VOL­TA&ME­SA

Não re­en­ga­ve­tem os vi­nhos, por Luiz Hor­ta

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - #374/Índice -

Ovi­nho es­tá so­fren­do no­vo “ata­que es­pe­cu­la­ti­vo”. Es­for­ço sem ori­gem pa­ra co­lo­cá-lo dis­tan­te das pes­so­as e qua­li­fi­cá­lo de eli­ti­za­do. Is­so me ir­ri­ta, não re­en­gra­va­tem o vi­nho. Re­pi­to sem­pre uma bre­ve his­tó­ria do con­su­mo de vi­nhos no Bra­sil dos úl­ti­mos 30 anos. No prin­cí­pio, não ha­via qua­se im­por­ta­ção, to­do mun­do be­bia mes­mo era uís­que e o vi­nho che­ga­va nas ma­las de quem vi­a­ja­va. Era guar­da­do até a fes­ta de ani­ver­sá­rio, ca­sa­men­to, ou o que fos­se “da­ta es­pe­ci­al”. Es­pe­ra­va tan­to tem­po que es­tra­ga­va.

Veio a fa­se de ou­ro da ofer­ta. A mais im­por­tan­te in­gle­sa da área, Jan­cis Ro­bin­son, quan­do vi­si­tou São Pau­lo 15 anos atrás, fi­cou bo­qui­a­ber­ta com o que ha­via dis­po­ní­vel por aqui. Vi­nhos ra­ros, vi­nhos de to­dos os paí­ses pro­du­to­res, sa­fras que ela nem ti­nha pro­va­do. E a ma­da­me é re­fe­ren­cia, mo­ra em Lon­dres e tem um gran­de nú­me­ro de se­gui­do­res pe­lo mun­do afo­ra —in­clu­si­ve o co­lu­nis­ta.

A pro­du­ção na­ci­o­nal se so­fis­ti­cou. Apa­re­ce­ram bons vi­nhos bra­si­lei­ros, os vi­zi­nhos tam­bém con­se­gui­ram re­sul­ta­dos mais in­te­res­san­tes que o mal­be­cão mui­to ma­du­ro e cheio de gos­to de car­va­lho, e tu­do pa­re­cia lin­do, era só cor­rer pa­ra o ti­lin­tar de ta­ças.

Mas o pro­ble­ma de um cer­to cons­tran­gi­men­to que te­mos di­an­te das uvas fer­men­ta­das ain­da du­ra­va. To­do mun­do be­be li­vre­men­te de tu­do, mas quan­do é vi­nho, sem­pre es­cu­to (e sem­pre mes­mo, uma vez por se­ma­na, no mí­ni­mo) al­guém di­zer: “olha, não en­ten­do na­da de vi­nho, mas gos­to des­te”. Se não en­ten­de mas gos­ta de um, en­ten­de. Es­co­lher já é en­ten­der.

Tra­tei do as­sun­to vá­ri­as ve­zes. Pe­gas com uma ta­ça de vi­nho na mão, as pes­so­as têm me­do de pas­sar ver­go­nha, sen­do que vi­nho é uma be­bi­da co­mo to­das as ou­tras, al­coó­li­ca, so­ci­al, pa­ra acom­pa­nhar co­mi­da, ou ale­grar a fes­ta. Po­de fi­car aber­to na ge­la­dei­ra e ser be­bi­do no so­fá en­quan­to se as­sis­te TV.

Se­pa­rar o mun­do é um há­bi­to hu­ma­no. Ca­da vez mais, es­ta­mos ros­nan­do pa­ra os ou­tros, não pre­ci­sa­mos mais des­te pon­to de di­ver­gên­cia. “Vi­nho é coi­sa de gen­te es­no­be, be­bo ca­cha­ça”. Tem ca­cha­ças so­fis­ti­ca­dís­si­mas na pro­du­ção. Ca­ras, ra­ras. E tem vi­nho sim­ples pa­ra be­ber com a bo­ca cheia de co­mi­da de boteco.

Fui ao Veloso e mais uma vez tes­tei al­gu­mas com­bi­na­ções. Uma vez es­ta­va com um ami­go cer­ve­jei­ro e ele me con­ven­ceu em ca­da mor­di­da que a cer­ve­ja ga­nha­va dos vi­nhos em to­dos os ace­pi­pes. Eu não tor­ço pa­ra um clu­be do vi­nho, dei­xei ele ga­nhar a par­ti­da de go­le­a­da e con­ti­nu­ei com a co­xi­nha e meu ga­may ge­la­di­nho. Não por par­ti­da­ris­mo, mas por es­co­lha. A cer­ve­ja da­va cer­to, o vi­nho tam­bém, as­sim co­mo a cai­pi­ri­nha e o re­fri­ge­ran­te. É sua se­de, e não sua apa­rên­cia, que con­ta. Vi­nho não é pa­ra com­bi­nar com a rou­pa, é só uma bi­ri­ta co­mo to­das as ou­tras.

PORÇÃO DE COXINHAS DO VELOSO BAR, NA VI­LA MARIANA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.