Mães de es­quer­da

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Mamãe Neura -

Se fos­se só lam­bu­zar as as­sa­du­ras do be­bê com uma pa­pa de mai­se­na or­gâ­ni­ca ou me­ter um co­lar de âm­bar em to­dos os hu­ma­nos que ou­sam pas­sar pe­la por­ta do quar­ti­nho do sa­gra­do re­ben­to, es­ta­ria tu­do bem. Se fos­se só se achar me­lhor do que as ou­tras mães por­que pa­riu na pis­ci­na de brin­que­do do fi­lho mais ve­lho, vá lá. Se a lou­cu­ra sig­ni­fi­ca se iso­lar num sí­tio sem te­le­vi­so­res nem ce­lu­la­res, su­pon­do que seus her­dei­ros se­rão in­fi­ni­ta­men­te mais fe­li­zes e pre­pa­ra­dos pa­ra a re­a­li­da­de do que as ou­tras cri­an­ças do mun­do, pos­so até acre­di­tar e ain­da ba­ter pal­mas.

Mas não, o gran­de ba­ra­to de­las é me­ter o de­do com cu­tí­cu­la mal­fei­ta na sua ca­ra. São pe­que­nas sar­gen­tas, mar­chan­do sem dó sob o co­ra­ção de mães nor­mais e in­fi­ni­ta­men­te cul­pa­das. Com to­da a ra­zão, mi­li­tam con­tra man­da­dos opres­so­res, mas —que in­con­gruên­cia!— as ve­jo qua­se sem­pre far­da­das com su­as rou­pas de al­go­dão na­tu­ral co­lo­ri­do, ar­ma­das com dis­cur­sos pron­tos so­bre o que é o par­to cor­re­to, a ama­men­ta­ção ide­al, o amor ma­ter­no de ver­da­de. Acham que te­nho tem­po (ou sa­co) de la­var fral­da de pa­no e, ca­so eu não te­nha, que ar­ru­me!

Le­gal é não ter ba­bá e fa­zer tu­do pa­ra a sua cria! Le­gal é abrir mão das ma­ra­vi­lhas que o mal­di­to di­nhei­ro po­de com­prar (atra­vés de um no­ci­vo em­pre­go ca­pi­ta­lis­ta) e plan­tar ba­na­na no quin­tal de ca­sa e/ou ba­na­nei­ra na au­la de io­ga!

O cer­to é ama­men­tar 56 ve­zes por dia e, na hi­pó­te­se de a lac­tan­te sen­tir que vai dar uma pe­que­na fa­le­ci­da, é de­vi­do des­mai­ar com o ma­mi­lo pa­ra fo­ra, de mo­do que fa­ci­li­te o aces­so do be­bê ao cor­po iner­te da mãe per­fei­ta. São “an­ti” an­ti­de­pres­si­vo, an­ti-in­fla­ma­tó­rio, an­ti­fún­gi­co e o

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.