Flá­vio fez acor­do pa­ra re­pre­sen­tar fá­bri­ca de sa­bão

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ita­lo No­guei­ra

O se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro se tor­nou só­cio de em­pre­sa cu­jo ob­je­ti­vo era ins­ta­lar uma in­dús­tria de sa­bão no Rio. O do­no, po­rém, não quis li­gar seu no­me a ele. Flá­vio dis­se ape­nas que a so­ci­e­da­de “não se con­cre­ti­zou”.

Após que­bra de si­gi­los, se­na­dor se apre­sen­tou co­mo re­pre­sen­tan­te de in­dús­tria que se­ria ins­ta­la­da no RJ

rio de ja­nei­ro Em meio às in­ves­ti­ga­ções so­bre su­pos­tas prá­ti­cas de la­va­gem de di­nhei­ro e pe­cu­la­to em seu an­ti­go ga­bi­ne­te na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va do Rio de Ja­nei­ro, o se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (Re­pu­bli­ca­nos-RJ) se tor­nou só­cio de uma em­pre­sa que ti­nha co­mo ob­je­ti­vo ins­ta­lar uma in­dús­tria de sa­bão em pó no es­ta­do.

No con­tra­to so­ci­al da Kryafs Par­ti­ci­pa­ções, o se­na­dor não se apre­sen­ta co­mo um me­ro só­cio-in­ves­ti­dor. O fi­lho do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de­cla­ra ser um re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al da fá­bri­ca bai­a­na Es­pu­mil, ser­vi­ço pe­lo qual es­ti­mou que re­ce­be­ria R$ 500 mil. A em­pre­sa se­ria uma par­cei­ra no em­pre­en­di­men­to.

O pro­je­to, con­tu­do, não foi adi­an­te. O só­cio-di­re­tor da Es­pu­mil, João Pau­lo Dantas, afir­ma que foi pres­si­o­na­do a per­mi­tir a in­clu­são do se­na­dor no ne­gó­cio e de­ci­diu in­ter­rom­per as tra­ta­ti­vas com a Kryafs lo­go após sua cri­a­ção. Ago­ra ele diz man­ter a in­ten­ção de mon­tar uma fá­bri­ca no Rio de Ja­nei­ro com ou­tros par­cei­ros.

A em­pre­sa do se­na­dor e mais cin­co só­ci­os foi aber­ta em ju­nho de 2019 —quan­do a Jus­ti­ça já ti­nha que­bra­do o si­gi­lo ban­cá­rio e fis­cal de Flá­vio e ou­tras 102 pes­so­as fí­si­cas e ju­rí­di­cas no âm­bi­to da in­ves­ti­ga­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio so­bre a “ra­cha­di­nha” no an­ti­go ga­bi­ne­te do fi­lho do pre­si­den­te na Alerj.

A apuração da Pro­mo­to­ria apon­tou sus­pei­ta de la­va­gem de di­nhei­ro do es­que­ma por meio de in­ves­ti­men­tos pri­va­dos fei­tos pe­lo se­na­dor: com­pra e ven­da de imó­veis e uma lo­ja de cho­co­la­tes. A apuração do MP-RJ não tem a nova em­prei­ta­da em­pre­sa­ri­al do se­na­dor co­mo al­vo, por­que se li­mi­ta ao pe­río­do de 2007 a 2018.

O no­vo pro­je­to co­mer­ci­al de Flá­vio se pro­pu­nha a ins­ta­lar uma fá­bri­ca da Es­pu­mil no Rio de Ja­nei­ro. Ela tem se­de em Fei­ra de San­ta­na (BA) e pro­duz sa­bão em pó.

O Có­di­go de Éti­ca do Se­na­do

proí­be que seus mem­bros se­jam pro­pri­e­tá­ri­os, di­re­to­res, con­tro­la­do­res ou pa­tro­ci­nem “a cau­sa” de “em­pre­sa que go­ze de fa­vor de­cor­ren­te de con­tra­to com pes­soa ju­rí­di­ca de di­rei­to pú­bli­co”.

A em­pre­sa não pos­sui con­tra­tos com o po­der pú­bli­co. Tem, con­tu­do, au­tos de in­fra­ção ex­pe­di­dos con­tra ela pe­la Su­pe­rin­ten­dên­cia Re­gi­o­nal do Tra­ba­lho na Bahia, ór­gão fe­de­ral, em par­te pen­den­te a aná­li­se da de­fe­sa.

