João Pe­dro, 14

Po­lí­ci­as Fe­de­ral e Ci­vil pre­ci­sam res­pon­der por atro­ci­da­de que ma­tou me­ni­no em ope­ra­ção no Rio

Folha de S.Paulo - - Primeira Página -

So­bre atro­ci­da­de po­li­ci­al que vi­ti­mou me­ni­no no RJ.

A mor­te de João Pe­dro Ma­tos Pin­to, 14, em São Gonçalo, re­gião me­tro­po­li­ta­na do Rio, é mais um dos epi­só­di­os te­ne­bro­sos que se su­ce­dem no país em rit­mo ver­ti­gi­no­so.

Nes­se pai­nel de atro­ci­da­des, em que a tra­gé­dia da pan­de­mia en­tre­la­ça-se com as cri­ses po­lí­ti­ca e econô­mi­ca, ali­men­ta­das por um go­ver­no ca­la­mi­to­so, a vi­o­lên­cia con­tra po­pu­la­ções de bair­ros po­bres con­ti­nua a mar­car pre­sen­ça.

João foi ví­ti­ma de uma ope­ra­ção po­li­ci­al na Ilha da Ita­o­ca, on­de seus fa­mi­li­a­res re­si­dem, de­fla­gra­da na tar­de da úl­ti­ma se­gun­da­fei­ra (18). Con­ta­ram-se mais de 70 mar­cas de pro­jé­teis na ca­sa, al­ve­ja­da de ma­nei­ra in­dis­cri­mi­na­da, co­mo se fos­se um bun­ker ocu­pa­do por cri­mi­no­sos for­te­men­te ar­ma­dos dis­pos­tos a re­sis­tir à in­ves­ti­da das for­ças de se­gu­ran­ça.

Tra­ta­va-se, no en­tan­to, da mo­ra­dia de uma tia do me­ni­no, na qual, de acor­do com re­la­tos, ao que tu­do in­di­ca ver­da­dei­ros, mem­bros da fa­mí­lia se reu­ni­am nes­tes tem­pos de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al.

De acor­do com as in­for­ma­ções pres­ta­das pe­los pa­ren­tes, uma das ti­as e o pai de João, co­mer­ci­an­tes, ti­nham saí­do pa­ra tra­ba­lhar num qui­os­que à bei­ra da praia, quan­do as cri­an­ças e os ado­les­cen­tes, num to­tal de seis, que se en­con­tra­vam na área ex­ter­na, ou­vi­ram o ruí­do de he­li­cóp­te­ros em vo­os ra­san­tes. Li­ga­ram pa­ra a tia, que re­co­men­dou que se abri­gas­sem den­tro de ca­sa.

Se­gun­do os jo­vens, po­li­ci­ais, a se­guir, en­tra­ram dis­pa­ran­do na área re­si­den­ci­al, lan­ça­ram bom­bas de gás no jar­dim e in­va­di­ram a sa­la, aci­o­nan­do su­as ar­mas —tu­do a des­pei­to dos ape­los dos ga­ro­tos, que se jo­ga­vam ao chão.

João foi atin­gi­do com um ti­ro na re­gião ab­do­mi­nal e não re­sis­tiu aos fe­ri­men­tos, de­pois de pe­ri­pé­ci­as ain­da a se­rem ex­pli­ca­das pa­ra que fos­se con­du­zi­do pe­los po­li­ci­ais a um pos­to de saú­de.

Pe­la ver­são das po­lí­ci­as Fe­de­ral e Ci­vil, que atu­a­vam jun­tas no ca­so, não se sa­be ain­da por que mo­ti­vo, se­gu­ran­ças de tra­fi­can­tes em fu­ga te­ri­am pu­la­do o mu­ro da ca­sa e re­sis­ti­do com ar­mas e gra­na­das.

É im­pe­ri­o­so que se es­cla­re­çam o qu­an­to an­tes as cir­cuns­tân­ci­as do ocor­ri­do e que se pu­nam os even­tu­ais cul­pa­dos. Tal ob­vi­e­da­de, con­tu­do, co­mo se ob­ser­va em si­tu­a­ções si­mi­la­res pre­gres­sas, não ra­ro es­bar­ra na re­sis­tên­cia cor­po­ra­ti­va e nos es­for­ços mal dis­si­mu­la­dos de au­to­ri­da­des pa­ra con­tor­nar uma con­clu­são ir­re­fra­gá­vel.

A fa­mí­lia de João Pe­dro não po­de ser mais uma a es­pe­rar pe­la jus­ti­ça que não se con­su­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.