O par­to pos­sí­vel

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Mamãe Neura -

Che­guei ao hos­pi­tal acom­pa­nha­da de du­as vo­zes den­tro da mi­nha ca­be­ça. Uma ape­li­dei ca­ri­nho­sa­men­te de Açou­guei­ra Lou­ca do Mal; a ou­tra, por sua vez, al­cu­nhei ca­lo­ro­sa­men­te de Hip­pie Cha­to­la da Vi­la Ma­da­le­na. A pri­mei­ra in­sis­tia em re­sol­ver lo­go aque­le per­ren­gue (e per­se­ve­ra­va, tam­bém, nos vo­ca­ti­vos irô­ni­cos). Vo­cê es­tá com dor há dois di­as, ga­ta. Quem não di­la­tou em 48 ho­ras sen­tin­do con­tra­ções não di­la­ta mais, meu an­jo. Pra que pas­sar por is­so em ple­no 2018, chu­chu? Man­da cor­tar es­sa bar­ri­ga e aca­bar com es­se so­fri­men­to de uma vez, amo­re.

Oi, co­ra­ção, per­to da sua casa tem um shop­ping, não um rio (e vo­cê pre­fe­re o pri­mei­ro!). A úl­ti­ma vez que me­di­tou, vo­cê pas­sou dois di­as to­man­do Tra­mal pra dor nas cos­tas, be­bê. Vo­cê pre­fe­re Ri­vo­tril a in­cen­so, co­le­ga. Vo­cê ado­ra tra­ba­lhar, vo­cê ama di­nhei­ro, vo­cê tá lou­ca pra ne­go­ci­ar aque­le ro­tei­ro e en­fi­ar a fa­ca no pro­du­tor, meu bem.

Por fa­lar em en­fi­ar a fa­ca, que tal re­sol­ver is­so lo­go? Se es­sa dou­la vi­er mais uma vez com a bo­la de pi­la­tes e te man­dar ter pa­ci­ên­cia, vo­cê en­ros­ca a “man­guei­ri­nha” da oci­to­ci­na na gar­gan­ta de­la, com­bi­na­do? Mais uma car­di­o­to­co ou um exa­me de to­que e vo­cê que­bra o hos­pi­tal in­tei­ro, formô? Va­mos pu­lar lo­go pra de­pres­são pós-par­to, por­que o tem­po ur­ge. Lem­bra do Ca­e­ta­no, de quem vo­cê tan­to gos­ta: pra que ri­mar amor e dor? AGO­RA!

Do­ce, mas fir­me, a ou­tra voz se so­bre­pu­nha: res­pi­re! Seu cor­po es­tá te con­vi­dan­do para uma aven­tu­ra ma­ra­vi­lho­sa. Sua ne­ném me­re­ce nas­cer pe­las mãos da sá­bia na­tu­re­za. Vo­cê não é uma má­qui­na de re­sol­ver pro­ble­mas, vo­cê é uma ben­ção di­vi­na. Não con­tro­le, não te­ma, ape­nas acei­te es­se mo­men­to má­gi­co e abra­ce o mi­la­gre da vi­da.

Se a dou­la vi­er mais uma vez com a bo­la de pi­la­tes, mes­mo vo­cê ge­men­do que não aguen­ta mais, se­ja gra­ta. Se o des­maio es­ti­ver che­gan­do, se­ja gra­ta. A con­tra­ção ago­ra vem de mi­nu­to em mi­nu­to e vo­cê não sa­be se ca­ga, vo­mi­ta ou so­ca a ca­ra do seu ma­ri­do. Se­ja gra­ta. Se vo­cê é boa mãe e ama a sua fi­lha, vo­cê vai con­se­guir!

Por fim (e quan­do ba­ti­zei a si­tu­a­ção afe­tu­o­sa­men­te de “fo­deu mui­to”), man­dei as du­as vo­zes à mer­da e de­ci­di que era a ho­ra da anes­te­sia. Era a ho­ra da ce­sá­rea. A obs­te­tra con­cor­dou —acho que até Bu­da con­cor­dou. Não exis­te o par­to per­fei­to, mas o par­to pos­sí­vel. Ben­di­ta ce­sá­rea quan­do ne­ces­sá­ria. Sou boa mãe pra ca­ce­te, que­ri­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.