Po­e­ma do ta­pe­te, por Fa­brí­cio Cor­sa­let­ti

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Índice -

Não sei por quê, mas sou fas­ci­na­do por ta­pe­tes. Des­ses gran­des de bo­tar na sa­la, per­sas ou fal­sa­men­te per­sas, com mo­ti­vos in­trin­ca­dos que a gen­te nun­ca de­ci­fra. Ro­sá­ce­as pro­pa­gan­do ga­lhos re­tor­ci­dos de flo­res que se trans­for­mam em ar­cos que qua­se en­cos­tam em fai­xas com ris­cos de fós­fo­ros fo­ci­nhos de fe­li­nos.

Quan­do era cri­an­ça eu me ir­ri­ta­va com a re­pe­ti­ção dos pa­drões. De fa­to, eles são hip­nó­ti­cos, e po­dem se apo­de­rar do nos­so olhar co­mo uma mú­si­ca cha­ta que in­va­de o nos­so ou­vi­do. Mas ago­ra eu não li­go de per­der o con­tro­le. Fi­co um bom tem­po olhan­do os ta­pe­tes que en­con­tro por aí.

Não te­nho ta­pe­te em ca­sa. Sou mui­to alér­gi­co a po­ei­ra e pre­gui­ço­so de­mais pra usar o as­pi­ra­dor. Vou ao ani­ver­sá­rio de Maí­ra, e en­quan­to se fa­la de po­lí­ti­ca e ar­tes plás­ti­cas, abai­xo os olhos e me dei­xo le­var pe­las co­res e for­mas do seu ta­pe­te. Che­ga a ser meio alu­ci­nó­ge­no.

Uma vez pas­sei ho­ras con­ver­san­do com uma edi­to­ra de li­vros em pé em ci­ma de um ta­pe­te com bor­das que pa­re­ci­am ri­pas de ma­dei­ra en­ta­lha­das (ja­ne­la no­va, pen­te­a­dei­ra an­ti­ga) en­vol­ven­do um cír­cu­lo fel­pu­do de lã azul-tur­que­sa —flo­cos pre­tos cin­ti­lan­tes. Foi co­mo pi­sar no ma­pa de ou­tro mun­do. La­men­tei es­tar no ân­gu­lo er­ra­do pra cru­zar o por­tal.

Ago­ra lem­brei do ta­pe­te de Le­bows­ki, o pro­ta­go­nis­ta do fil­me dos ir­mãos Co­en. The Du­de o usa­va co­mo se fos­se uma re­de. Dei­ta­va no seu “rug” es­ten­di­do no cen­tro da sa­la, acen­dia um ba­se­a­do e ima­gi­na­va uma vi­da me­lhor: vo­an­do pelo céu sem he­roís­mo, ou­vin­do Dy­lan en­tre as es­tre­las.

Co­nhe­ço uma pes­soa que re­for­mou o apar­ta­men­to in­tei­ro, tro­cou to­dos os mó­veis, ta­lhe­res e rou­pas de ca­ma; man­te- ve ape­nas um ve­lho ta­pe­te ver­me­lho des­bo­ta­do, mas que es­ta­va com ela no pi­or mo­men­to da sua vi­da. Um ta­pe­te de con­fi­an­ça. Um ta­pe­te sen­ti­men­tal.

Se eu fos­se um sul­tão de mil anos atrás, ia que­rer só du­as coi­sas: ca­va­los e ta­pe­tes. Ca­va­los ára­bes, os mais re­sis­ten­tes, de tra­ços mais de­li­ca­dos —com um ra­bo que em­pi­na e tre­mu­la no ar fei­to ban­dei­ra no mo­men­to em que o ani­mal co­me­ça a ga­lo­par. E ta­pe­tes na areia, sob as ten­das do de­ser­to. (Não cur­to dan­ça do ven­tre, em­bo­ra apre­cie dan­ças e ven­tres.)

Nem oca, nem cas­te­lo, nem ca­ba­na. Ta­pe­tes. Ta­pe­tes e to­a­lhas, to­a­lhas e co­ber­tas —te­ci­dos de se­da pu­ra. Con­tra a as­pe­re­za da re­a­li­da­de que es­fo­la e sem a ilu­são de se pro­te­ger do fim. Alí­vio e vul­ne­ra­bi­li­da­de. Ta­pe­tes, olhos e ca­be­los. E cor­pos, que se en­ten­dem sem ra­zão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.