O que é ser fe­mi­ni­na?

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Mamãe Neura -

Re­cen­te­men­te al­mo­cei com um ami­go e, ao se des­pe­dir, ele me abra­çou e lan­çou: “A ma­ter­ni­da­de te dei­xou mais fe­mi­ni­na”. Se­gun­do ele, não fa­lar em di­nhei­ro, em pê­nis, em pro­je­tos, e so­bre­tu­do em in­tri­gas re­la­ci­o­na­das a di­nhei­ro, pê­nis e pro­je­tos, fi­ze­ram de mim, fi­nal­men­te, “uma mu­lher fe­mi­ni­na”.

Ape­nas pa­ra não acor­dar a be­bê sem­pre no meu co­lo, ad­qui­ri uma no­va voz. Mais len­ta, mais do­ce, mais bai­xa. Quem me te­le­fo­na sem­pre co­men­ta: “Nos­sa, que fe­mi­ni­na!”. Gen­te, se­rá que eu era um ma­no de re­ga­ta e ta­tu­a­gem do Co­rinthi­ans e até ho­je nun­ca me avi­sa­ram?

Co­mo es­tou de li­cen­ça ma­ter­ni­da­de (o que quer di­zer que, das 76 coi­sas que eu fa­zia, tô fa­zen­do só umas 27), aca­bei com uns gos­tos es­tra­nhos. En­quan­to mi­nha fi­lha dor­me, fi­co go­o­glan­do man­tas de so­fá no mais pu­ro al­go­dão, ta­pe­tes de ba­nhei­ro mui­to fel­pu­dos e com an­ti­der­ra­pan­tes, or­ga­ni­za­dor de mei­as pa­ra ga­ve­ta, mi­ni-hor­tas de tem­pe­ros or­gâ­ni­cos, uma re­cei­ta de bo­lo de ba­na­na sem açú­car e sem fa­ri­nha.

Pa­rei de se­guir a vi­da de ex-na­mo­ra­dos, de ten­tar ler três jor­nais por dia, de co­brar as pro­du­to­ras que me de­vem di­nhei­ro e co­me­cei a cur­tir os sto­ri­es de in­flu­en­cers que en­si­nam a do­brar cal­ci­nhas ade­qua­da­men­te. Sim, tá es­tra­nho.

Es­ses di­as eu ti­nha to­dos os mo­ti­vos pa­ra lar­gar uns se­te pa­la­vrões se­gui­dos pa­ra meu côn­ju­ge mas pen­sei “vou man­ter o equi­lí­brio da ca­sa di­zen­do ape­nas um mui­to de­li­ca­do ‘não gos­tei’ e se­guir com nos­sa vi­di­nha pois há coi­sas mais im­por­tan­tes e sé­ri­as a se con­si­de­rar pa­ra a de­vi­da ma­nu­ten­ção de uma fa­mí­lia”. So­cor­ro! Quem é es­sa pes­soa?

Tal­vez o fa­to de eu ter ge­ra­do uma me­ni­na te­nha me con­ta­mi­na­do de de­li­ca­de­zas.

Tal­vez mi­nha fi­lha (tor­ço pa­ra que fa­ça mais a li­nha sar­cás­ti­ca do que a “mo­ci­nha cor-de-ro­sa”) não te­nha na­da a ver com is­so. Tal­vez o amor ma­ter­no nos tor­ne me­lho­res e ser me­lhor é sem­pre mais fe­mi­ni­no. Tal­vez di­zer “is­so é fe­mi­ni­no, is­so não é” se­ja al­go bas­tan­te bes­ta e ma­chis­ta. Só há uma cer­te­za: to­das es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as têm si­do ma­ra­vi­lho­sas... Mas tam­bém dão uma sau­da­de da­na­da de ser mais mas­cu­li­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.