O ad­vo­ga­do Bruno Fa­ga­li, es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to pú­bli­co e com­pli­an­ce, afir­ma ha­ver ve­da­ções que, na prá­ti­ca, in­vi­a­bi­li­zam a ins­ta­la­ção de uma fá­bri­ca co­mo a pre­ten­di­da pe­lo se­na­dor. Ele diz que uma em­pre­sa ten­do o se­na­dor co­mo só­cio não po­de­ria ob­ter fi­nan­ci­a­men­to de ban­cos pú­bli­cos e in­cen­ti­vos fis­cais.

“Em meu en­ten­der, o mes­mo se apli­ca às va­ri­a­das for­mas de acor­do pos­sí­veis en­tre uma em­pre­sa e ór­gãos ou pes­so­as ju­rí­di­cas es­ta­tais. As­sim, por exem­plo, no ca­so de a em­pre­sa que­rer cons­truir uma fá­bri­ca que de al­gu­ma for­ma afe­te ne­ga­ti­va­men­te seu en­tor­no, co­mo meio am­bi­en­te ou trá­fe­go, não po­de­rá ela ce­le­brar um TAC ou qual­quer ou­tro ti­po de acor­do com au­to­ri­da­des es­ta­tais, pa­ra que pos­sa, as­sim, ob­ter au­to­ri­za­ção pa­ra cons­truir e fun­ci­o­nar”, dis­se o ad­vo­ga­do.

Dantas, da Es­pu­mil, afir­ma que o no­vo pro­je­to da fá­bri­ca flu­mi­nen­se, sem a par­ti­ci­pa­ção do se­na­dor, es­tá sen­do dis­cu­ti­do com a Co­din (Com­pa­nhia de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al do Rio de Ja­nei­ro). O ob­je­ti­vo é ocu­par ter­re­no de um dis­tri­to in­dus­tri­al que tem in­cen­ti­vos fis­cais.

Bruno Fa­ga­li con­si­de­ra “ab­so­lu­ta­men­te con­fli­tan­tes e in­con­ci­liá­veis” as fun­ções de se­na­dor e re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al de uma fá­bri­ca.

“A ri­gor, po­de-se di­zer que mui­tos ser­vi­ços abran­gi­dos pe­la fun­ção de tal ‘re­pre­sen­ta­ção co­mer­ci­al’ po­dem ser com­pa­ra­dos com as ati­vi­da­des de lobby, se­ja ele re­a­li­za­do jun­to a au­to­ri­da­des/po­de­res es­ta­tais, se­ja em um con­tex­to in­te­gral­men­te pri­va­do.”

“Ilus­tran­do me­lhor, de­ve­mos nos per­gun­tar: se­ria pos­sí­vel, le­gal e ou eti­ca­men­te, um se­na­dor, por R$ 500 mil, bus­car, di­re­ta­men­te ou in­di­re­ta­men­te, por meio de uma em­pre­sa da qual é só­cio, por exem­plo, a ob­ten­ção de li­cen­ças pa­ra a cons­tru­ção e fun­ci­o­na­men­to de uma fá­bri­ca, ou ter co­mo uma de su­as mis­sões a de vi­a­bi­li­zar no­vos ne­gó­ci­os com ou­tras em­pre­sas?”, dis­se Fa­ga­li.

Ou­tro só­cio da em­pre­sa é Yan Fon­se­ca, 22, fi­lho do se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Or­dem Pública do Rio de Ja­nei­ro, Gu­tem­berg Fon­se­ca. Ami­go de Flá­vio, ele ocu­pa­va a Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Go­ver­no quan­do a em­pre­sa foi mon­ta­da.

En­quan­to me­ta­de dos só­ci­os se com­pro­me­teu a in­ves­tir R$ 500 mil ca­da um em di­nhei­ro na em­pre­sa (o que não acon­te­ceu), Flá­vio e o em­pre­sá­rio Fábio Ma­riz de­cla­ra­ram que apor­ta­ri­am va­lor igual por meio de ces­são de di­rei­tos da re­pre­sen­ta­ção co­mer­ci­al com a Es­pu­mil, sem pa­ga­men­to efe­ti­vo. Yan, por sua vez, pa­ga­ria R$ 300 mil com ser­vi­ços de pro­pa­gan­da e mar­ke­ting.

