Ge­le­ca ca­sei­ra

Ge­le­ca ca­sei­ra vi­ra fe­bre en­tre cri­an­ças, mas po­de tra­zer ris­cos à saú­de

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - #383 Índice -

Bru­no Mo­li­ne­ro tex­to Ga­bri­el Ca­bral fotos As mãos es­ti­cam, pu­xam, aper­tam, es­ten­dem e des­do­bram a mas­sa gru­den­ta. Co­mo se es­ti­ves­se fa­zen­do pão ou dan­do li­ga a um chi­cle­te gi­gan­te, Rapha­e­la Me­di­na vê lo­go ga­nhar for­ma o brin­que­do que vi­rou fe­bre na in­ter­net e nas es­co­las: a meleca ca­sei­ra co­nhe­ci­da co­mo amo­e­ba ou sli­me.

Bas­ta pro­cu­rar no YouTu­be ou no Ins­ta­gram pa­ra que re­cei­tas gru­dem na te­la, en­si­nem a fa­bri­car a gos­ma e mos­trem co­mo per­so­na­li­zá-la com co­ran­tes ou glit­ter. De­pois, é só brin­car de es­ti­car a mas­sa co­mo se não hou­ves­se ama­nhã. “E ven­der pa­ra os ami­gos”, diz Rapha­e­la, que co­mer­ci­a­li­za o pro­du­to no co­lé­gio por va­lo­res de R$ 5 a R$ 15, de­pen­den­do do ta­ma­nho, da con­sis­tên­cia e dos bri­lhos.

Mas, co­mo já não exis­te bo­bo no mun­do dos sli­mes, mui­tos cli­en­tes tam­bém apren­de­ram a fa­zer o pro­du­to. Se no ano pas­sa­do a me­ni­na de dez anos che­gou a ven­der oi­to ge­le­cas em um dia, ho­je são du­as por se­ma­na.

In­de­pen­den­te­men­te da fór­mu­la, dois in­gre­di­en­tes se re­pe­tem: co­la bran­ca e água bo­ri­ca­da. Al­gu­mas le­vam ain­da bó­rax, com­pos­to quí­mi­co usa­do co­mo in­se­ti­ci­da —o ca­nal Ma­nu­al do Mun­do, com mais de 10 mi­lhões de ins­cri­tos no YouTu­be, en­si­na afa­zer o brin­que­do co­mes­se in­gre­di­en­te, por exem­plo.

A So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Pe­di­a­tria, po­rém, aler­ta pa­ra ris­cos. Se­gun­do Car­los Au­gus­to Mello da Sil­va, pre­si­den­te do De­par­ta­men­to de To­xi­co­lo­gia da en­ti­da­de, o ma­nu­seio do bó­rax po­de ge­rar in­to­xi­ca­ção. O mes­mo va­le pa­ra a água bo­ri­ca­da. “O uso por cri­an­ças po­de ter efei­tos im­pre­vi­sí­veis”, afir­ma.

Pa­ra dri­bla­ra proi­bi­ção dos pais a es­ses com­po­nen­tes, os ir­mãos Le­o­nar­do, 7, e Le­tí­cia Pel­le­gri­ni, 3, usam uma receita com fa­ri­nha de tri­go, sal, água e óleo. Sem co­la e com­pos­tos quí­mi­cos, o sli­me fi­ca com con­sis­tên­cia de mas­si­nha. “Não é gru­den­to, mas dá pa­ra cri­ar bi­chos e pai­sa­gens”, con­ta Le­o­nar­do.

Ou­tra so­lu­ção é ape­lar pa­ra ge­le­cas co­mes­tí­veis (ve­ja ao la­do) —um bom jei­to de brin­car co­ma co­mi­das em ou­vir re­cla­ma­ções.

Rapha­e­la Me­di­na, 10, pro­duz em ca­sa seu pró­prio ‘sli­me’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.