VIAJA TRANCOSO

Ho­tel em Trancoso faz tu­ris­ta se sen­tir em ca­si­nha de pes­ca­dor, mas sem abrir mão do ar-con­di­ci­o­na­do e do ser­vi­ço de con­ci­er­ge

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - #392 Índice - Bru­no Mo­li­ne­ro tex­to

Ho­tel faz tu­ris­ta se sen­tir em ca­si­nha de pes­ca­dor

Era uma chu­va da­que­las. O Qu­a­dra­do, pra­ça em Trancoso (BA) on­de se con­cen­tram pou­sa­das, res­tau­ran­tes ba­da­la­dos e tu­ris­tas do mun­do to­do, era to­ma­do por po­ça atrás de po­ça. O ven­to che­ga­va a en­tor­tar as ár­vo­res, e o ba­ru­lho do mar re­vol­to eco­a­va pe­las ca­si­nhas co­lo­ri­das.

Cor­ria o início dos anos 2000 e, pa­ra se pro­te­ger do to­ró, o ho­lan­dês Wil­bert Das es­co­lheu um dos ba­res que abri­ga­vam mo­ra­do­res e vi­si­tan­tes em bus­ca de cer­ve­ja ge­la­da. En­quan­to ten­ta­va acen­der um ci­gar­ro úmi­do pa­ra aguar­dar o agua­cei­ro, no­tou que um ca­va­lo tam­bém ti­nha en­tra­do no bo­te­co. “Ele fi­cou pa­ra­do, e as pes­so­as agi­am co­mo se fos­se só mais um dia. Acho que nin­guém per­ce­beu”, con­ta, em português com so­ta­que car­re­ga­do. Foi nes­se mo­men­to que ele se apai­xo­nou ain­da mais pe­la re­gião e de­ci­diu que não que­ria vol­tar.

Res­pon­sá­vel na­que­la épo­ca por to­da a par­te cri­a­ti­va da Di­e­sel e um dos lí­de­res da mar­ca glo­bal, Wil­bert lar­gou pou­co de­pois o nor­te da Itá­lia e uma car­rei­ra in­ter­na­ci­o­nal de 21 anos no mun­do da mo­da e do de­sign pa­ra ves­tir ber­mu­da e chi­ne­lo no sul da Bahia. Lo­go com­prou uma ca­sa no Qu­a­dra­do e, após co­nhe­cer a his­tó­ria e os ar­te­sãos da re­gião, inau­gu­rou em 2009 o Uxua —”ma­ra­vi­lho­so” na lín­gua dos ín­di­os pa­ta­xós e ho­je um pre­mi­a­do ho­tel de lu­xo.

Na con­tra­mão do con­su­mo pas­teu­ri­za­do, o lu­gar ten­ta es­ca­po­lir da mú­si­ca ins­tru­men­tal de ele­va­dor, da fi­la do self-ser­vi­ce com ome­le­te e sal­si­cha no ca­fé da ma­nhã e das de­co­ra­ções cle­ans que po­vo­am hos­pe­da­gens de São Pau­lo a Du­bai, de No­va York a Pe­quim. A ideia é ofe­re­cer aos tu­ris­tas a sen­sa­ção de dor­mir em uma ca­si­nha de pes­ca­dor ou em um alo­ja­men­to dos bi­ri­ban­dos —co­mo os hip­pi­es que che­ga­ram àque­la re­gião ain­da iso­la­da nos anos 1970 e 1980 eram cha­ma­dos pe­lo na­ti­vos. Só que, é cla­ro, com ar-con­di­ci­o­na­do, pis­ci­na e sem abrir mão de mi­mos e do ser­vi­ço de con­ci­er­ge.

A ta­pi­o­ca ou a mo­que­ca bai­a­na re­ce­bem o to­que de chefs e in­gre­di­en­tes or­gâ­ni­cos. O jei­to sos­se­ga­do da re­gião é cos­tu­ra­do a con­cei­tos de sus­ten­ta­bi­li­da­de. Mo­rin­gas fa­zem as ve­zes de cú­pu­las pa­ra lâm­pa­das que pen­dem do te­to. Co­ca­res or­nam as pa­re­des e re­me­tem aos pa­ta­xós, que vi­vem ali per­to. A al­mes­ca, ár­vo­re tí­pi­ca do sul da Bahia, vi­ra ma­té­ria-pri­ma pa­ra pro­du­tos do spa. Ci­pós, cas­cas de ár­vo­res, ma­pas an­ti­gos e até um os­so de ba­leia for­mam ob­je­tos que aju­dam a cri­ar o ar al­ter­na­ti­vo-chi­que do es­pa­ço.