O do­no da Es­pu­mil, João Pau­lo Dantas, afir­mou que o pro­je­to da fá­bri­ca no Rio de Ja­nei­ro foi ela­bo­ra­do por Fábio Ma­riz, que já era seu re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al no es­ta­do an­tes da so­ci­e­da­de com Flá­vio. O exe­cu­ti­vo diz que o em­pre­sá­rio fez pres­são pa­ra in­cluir o se­na­dor no ne­gó­cio, mas que não as­si­nou qual­quer con­tra­to de re­pre­sen­ta­ção co­mer­ci­al com o se­na­dor.

“[Fábio] fi­cou me li­gan­do, di­zen­do que o se­na­dor en­trou co­mo in­ves­ti­dor. Fi­cou me pres­si­o­nan­do pa­ra mon­tar a in­dús­tria com to­do mun­do. Eu pa­rei pa­ra pen­sar e dis­se: ‘Não’. Ain­da mais que es­ta­va co­me­çan­do to­dos os di­ze­res so­bre o Flá­vio. Caí fo­ra. Fa­lei pa­ra ele es­que­cer”, afir­mou o só­cio-di­re­tor da Es­pu­mil.

“Hou­ve uma pres­são do Fábio pa­ra ten­tar co­lo­car o Flá­vio nu­ma si­tu­a­ção co­mi­go pa­ra mon­tar a em­pre­sa. Não que­ro meu no­me nem mi­nha mar­ca en­vol­vi­da com po­lí­ti­co que te­nha al­gu­ma coi­sa de er­ra­do ou que se­ja in­ves­ti­ga­do, ou fi­lho do pre­si­den­te. Não sei se ele fez [al­go de er­ra­do]. Mal co­nhe­ço ele, só de cum­pri­men­tar. Mas não que­ro na­da atre­la­do a ele”, de­cla­rou Dantas.

Fábio dis­se que con­vi­dou o se­na­dor pa­ra o ne­gó­cio por ser seu ami­go e ter vis­lum­bra­do a opor­tu­ni­da­de de um bom ne­gó­cio. Ele afir­mou que co­nhe­ceu o se­na­dor por te­rem fi­lhos que es­tu­dam na mes­ma es­co­la.

O em­pre­sá­rio dis­se que a fá­bri­ca, quan­do con­cre­ti­za­da, te­ria ve­da­ção de fir­mar con­tra­tos com o po­der pú­bli­co. Ele não sou­be ex­pli­car o pa­pel que Flá­vio te­ria.

“O que faz um re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al? Vo­cê tem um pro­du­to. Tem que ven­der. O de­se­jo de­le eu não pos­so di­zer”, dis­se o em­pre­sá­rio.

Em no­ta, o se­na­dor dis­se que “o pro­je­to de so­ci­e­da­de não se con­cre­ti­zou e ela se­rá ex­tin­ta”. Ele não res­pon­deu aos ques­ti­o­na­men­tos da re­por­ta­gem, en­tre eles qual pa­pel te­ria co­mo re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al da Es­pu­mil e por qual mo­ti­vo a fá­bri­ca bai­a­na ne­ga ter da­do po­de­res a ele pa­ra re­pre­sen­tá-la.

O se­cre­tá­rio Gu­tem­berg Fon­se­ca afir­mou que o in­ves­ti­men­to na em­pre­sa foi fei­to por seu fi­lho, sem sua par­ti­ci­pa­ção. Fon­se­ca de­cla­rou que impôs co­mo úni­ca con­di­ção pa­ra anuir com a en­tra­da de Yan no ne­gó­cio a ve­da­ção ex­pres­sa de con­tra­tos com o po­der pú­bli­co ca­so a fá­bri­ca saís­se do pa­pel.

Só­cio de uma agên­cia de mar­ke­ting, Fon­se­ca afir­ma que o fi­lho tra­ba­lha com ele des­de os 15 anos, mo­ti­vo pe­lo qual te­ria ex­pe­ri­ên­cia pa­ra for­ne­cer os R$ 300 mil es­ti­ma­dos em ser­vi­ços de pro­pa­gan­da pre­vis­to no con­tra­to so­ci­al da Kryafs.

Pe­dro La­dei­ra-11.fev.20/Fo­lha­press

O se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro, fi­lho mais ve­lho do pre­si­den­te, du­ran­te ce­rimô­nia em Brasília

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.