PROSA/PO­E­SIA

Di­as ca­ri­be­nhos, por Fa­brí­cio Cor­sa­let­ti

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Índice -

Há dois ou três me­ses, em São Se­bas­tião das Três Ore­lhas, Mi­nas Ge­rais, to­mei uma cer­ve­ja de Tau­ba­té cha­ma­da Los Días (sem acen­to, mas vou acen­tu­ar pra não cri­ar ca­so com meu edi­tor). Uma APA (ame­ri­can pa­le ale) de­li­ci­o­sa e, gra­ças a Deus, pou­co per­fu­ma­da. (No mun­do das cer­ve­jas ar­te­sa­nais, às ve­zes sur­gem uns ró­tu­los tão per­fu­ma­dos que, quan­do os ex­pe­ri­men­to, te­nho a an­gus­ti­an­te im­pres­são de que meu al­co­o­lis­mo se an­te­ci­pou em du­as dé­ca­das e já es­tou ma­man­do es­con­di­do o J’ado­re Di­or da mi­nha mu­lher.)

De­li­ci­o­sa e pou­co per­fu­ma­da, di­zia, mas gos­tei mes­mo foi do no­me, Los Días, im­pres­so em pre­to con­tra um fun­do ro­sa na gar­ra­fa bai­xa e bo­ju­da de 600 ml. Los Días, Los Días, mur­mu­ra­va lou­co­man­sa­men­te... e los días pas­sa­vam na mi­nha ima­gi­na­ção —cor­ta­dos por ven­tos co­mo to­da aven­tu­ra. Areia bran­ca e mar ver­de-es­me­ral­da. Ru­as es­trei­tas com bares es­con­di­dos. Mes­cal e rum. Trom­pe­tes e tam­bo­res. Lua de os­so e estrelas en­char­ca­das.

Nun­ca pen­sei que fos­se me apai­xo­nar por uma ca­mi­sa.

Co­nhe­cer nu­es­tros her­ma­nos e fa­lar mal do Bra­sil. Sen­tir saudade de Luiz Gon­za­ga e can­tar bai­xi­nho a le­tra de Zé Dan­tas: “pra ver o meu bre­ji­nho, fa­zer uma ca­ça­da, ver as pe­gá de boi, an­dar nas va­que­ja­da, dor­mir ao som do cho­ca­lho e acor­dar com a pas­sa­ra­da, sem rá­dio e sem no­tí­cia das terra ci­vi­li­za­da”. Pas­sar o res­to da vi­a­gem com “Ri­a­cho do Na­vio” na cabeça.

À tar­de, no ho­tel, dei­xar en­tre­a­ber­ta a por­ta do bal­cão. Uma jar­ra de água. A to­a­lha de ba­nho. A de­lí­cia de en­trar no chu­vei­ro sem cul­pa. Re­ler um po­e­ma de Gar­cía Lor­ca an­tes de en­ca­rar al­gum ro­man­ce con­tem­po­râ­neo so­bre a di­fi­cul­da­de de se cons­truir um re­la­ci­o­na­men­to ho­lis­ti­ca­men­te ver­da­dei­ro nu­ma co­le­ti­vi­da­de pá­tria ma­ni­pu­la­da por gê­ni­os da psi­co­lo­gia pet em no­vas re­des uber-so­ci­ais can­ce­ru­ma­nas. Cu­ma?

— Su­per cáp­su­la pré-ma­tu­ra­da, com des­ca­be­la­men­to à di­rei­ta —di­ria o per­so­na­gem de Ma­rio Mo­ni­cel­li.

Fe­cho o li­vro e po­nho a mão na co­xa quen­te da mi­nha mu­lher. Ou­ço os ruí­dos da ci­da­de lá fo­ra. E dei­xo que a bri­sa ca­ri­be­nha tra­ga tu­do o que vi­ve per­to de mim pra jun­to do fo­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.