In­con­ti­nên­cia ver­bal

Fa­las im­pro­vi­sa­das do mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des cor­ro­em sua cre­di­bi­li­da­de co­mo in­ter­lo­cu­tor

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Edi­to­ri­[email protected]­po­fo­lha.com.br

So­bre fa­las de­sas­tro­sas de Pau­lo Gu­e­des.

Fi­a­dor do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro na área econô­mi­ca, o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des mi­na sua cre­di­bi­li­da­de com frequên­cia quan­do vem a pú­bli­co ex­por o que pen­sa so­bre os pro­ble­mas bra­si­lei­ros.

Não há dú­vi­da de que o ace­le­ra­do cres­ci­men­to das des­pe­sas do go­ver­no com pes­so­al é uma ques­tão que re­quer aten­ção, e a equi­pe do mi­nis­tro há me­ses de­ba­te uma pro­pos­ta de re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va pa­ra ata­car o pro­ble­ma.

Na se­ma­na pas­sa­da, no en­tan­to, Gu­e­des sa­bo­tou o pró­prio pro­je­to ao cha­mar de pa­ra­si­tas os fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, nu­ma pa­les­tra em que de­fen­deu mu­dan­ças nos sa­lá­ri­os e nas car­rei­ras dos ser­vi­do­res.

Além de unir os sin­di­ca­tos da ca­te­go­ria e ou­tros opo­si­to­res da re­for­ma, o ata­que gros­sei­ro e in­dis­cri­mi­na­do ao fun­ci­o­na­lis­mo con­tri­buiu pa­ra de­sen­co­ra­jar o go­ver­no e seus ali­a­dos no Congresso.

Na quar­ta (12), o mi­nis­tro fez ou­tra exi­bi­ção de in­sen­si­bi­li­da­de e des­tem­pe­ro ao tra­tar com es­cár­nio as em­pre­ga­das do­més­ti­cas en­quan­to dis­cor­ria so­bre o en­ca­re­ci­men­to do dó­lar e seu im­pac­to na vi­da dos bra­si­lei­ros.

Ao di­zer que es­sas tra­ba­lha­do­ras de baixa ren­da se apro­vei­ta­vam num pas­sa­do re­cen­te do dó­lar ba­ra­to pa­ra bus­car di­ver­são na Dis­ney­lân­dia —e tra­tar tal su­po­si­ção co­mo um de­sar­ran­jo, “uma fes­ta da­na­da”—, Gu­e­des re­ve­lou pre­con­cei­to so­ci­al gros­sei­ro.

Num mo­men­to em que a frá­gil re­cu­pe­ra­ção da ati­vi­da­de econô­mi­ca e a necessidad­e de res­tau­rar a saú­de das fi­nan­ças pú­bli­cas im­põem sa­cri­fí­ci­os ge­rais, a ver­bor­ra­gia do mi­nis­tro de­cer­to não con­tri­bui pa­ra seu pa­pel de for­mu­la­dor e ne­go­ci­a­dor das re­for­mas.

Na Pre­si­dên­cia, Bol­so­na­ro ado­tou sem ro­dei­os a ofen­sa e a de­sin­for­ma­ção co­mo pilares de sua es­tra­té­gia de comunicaçã­o. Gu­e­des ain­da não che­gou a tan­to, mas cum­pre mal su­as fun­ções sem­pre que fa­la o que lhe vem à ca­be­ça sem me­dir con­sequên­ci­as.

Bas­ta lem­brar a es­pan­to­sa en­tre­vis­ta que con­ce­deu em no­vem­bro, quan­do evo­cou o fan­tas­ma do AI-5 ao cri­ti­car ad­ver­sá­ri­os que es­ti­mu­la­vam ma­ni­fes­ta­ções con­tra Bol­so­na­ro nas ru­as. Ou quan­do de­fen­deu uma “pren­sa” no Congresso pe­las mu­dan­ças pre­vi­den­ciá­ri­as.

Num go­ver­no che­fi­a­do por um pre­si­den­te in­ca­paz de de­fi­nir com cla­re­za as prioridade­s de sua agen­da, um mi­nis­tro da Eco­no­mia que se co­mu­ni­ca de for­ma tão de­sas­tra­da te­rá mai­or di­fi­cul­da­de em re­pre­sen­tar uma fon­te de se­gu­ran­ça pa­ra po­lí­ti­cos e in­ves­ti­do­res.

En­quan­to Bol­so­na­ro pre­ci­sa de apoio no Congresso pa­ra pro­mo­ver re­for­mas am­bi­ci­o­sas e de al­tís­si­mo cus­to po­lí­ti­co em ano elei­to­ral, Gu­e­des não ra­ro se re­ve­la um por­ta-voz in­con­ve­ni­en­te, que em­pur­ra o go­ver­no pa­ra o iso­la­men­to e en­ve­ne­na o de­ba­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.