia ne­ga­ti­va­men­te o iní­cio de 2020.

“Es­tá cla­ro que a eco­no­mia não te­ve a re­a­ção es­pe­ra­da”, diz o pro­fes­sor de eco­no­mia do Ib­mec Ri­car­do Ma­ce­do.

Um dos con­tra­tem­pos des­sa re­cu­pe­ra­ção mais len­ta, diz Ma­ce­do, é que ela con­tri­bui pa­ra re­tar­dar in­ves­ti­men­tos.

“O in­ves­ti­men­to cria um me­ca­nis­mo mul­ti­pli­ca­dor na eco­no­mia que ge­ra em­pre­gos, de­man­da ser­vi­ços de trans­por­te e con­tra­ta gen­te que de­man­da co­mér­cio”, afir­ma.

Quem nor­mal­men­te pu­xa o in­ves­ti­men­to é jus­ta­men­te o se­tor que tem ten­do o pi­or de­sem­pe­nho, a in­dús­tria.

“A pre­o­cu­pa­ção mai­or é a ca­pa­ci­da­de de re­cu­pe­ra­ção do in­ves­ti­men­to li­ga­do à fal­ta de com­pe­ti­ti­vi­da­de da nos­sa in­dús­tria”, dis­se Lu­a­na Mi­ran­da, pes­qui­sa­do­ra da área de eco­no­mia apli­ca­da do FGV-Ibre.

Tam­bém pas­sou a pe­sar con­tra o ce­ná­rio ex­ter­no.

Em 2019, as ex­por­ta­ções fo­ram afe­ta­das pe­la cri­se ar­gen­ti­na e o de­sen­ten­di­men­to co­mer­ci­al en­tre Chi­na e EUA. Em um pri­mei­ro mo­men­to, o tra­ta­do po­de fa­zer re­cu­ar as ex­por­ta­ções bra­si­lei­ras pa­ra o país asiá­ti­co. O re­cen­te sur­to de co­ro­na­ví­rus é ou­tro fa­tor que pre­o­cu­pa.

“Cho­ques ex­ter­nos vão afe­tar a eco­no­mia bra­si­lei­ra e glo­bal. A Chi­na é o prin­ci­pal par­cei­ro co­mer­ci­al do Bra­sil e tem pe­so im­por­tan­te no co­mér­cio mun­di­al”, diz Lu­a­na Mi­ran­da. Pa­ra ela, es­ses fa­to­res jus­ti­fi­cam re­vi­são do cres­ci­men­to de 2020 a um pa­ta­mar me­nos oti­mis­ta. “O ce­ná­rio é de cres­ci­men­to mais pa­ra 2%.”

A eco­no­mis­ta Vic­tó­ria Jorge, da Ati­va In­ves­ti­men­tos, tam­bém pro­je­ta cres­ci­men­to me­nor que o pre­vis­to, tam­bém de olho no ce­ná­rio ex­ter­no.

“O acor­do Es­ta­dos Uni­dosChi­na po­de im­pac­tar a pro­du­ção de ma­nu­fa­tu­ras do Bra­sil e prin­ci­pal­men­te os ne­gó­ci­os da agro­pe­cuá­ria. Os ame­ri­ca­nos es­tão, por exem­plo, ten­do gran­de vo­lu­me de ven­das de suí­nos e vão subs­ti­tuir o Bra­sil na ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va.”

Pa­ra Clau­dio Con­si­de­ra, pes­qui­sa­dor associado do FGV Ibre, um ca­mi­nho pa­ra me­lho­rar o ce­ná­rio se­ria o go­ver­no ace­le­rar o pro­ces­so de pri­va­ti­za­ções e con­ces­sões. “O in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro não es­tá vin­do, não es­tão fa­zen­do con­ces­sões e pri­va­ti­za­ções no rit­mo ne­ces­sá­rio pa­ra tra­zer ca­pi­tal es­tran­gei­ro de for­ma que re­to­me in­ves­ti­men­to.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.