TE­A­TRO

Gra­zi­el­la Mo­ret­to e Pe­dro Cardoso ocu­pam Te­a­tro Mo­rum­biShop­ping com co­mé­dia, im­pro­vi­so e in­fan­til iné­di­to

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Índice - Fa­bi­a­na Se­ra­gu­sa

Há três anos mo­ran­do em Por­tu­gal, o ca­sal Gra­zi­el­la Mo­ret­to e Pe­dro Cardoso vol­ta a São Pau­lo pa­ra uma tem­po­ra­da de dois me­ses no Te­a­tro Mo­rum­biShop­ping. É a pri­mei­ra vez que eles en­tram em car­taz com três es­pe­tá­cu­los jun­tos. A ma­ra­to­na co­me­ça no dia 27, com a co­mé­dia “O Au­to­fa­lan­te”, e se­gue com o im­pro­vi­so “Uã­nuêi” e a mon­ta­gem in­fan­til “Nem Sim Nem Não”.

“Não po­de­mos ne­gar que a nos­sa pe­que­na obra já for­ma um cer­to con­jun­to e, tal­vez, pa­ra qu­em te­nha in­te­res­se, pos­sa ser cu­ri­o­so ten­tar per­ce­ber o que há de co­mum ne­la”, diz Pe­dro, já apon­tan­do um ca­mi­nho pa­ra a res­pos­ta. “Di­ría­mos, com al­gu­ma in­se­gu­ran­ça, que a nos­sa pro­du­ção tem re­fle­ti­do so­bre a ação que o se­xis­mo exer­ce so­bre as es­tru­tu­ras so­ci­ais —e a bai­xa com­pre­en­são com que ela é per­ce­bi­da.”

Apre­sen­ta­do três ve­zes por se­ma­na, “O Au­to­fa­lan­te”, es­cri­to pe­lo ator em 1990, é um mo­nó­lo­go so­bre co­mo a fal­ta de tra­ba­lho po­de des­nor­te­ar uma pes­soa. “É im­pos­sí­vel al­guém se com­pre­en­der no de­sem­pre­go por­que ele não faz ne­nhum sen­ti­do pa­ra o ser hu­ma­no”, afir­ma o ar­tis­ta. “O que o faz exis­tir é a ga­nân­cia da­que­les que con­si­de­ram o ca­pi­tal mais va­li­o­so do que o tra­ba­lho.”

Já no im­pre­vi­sí­vel “Uã­nuêi”, a du­pla so­be ao pal­co pa­ra cri­ar his­tó­ri­as a par­tir de su­ges­tões da pla­teia —e, na se­gun­da par­te, de te­mas de­fi­ni­dos por eles pró­pri­os. É uma for­ma de ex­pe­ri­men­tar téc­ni­cas de im­pro­vi­so e abor­dar ques­tões atu­ais de for­ma cô­mi­ca e in­te­li­gen­te.

O “plus” fi­ca por con­ta do iné­di­to “Nem Sim Nem Não”, pri­mei­ra pe­ça in­fan­til es­cri­ta por Gra­zi­el­la e Pe­dro, na qu­al as­sun­tos co­mo to­le­rân­cia, au­to­ri­da­de e au­to­es­ti­ma en­tram em ce­na. “Es­ta­mos em cons­tan­te bus­ca do acon­te­ci­men­to que con­gre­ga, e nes­sa pers­pec­ti­va achá­va­mos que fal­ta­va em nos­sa obra uma opor­tu­ni­da­de de reu­nir to­da a fa­mí­lia em tor­no des­se te­a­tro fes­ti­vo que pre­ten­de­mos”, ex­pli­ca a atriz.

“Que­ría­mos fa­zer um es­pe­tá­cu­lo em que os pais pu­des­sem ir com os fi­lhos por­que, pa­ra mui­tos de­les, nós in­clu­sos, a vi­da é bas­tan­te vi­vi­da no ei­xo ca­sa-tra­ba­lho”, diz Gra­zi­el­la. “So­bra pou­co tem­po, di­nhei­ro e ener­gia pa­ra fa­zer ou­tros pro­gra­mas além dos que fa­ze­mos pa­ra en­tre­ter os pe­que­nos.”

Gra­zi­el­la Mo­ret­to e Pe­dro Cardoso no im­pro­vi­so “Uã­nuêi”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.