Ar­gen­ti­na, Pa­ra­guai e Uru­guai des­to­am na AL

Qua­dro de au­men­to de in­fec­ções fez OMS clas­si­fi­car re­gião co­mo no­vo epi­cen­tro da pan­de­mia

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Bruno Be­ne­vi­des

Cer­ca­dos de vi­zi­nhos em que a Co­vid-19 es­tá sem con­tro­le, os três paí­ses têm con­se­gui­do con­tê-la após me­di­das du­ras no iní­cio da pan­de­mia.

são pau­lo Jair Bol­so­na­ro clas­si­fi­cou a Co­vid-19 de “gri­pe­zi­nha”. Pa­ra o pre­si­den­te chi­le­no, Se­bas­tián Piñe­ra, ela é o “ini­mi­go co­mum”. Já o pe­ru­a­no Mar­tín Viz­car­ra afir­mou que “o im­por­tan­te é cui­dar do ser hu­ma­no”, en­quan­to o me­xi­ca­no An­drés Ma­nu­el Ló­pez Obra­dor pe­diu, num pri­mei­ro mo­men­to, bei­jos e abra­ços con­tra o co­ro­na­ví­rus.

Ape­sar das di­fe­ren­tes opi­niões de seus pre­si­den­tes so­bre a pan­de­mia —e das es­tra­té­gi­as ado­ta­das—, os qua­tro paí­ses en­fren­tam ago­ra uma dis­pa­ra­da no nú­me­ro de ca­sos con­fir­ma­dos da do­en­ça.

A si­tu­a­ção fez o di­re­tor-exe­cu­ti­vo da OMS (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de), Mi­cha­el Ryan, afir­mar nes­ta sex­ta­fei­ra (22) que a Amé­ri­ca La­ti­na é o no­vo epi­cen­tro da pan­de­mia no mun­do.

Mas o cenário não é igual em to­da a re­gião. Na quin­ta (21), Pa­ra­guai e Uru­guai re­gis­tra­ram ape­nas três no­vas in­fec­ções ca­da um, en­quan­to Bra­sil, Chi­le, Pe­ru e Mé­xi­co es­tão en­tre os dez paí­ses no mun­do com mais ca­sos no­vos diá­ri­os.

A di­fe­ren­ça nos nú­me­ros na Amé­ri­ca La­ti­na cha­ma a aten­ção es­pe­ci­al­men­te por­que as es­tra­té­gi­as ado­ta­das por ca­da país têm va­ri­a­do mui­to —na Eu­ro­pa, as na­ções to­ma­ram me­di­das se­me­lhan­tes en­tre si.

No Bra­sil, Bol­so­na­ro mi­ni­mi­za os efei­tos do ví­rus des­de o iní­cio da pan­de­mia e dei­xa pa­ra es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os a ta­re­fa de im­por as me­di­das sa­ni­tá­ri­as e de iso­la­men­to.

O pre­si­den­te me­xi­ca­no, Ló­pez Obra­dor, tam­bém mi­ni­mi­zou a gra­vi­da­de da si­tu­a­ção, mas o au­men­to de ca­sos o obri­gou a mu­dar de pos­tu­ra. Pas­sou a dar mais es­pa­ço a seu se­cre­tá­rio de Saú­de (equi­va­len­te ao mi­nis­tro), Hu­go Ló­pez-Ga­tell, que impôs ações de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al.

O país tam­bém tem ado­ta­do me­di­das re­gi­o­na­li­za­das, mas, ao con­trá­rio do Bra­sil, elas são co­or­de­na­das pe­lo go­ver­no cen­tral, e não pe­las au­to­ri­da­des lo­cais. Ain­da que sob uma nu­vem de dú­vi­das so­bre os da­dos ofi­ci­ais, a ges­tão de Ló­pez Obra­dor in­ves­te em cam­pa­nhas de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al e ten­ta cor­ri­gir o ru­mo após uma lar­ga­da tor­tu­o­sa no com­ba­te à Co­vid-19.

Já a Ar­gen­ti­na —que, co­mo Bra­sil e Mé­xi­co, ado­ta uma es­tru­tu­ra fe­de­ra­lis­ta— de­cre­tou em 19 de mar­ço um “lock­down” em to­do o país e con­se­guiu im­pe­dir uma ex­plo­são no nú­me­ro de ca­sos.

“Al­guns paí­ses le­va­ram mais a sé­rio a res­pos­ta à pan­de­mia. A Ar­gen­ti­na to­mou me­di­das pa­ra or­ga­ni­zar uma ação na­ci­o­nal e en­fa­ti­zar as me­di­das de iso­la­men­to”, afir­ma o mé­di­co sa­ni­ta­ris­ta Adri­a­no Mas­su­da, pro­fes­sor da FGV-SP.

