MA­MÃE NEURA

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Índice -

Uma gran­de aven­tu­ra co­ti­di­a­na, por Ta­ti Ber­nar­di

Há me­ses eu pro­te­la­va o que vi­ria a ser a mai­or aven­tu­ra do ano. É pre­ci­so co­ra­gem, pre­pa­ro fí­si­co e equi­lí­brio men­tal. Es­ta­ria pre­pa­ra­da? A prin­cí­pio meu ma­ri­do achou ar­ris­ca­do. Po­rém, gran­de par­cei­ro que é, sou­be ler nas pro­fun­de­zas de meu olhar can­sa­do o quan­to pre­ci­sa­va da­que­la adre­na­li­na pa­ra me sen­tir vi­va no­va­men­te. “Vai, sim” —ele dis­se, qua­se se ar­re­pen­den­do, qua­se im­plo­ran­do pa­ra que eu fi­cas­se, mas me apoi­an­do ape­sar de tu­do.

De­se­nha­mos to­da a es­tra­té­gia que me da­ria a pos­si­bi­li­da­de, tal­vez ín­fi­ma, qui­çá re­mo­ta, de vi­ven­ci­ar a mai­or aven­tu­ra do ano. Pe­dro des­mar­cou com­pro­mis­sos e tra­ba­lha­ria em ca­sa na­que­la tar­de. Dei­xei mi­nha mãe de so­bre­a­vi­so: se a coi­sa com­pli­cas­se, ela se­ria aci­o­na­da.

Or­de­nhei as­sim que ama­nhe­ceu e guar­dei uma quantidade ge­ne­ro­sa de lei­te na ge­la­dei­ra. Abra­cei mi­nha fi­lha bem for­te e fa­lei em sua mi­cro e ma­ra­vi­lho­sa ore­lhi­nha: vo­cê é a mi­nha mai­or aven­tu­ra da vi­da, mas es­sa se­rá a mi­nha mai­or aven­tu­ra do ano! Tor­ça pe­la ma­mãe!

Du­ran­te o ba­nho pen­sei em de­sis­tir. Te­nho fi­lha pe­que­na, não pos­so me au­sen­tar des­sa for­ma ir­res­pon­sá­vel. A mai­or aven­tu­ra do ano po­de­ria es­pe­rar mais al­gu­mas se­ma­nas, ou até me­ses… Não!

Eu iria! Nun­ca fui mu­lher de de­sis­tir de um so­nho. De fra­que­jar di­an­te de um de­sa­fio, por mai­or que ele fos­se. Saí do ba­nho re­so­lu­ta. Im­pá­vi­da. Nem se­quei o ca­be­lo. Co­lo­quei uma rou­pa prá­ti­ca e con­for­tá­vel, a des­tre­za con­ta mui­tos pon­tos quan­do se tem ta­ma­nha em­prei­ta­da pe­la fren­te. Amar­rei os tê­nis com a pron­ti­dão com­pe­ne­tra­da (e a es­tu­pi­dez) de qu­em cor­re às cin­co ho­ras nu­ma fria ma­nhã de chu­va.

Po­dia ou­vir o gri­to da tor­ci­da eco­an­do por Per­di­zes: “Vai com tu­do, guer­rei­ra!”. Da ja­ne­la do meu car­ro, via as pes­so­as me sau­da­rem com o V da vi­tó­ria e com ges­tos de co­ra­ção. Ge­ra­ções mais ve­lhas e mais no­vas do que eu vi­bra­vam, cha­co­a­lha­vam pom­pons, le­van­ta­vam car­ta­zes com o meu ros­to es­tam­pa­do acom­pa­nha­do de di­ze­res co­mo “Es­sa é fe­ra!” e “Yes, she can!”.

Sim! Eu po­dia! Eu fui! Che­guei oi­to mi­nu­tos atra­sa­da à ma­ni­cu­re, mas deu tem­po até de fa­zer os pés.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.