MP es­ta­be­le­ce que só go­ver­no fe­de­ral po­de fe­char es­tra­da

Go­ver­na­dor de SP anun­cia qua­ren­te­na, e pre­si­den­te o cha­ma de ‘lu­ná­ti­co’

Folha de S.Paulo - - Primeira Página -

são pau­lo e bra­sí­lia O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (sem par­ti­do) e o go­ver­na­dor de São Pau­lo, João Do­ria (PSDB), tro­ca­ram far­pas nes­te sá­ba­do (21) após o go­ver­no fe­de­ral edi­tar uma me­di­da pro­vi­só­ria vis­ta co­mo um con­tra­a­ta­que aos go­ver­na­do­res em meio à cri­se do co­ro­na­ví­rus.

Em en­tre­vis­ta à CNN Bra­sil, o pre­si­den­te cri­ti­cou a qua­ren­te­na im­pos­ta por Do­ria em São Pau­lo, cha­mou o tu­ca­no de “lu­ná­ti­co” e afir­mou que “as elei­ções de 2022 ain­da es­tão lon­ge”.

Des­de a se­ma­na pas­sa­da, Do­ria e o go­ver­na­dor do Rio de Ja­nei­ro, Wil­son Wit­zel (PSC), têm cri­ti­ca­do o que con­si­de­ram uma le­tar­gia do pre­si­den­te no en­fren­ta­men­to à pan­de­mia e tem ado­ta­do pos­tu­ras opos­tas à de­le. Am­bos se co­lo­cam co­mo pos­tu­lan­tes à Pre­si­dên­cia em 2022.

“Es­ses go­ver­na­do­res, pou­cos, que me cri­ti­cam o tem­po to­do, di­zem que não te­nho li­de­ran­ça. Digo a es­ses go­ver­na­do­res: as elei­ções de 2022 es­tão mui­to lon­ge ain­da pa­ra vo­cês par­ti­rem pa­ra es­se ti­po de ata­que, pa­ra es­se ti­po de com­por­ta­men­to de desgaste in­fun­da­do em ci­ma do che­fe do Exe­cu­ti­vo fe­de­ral”, afir­mou Bol­so­na­ro na en­tre­vis­ta.

Nes­te sá­ba­do, o go­ver­na­dor pau­lis­ta anun­ci­ou es­ta­do de qua­ren­te­na por 15 di­as em São Pau­lo pa­ra com­ba­ter a pan­de­mia, com o fe­cha­men­to obri­ga­tó­rio de co­mér­ci­os, ba­res e res­tau­ran­tes a par­tir da pró­xi­ma ter­ça-fei­ra (24).

Ao ser ques­ti­o­na­do so­bre a me­di­da, Bol­so­na­ro cri­ti­cou o go­ver­na­dor tu­ca­no.

“[Do­ria] é um lu­ná­ti­co. Es­tá fa­zen­do po­lí­ti­ca em ci­ma des­te ca­so. É um go­ver­na­dor que ne­ga ter usa­do o meu no­me pa­ra se ele­ger go­ver­na­dor, en­tão eu la­men­to es­sa po­si­ção po­lí­ti­ca de­le, es­tá se apro­vei­tan­do des­te mo­men­to pa­ra que­rer cres­cer po­li­ti­ca­men­te.”

Mais ce­do, ao anun­ci­ar a qua­ren­te­na, Do­ria ha­via cri­ti­ca­do o pre­si­den­te.

“Mui­to tris­te que não te­nha­mos no país uma li­de­ran­ça em con­di­ções de ori­en­tar os bra­si­lei­ros, acal­mar os bra­si­lei­ros, to­mar ati­tu­des cor­re­tas, li­de­rar sua equi­pe de tra­ba­lho pa­ra to­ma­da to­ma­da de de­ci­sões cor­re­tas e que aten­dam a ex­pec­ta­ti­va da po­pu­la­ção”, dis­se Do­ria.

“Na au­sên­cia des­sa li­de­ran­ça, nós em São Pau­lo, ou­tros go­ver­na­do­res em seus res­pec­ti­vos es­ta­dos, pre­fei­tos e pre­fei­tas nos mu­ni­cí­pi­os, es­tão cum­prin­do sua obri­ga­ção fa­zen­do o que de­ve ser fei­to e aqui­lo que o pre­si­den­te Bol­so­na­ro não con­se­gue fa­zer”, acres­cen­tou o tu­ca­no.

Do­ria afir­mou que ha­ve­rá uma reu­nião com go­ver­na­do­res do Su­des­te pa­ra tra­tar de as­sun­tos re­la­ti­vos a es­sa co­or­de­na­ção.

Já o go­ver­na­dor do Rio ha­via di­to na sex­ta-fei­ra (20) que o go­ver­no fe­de­ral es­ta­va “em pas­so de tar­ta­ru­ga”.

“São os nos­sos hos­pi­tais que se­rão im­pac­ta­dos, e o go­ver­no fe­de­ral ain­da em pas­so de tar­ta­ru­ga. Só fiz o de­cre­to pa­ra que o go­ver­no to­me ci­ên­cia das me­di­das que pre­ci­sam ser ado­ta­das e, de uma vez, acor­de”, dis­se Wit­zel.

Bol­so­na­ro con­tra-ata­cou os go­ver­na­do­res com a edi­ção de uma me­di­da pro­vi­só­ria que es­ta­be­le­ce co­mo com­pe­tên­cia fe­de­ral o fe­cha­men­to de ae­ro­por­tos e ro­do­vi­as, en­tre ou­tras me­di­das.