Após mais de 80 di­as em ca­sa, po­rém, os ar­gen­ti­nos co­me­çam a dar mos­tras que es­tão can­sa­dos das re­gras de iso­la­men­to e pres­si­o­nam o go­ver­no por uma re­a­ber­tu­ra mais am­pla, se­gun­do Se­bas­tián To­bar, pes­qui­sa­dor de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais da Fi­o­cruz.

Des­de ter­ça (19) o país ba­te re­cor­des de no­vos ca­sos —fo­ram 648 só na quin­ta.

Pa­ra To­bar, as na­ções que têm con­se­gui­do con­ter a dis­se­mi­na­ção da Co­vid-19 pos­su­em re­a­li­da­des mui­to par­ti­cu­la­res. “Pa­ra­guai e Uru­guai são pe­que­nos, com po­pu­la­ções me­no­res do que a de al­guns es­ta­dos bra­si­lei­ros”, afir­ma.

Além dis­so, o Uru­guai tem a mai­or quan­ti­da­de de mé­di­cos em re­la­ção à po­pu­la­ção na Amé­ri­ca do Sul, se­gun­do a OMS; o Pa­ra­guai foi o pri­mei­ro país da re­gião a de­cre­tar o “lock­down” e a fe­char su­as fron­tei­ras, em 10 de mar­ço.

O Pe­ru ado­tou a qua­ren­te­na obri­ga­tó­ria cin­co di­as de­pois do Pa­ra­guai, mas não foi bem su­ce­di­do por­que car­re­ga pro­ble­mas an­te­ri­o­res.

“É um país que vem de uma cri­se po­lí­ti­ca, econô­mi­ca e so­ci­al, com um cor­te nos in­ves­ti­men­tos. A in­fra­es­tru­tu­ra de saú­de é mui­to bai­xa, o país to­do tem pou­co mais de 800 lei­tos de UTI. A taxa de lei­tos em UTI por 100 mil ha­bi­tan­tes é de 2,64”, diz o pes­qui­sa­dor.

Pa­ra efei­to de com­pa­ra­ção, o ín­di­ce do Bra­sil no que­si­to, em da­do de mar­ço, é 22, se­gun­do a As­so­ci­a­ção de Me­di­ci­na In­ten­si­va Bra­si­lei­ra. A OMS re­co­men­da que es­sa taxa es­te­ja en­tre 10 e 30.

O Chi­le não ado­tou um “lock­down” na­ci­o­nal, mas impôs a me­di­da, em 26 de mar­ço, em al­guns bair­ros de San­ti­a­go. Com um sal­to no nú­me­ro de ca­sos, 50 di­as de­pois am­pli­ou a re­gra pa­ra to­da a re­gião me­tro­po­li­ta­na da ca­pi­tal.

“As au­to­ri­da­des con­fi­a­ram que a si­tu­a­ção ti­nha me­lho­ra­do e fle­xi­bi­li­za­ram a qua­ren­te­na. Com is­so, o nú­me­ro de ca­sos au­men­tou, e o sistema de saú­de es­tá sa­tu­ra­do”, diz To­bar. Além dis­so, Piñe­ra tem en­fren­ta­do pro­tes­tos con­tra a fal­ta de tra­ba­lho e de co­mi­da.

Os atos cha­mam a aten­ção pa­ra a de­si­gual­da­de na re­gião, ou­tro pon­to que tem atra­pa­lha­do a res­pos­ta ao co­ro­na­ví­rus, se­gun­do Jo­an Cos­ta-Font, pro­fes­sor do de­par­ta­men­to de saú­de pública da Lon­don Scho­ol of Eco­no­mics.

“A pan­de­mia tem afe­ta­do os mais po­bres e as mi­no­ri­as ét­ni­cas de ma­nei­ra mais in­ten­sa”, diz. “En­quan­to in­di­ví­du­os ri­cos po­dem tra­ba­lhar de ca­sa ou per­ma­ne­cer em ca­sa, os mais po­bres não po­dem. E há ain­da a qu­es­tão da in­for­ma­li­da­de, gran­de na re­gião.”

Pa­ra Jar­bas Bar­bo­sa, sub­di­re­tor da Or­ga­ni­za­ção PanA­me­ri­ca­na da Saú­de, di­ver­sos as­pec­tos so­ci­ais di­fi­cul­tam que to­da a po­pu­la­ção la­ti­no-ame­ri­ca­na si­ga me­di­das de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al —o ní­vel de iso­la­men­to na re­gião tem fi­ca­do abai­xo do eu­ro­peu.

