Ou­se uma uva

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Volta & Mesa -

Gos­to do Veloso pe­la co­xi­nha, pe­lo es­con­di­di­nho, pe­lo pas­tel e pe­la fei­jo­a­da ex­ce­len­te. Mas há um pra­zer adi­ci­o­nal em ir lá: é mui­to per­to de on­de mo­ro, pos­so ir an­dan­do, e mes­mo as­sim en­tro num mun­do di­fe­ren­te.

Aque­le lar­go em que es­tá si­tu­a­do tem um cli­ma to­tal­men­te pe­cu­li­ar. Não pa­re­ce fa­zer par­te da ci­da­de, há uma es­tra­nhe­za ur­ba­na po­si­ti­va ali. Pa­re­ce um ce­ná­rio, um pe­que­no tre­cho de ci­da­de in­te­ri­o­ra­na. Ra­ro es­pa­ço fo­ra da ca­ra ur­ba­na de São Pau­lo, um lu­gar pa­ra vi­a­jar sem ma­la e fi­car lá, sen­ta­do, ven­do e ava­li­an­do os pas­san­tes.

A uva que mais com­bi­na com as coxinhas e os pe­tis­cos é a ga­may. A uva dos be­au­jo­lais fran­ce­ses, que per­mi­te tin­tos le­ves, fá­ceis de be­ber e que de­vem ser to­ma­dos mais pa­ra o ge­la­do. São os vi­nhos com mais es­ti­lo de bis­trô, de não ter ri­tu­ais. E um boteco é um bis­trô, ou o con­trá­rio. Aque­le lu­gar em que se pas­sa com frequên­cia, pa­ra um drin­que e al­go pa­ra co­mer, lu­gar da con­vi­vên­cia des­con­traí­da e sem re­gras.

En­con­trei um par per­fei­to for­ma­do pe­lo es­con­di­di­nho de car­ne se­ca e um ga­may. Com coxinhas cre­mo­sas, eu até pre­fi­ro um bran­co. In­sis­to nos ri­es­lings, ape­sar de ri­es­ling nun­ca co­lar. As pes­so­as olham aque­las gar­ra­fas com­pri­das (for­ma­to que se cha­ma re­na­no) e pen­sam na res­sa­ca de Li­eb­frau­mil­ch que ti­ve­ram na ado­les­cên­cia. Uma pe­na, vou con­ti­nu­ar ten­tan­do em­pla­car um ri­es­ling bom na vi­da das pes­so­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.