O tex­to tem for­ça de lei e

“Mui­to tris­te que não te­nha­mos no país uma li­de­ran­ça em con­di­ções de ori­en­tar e acal­mar os bra­si­lei­ros, to­man­do as ati­tu­des cor­re­tas

João Do­ria go­ver­na­dor de SP, na tar­de des­te sá­ba­do (21), ao anun­ci­ar qua­ren­te­na no es­ta­do

“[Do­ria] é um lu­ná­ti­co. Es­tá fa­zen­do po­lí­ti­ca em ci­ma des­te ca­so. É um go­ver­na­dor que ne­ga ter usa­do o meu no­me pa­ra se ele­ger go­ver­na­dor, en­tão eu la­men­to es­sa po­si­ção po­lí­ti­ca de­le, es­tá se apro­vei­tan­do des­te mo­men­to pa­ra que­rer cres­cer po­li­ti­ca­men­te

Jair Bol­so­na­ro pre­si­den­te, em en­tre­vis­ta na noi­te des­te sá­ba­do

efei­to ime­di­a­to. “Eu as­si­nei me­di­da pro­vi­só­ria dei­xan­do cla­ro ser de com­pe­tên­cia fe­de­ral, ob­ser­van­do cri­té­ri­os téc­ni­cos e res­pon­sá­veis, a de­fi­ni­ção so­bre fe­cha­men­to, ou não, de ae­ro­por­tos, ro­do­vi­as e es­tra­das fe­de­rais”, dis­se Bol­so­na­ro em re­des so­ci­ais na noi­te de sex­ta.

A me­di­da pro­vi­só­ria in­cluiu a pre­vi­são na lei 13.979, que dis­põe so­bre as ini­ci­a­ti­vas pa­ra en­fren­ta­men­to da emer­gên­cia de saú­de pú­bli­ca com a pan­de­mia de co­ro­na­ví­rus.

A MP pre­vê co­mo ser­vi­ços es­sen­ci­ais o fun­ci­o­na­men­to de hos­pi­tais e la­bo­ra­tó­ri­os, o trans­por­te in­ter­mu­ni­ci­pal e in­te­res­ta­du­al, a dis­tri­bui­ção de água, o tra­ta­men­to de es­go­to, ser­vi­ços fu­ne­rá­ri­os, re­des ban­cá­ri­as, trans­por­te de car­ga, en­tre ou­tros.

O Con­gres­so pre­ci­sa con­ver­ter as nor­mas em lei no pra­zo má­xi­mo de 120 di­as. Pas­sa­do es­se pe­río­do, o tex­to per­de va­li­da­de.

Ques­ti­o­na­do so­bre a exis­tên­cia de al­gum atri­to com o mi­nis­tro da Saú­de, Luiz Hen­ri­que Man­det­ta, Bol­so­na­ro afir­mou que o mi­nis­tro “es­ta­va exa­ge­ran­do” no iní­cio da cri­se do co­ro­na­ví­rus.

“O Man­det­ta, num pri­mei­ro mo­men­to eu es­ta­va achan­do que ele es­ta­va exa­ge­ran­do, tá cer­to? Tan­to é que ele foi bas­tan­te ques­ti­o­na­do on­tem [sex­ta-fei­ra] quan­do fa­lou uma pa­la­vra que não era ade­qua­da pa­ra aque­le mo­men­to, fa­lou co­lap­so, e ele ex­pli­cou per­fei­ta­men­te.”

Bol­so­na­ro tam­bém cri­ti­cou de­ci­são da Jus­ti­ça Fe­de­ral em Bra­sí­lia que de­ter­mi­nou que o hos­pi­tal que aten­deu o pre­si­den­te e in­te­gran­tes de co­mi­ti­va aos EUA de­ve apre­sen­tar a lis­ta com os no­mes da­que­les cu­jos exa­mes ates­ta­ram co­ro­na­ví­rus.

“Se fi­zes­sem o mes­mo pe­di­do pa­ra quem ti­ves­se aco­me­ti­do de HIV, se­rá que es­ta­ri­am de­fe­rin­do um pe­di­do des­ses? Ou pa­ra quem é aco­me­ti­do de cân­cer? Co­mo che­fe do Exe­cu­ti­vo, eu te­nho um tra­ta­men­to es­pe­ci­al. Al­go que por­ven­tu­ra ve­nha a acon­te­cer co­mi­go vo­cê me­xe na eco­no­mia. Is­so não é bom pa­ra es­se país.”

Bol­so­na­ro fez dois tes­tes e in­for­mou que eles de­ram ne­ga­ti­vo pa­ra o no­vo co­ro­na­ví­rus, mas, ques­ti­o­na­do pe­la Fo­lha, não apre­sen­tou os do­cu­men­tos com os re­sul­ta­dos.

In­da­ga­do pe­la CNN nes­te sá­ba­do so­bre se re­a­li­za­ria um ter­cei­ro exa­me, o pre­si­den­te res­pon­deu: “Só fa­rei se o Man­det­ta, que nes­se ca­so é o meu su­pe­ri­or, ou se os mé­di­cos que me acom­pa­nham, acha­rem que de­vo fa­zer um no­vo tes­te pa­ra o co­ro­na­ví­rus”.

Fran­cis­co Ce­pe­da/Fo­lha­press

O go­ver­na­dor pau­lis­ta, João Do­ria, du­ran­te en­tre­vis­ta co­le­ti­va nes­te sá­ba­do (21) so­bre a cri­se do co­ro­na­ví­rus no es­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.