“A de­si­gual­da­de so­ci­al, o pe­so da eco­no­mia in­for­mal, a au­sên­cia de me­di­das efe­ti­vas de pro­te­ção so­ci­al pa­ra ali­vi­ar o im­pac­to econô­mi­co e so­ci­al po­dem ter con­tri­buí­do pa­ra a ade­são me­nor”, re­su­me ele.

bru­xe­las A Amé­ri­ca La­ti­na é o no­vo epi­cen­tro da pan­de­mia de co­ro­na­ví­rus e o Bra­sil é o país mais pre­o­cu­pan­te, dis­se nes­ta sex­ta (22), em en­tre­vis­ta pe­la in­ter­net, Mi­cha­el Ryan, di­re­tor-exe­cu­ti­vo da OMS (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de).

O país che­gou, nes­ta sex­ta, a qua­se 331 mil ca­sos e se tor­nou o se­gun­do com mais con­ta­mi­na­ções no mun­do.

Es­ti­ma­ti­vas tam­bém di­vul­ga­das nes­ta sex­ta pe­lo Im­pe­ri­al Col­le­ge in­di­cam que a trans­mis­são da do­en­ça con­ti­nua ace­le­ran­do no Bra­sil. A taxa de con­tá­gio (Rt), que in­di­ca pa­ra quan­tas pes­so­as em mé­dia ca­da in­fec­ta­do trans­mi­te o co­ro­na­ví­rus, foi cal­cu­la­da em 1,3 (quan­do es­tá aci­ma de 1, a trans­mis­são es­tá fo­ra de con­tro­le).

O cen­tro de epi­de­mi­o­lo­gia da uni­ver­si­da­de, re­fe­rên­cia no acom­pa­nha­men­to de do­en­ças trans­mis­sí­veis, cal­cu­la que 6.980 mor­tes ocor­ram nes­ta se­ma­na, va­ri­an­do de 5.850 a 8.070. O nú­me­ro es­ti­ma­do é o mai­or nú­me­ro en­tre os 54 paí­ses com trans­mis­são ati­va (ao me­nos cem mor­tes re­gis­tra­das des­de o co­me­ço da pan­de­mia e pe­lo me­nos dez mor­tes nas úl­ti­mas du­as se­ma­nas).

Em se­gun­do lu­gar es­tá o Rei­no Uni­do, com 2.400 mor­tes na se­ma­na, mas com uma taxa de con­tá­gio de 0,84, o que mos­tra a trans­mis­são sob con­tro­le. Os Es­ta­dos Uni­dos não en­tra­ram nes­ta edi­ção por­que fo­ram ob­je­to de um es­tu­do em se­pa­ra­do, com com­pa­ra­ções en­tre seus es­ta­dos.

So­bre o es­ta­do da pan­de­mia no Bra­sil, Mi­cha­el Ryan afir­mou que, em­bo­ra o mai­or nú­me­ro de ca­sos se­ja em São Pau­lo, a si­tu­a­ção mais sé­ria é a do Ama­zo­nas, “com uma taxa bem alta”, afir­mou. O es­ta­do tem o mai­or nú­me­ro de ca­sos em re­la­ção à po­pu­la­ção: 490 pes­so­as in­fec­ta­das por 100 mil ha­bi­tan­tes.

O di­re­tor-exe­cu­ti­vo men­ci­o­nou es­pon­ta­ne­a­men­te a apro­va­ção pe­lo Bra­sil do uso de clo­ro­qui­na pa­ra o tra­ta­men­to de Co­vid-19 e res­sal­tou que não há evi­dên­ci­as de que o me­di­ca­men­to se­ja efi­caz pa­ra com­ba­ter a do­en­ça. A OMS apoia o uso de clo­ro­qui­na ape­nas em es­tu­dos clí­ni­cos em hos­pi­tal, e sob acom­pa­nha­men­to mé­di­co.

Ain­da res­pon­den­do à per­gun­ta so­bre o Bra­sil, a lí­der téc­ni­ca da OMS, Ma­ria van Kerkho­ve, afir­mou que os paí­ses de­vem fi­car aten­tos pa­ra o fa­to de que há gru­pos vul­ne­rá­veis, com me­nos aces­so a tra­ta­men­tos de saú­de e me­nos in­for­ma­ções, e que go­ver­nos pre­ci­sam ga­ran­tir que to­dos pos­sam ser tes­ta­dos e tra­ta­dos ca­so es­te­jam con­ta­mi­na­dos pe­lo co­ro­na­ví­rus.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.