O cres­ci­men­to do ho­tel coin­ci­de com a pró­pria consolidação do tu­ris­mo de lu­xo em Trancoso. A Vir­tu­o­so, re­de glo­bal de agên­ci­as e ex­pe­ri­ên­ci­as do se­tor, ele­geu no ano pas­sa­do o des­ti­no co­mo o prin­ci­pal point de fim de ano no Bra­sil. No­mes co­mo Ney­mar, Ka­te Moss, Beyon­cé e Will Smith re­cen­te­men­te de­ram as ca­ras na vi­la, que ofi­ci­al­men­te per­ten­ce à ci­da­de de Por­to Se­gu­ro.

Ho­je, o Qu­a­dra­do abri­ga lo­jas co­mo Os­klen, Lenny Ni­e­meyer e Car­mim. Res­tau­ran­tes vão do Ca­pim San­to ao Ma­ri­ta­ca. Uma uni­da­de do Fa­sa­no as­si­na­da pe­lo ar­qui­te­to Isay Wein­feld de­ve ser inau­gu­ra­da no ano que vem. E não é ra­ro en­con­trar diá­ri­as que ul­tra­pas­sam os R$ 1.500.

No Uxua, as ta­ri­fas vão de R$ 1.600 a R$ 5.200 por dia. Co­mo par­te da ini­ci­a­ti­va de fa­zer os hós­pe­des mer­gu­lha­rem na cul­tu­ra lo­cal, uma sé­rie de ati­vi­da­des ex­tras po­de ser acres­ci­das a es­se va­lor. Au­las de ca­po­ei­ra cus­tam R$ 150. O ca­sal que qui­ser dan­çar for­ró de­sem­bol­sa R$ 300 pe­la au­la. Um pu­lo na praia do Es­pe­lho, dis­tan­te 25 km por ter­ra, sai por R$ 1.000, pa­ra du­as pes­so­as. Ne­nhum dos preços inclui os 10% de ta­xa de ser­vi­ço.

Além dis­so, o si­te uxu­a­ca­sa.com co­mer­ci­a­li­za itens do ho­tel —um ban­qui­nho com mo­ti­vos in­dí­ge­nas é ven­di­do por R$ 1.500, en­quan­to um lus­tre fei­to a par­tir de ga­lho de ár­vo­re sai R$ 2.200. Pa­ra cri­ar os ob­je­tos, há um ate­liê on­de tra­ba­lham ar­te­sãos lo­cais e de­sig­ners de to­da par­te, que po­dem fa­zer re­si­dên­ci­as ar­tís­ti­cas por ali. Tu­do co­or­de­na­do por Wil­bert, que se­gue pro­je­tan­do, re­for­man­do e ga­rim­pan­do an­tiquá­ri­os.

Os va­lo­res co­bra­dos têm um re­fle­xo ime­di­a­to, so­bre­tu­do em épo­cas de crise econô­mi­ca: 65% dos hós­pe­des atu­al­men­te são es­tran­gei­ros. Qu­an­do a são­pau­lo vi­si­tou o ho­tel, o re­pór­ter e a fo­tó­gra­fa eram os úni­cos que fa­la­vam português no ca­fé da ma­nhã.

Al­guns des­ses tu­ris­tas in­ter­na­ci­o­nais se­guem os pas­sos de Wil­bert e bus­cam ca­sas de ve­ra­neio no Qu­a­dra­do. Ho­je, além das 11 hos­pe­da­gens, o Uxua ad­mi­nis­tra se­te re­si­dên­ci­as par­ti­cu­la­res. A re­for­ma é fei­ta pe­la em­pre­sa, que dis­po­ni­bi­li­za os es­pa­ços na au­sên­cia dos pro­pri­e­tá­ri­os. Uma de­las é a de An­der­son Co­o­per, da CNN ame­ri­ca­na.

“Nos­sos cli­en­tes es­tão nos me­lho­res des­ti­nos. Mal­di­vas, Ca­ri­be, Saint-Tro­pez. Qu­e­re­mos atrair pes­so­as dis­pos­tas a pa­gar o jus­to por uma ex­pe­ri­ên­cia lo­cal”, diz o ame­ri­ca­no Ro­bert She­vlin, co­le­ga de Wil­bert na Di­e­sel e ho­je tam­bém do­no do Uxua.

Co­mo no con­to de Gui­ma­rães Ro­sa, um ca­va­lo be­ben­do cer­ve­ja fez o ho­tel sur­gir. Ho­je, tal­vez ele pe­dis­se um uís­que. Ou uma cai­pi­ri­nha de li­mão plan­ta­do ali mes­mo. ★

Os jor­na­lis­tas vi­a­ja­ram a con­vi­te do Uxua Ca­sa Ho­tel

Cri­an­ça brin­ca no cen­tri­nho tu­rís­ti­co da vi­la

Car­la Ro­me­ro fo­tos

De­co­ra­ção do ho­tel Uxua, fei­ta por ar­te­sãos lo­cais; na pá­gi­na ao la­do, pis­ci­na na ca­sa do apre­sen­ta­dor da CNN ame­ri­ca­na An­der­son Co­o­per

Nos­si­ca Al-Kou­baisy, 19, tra­ba­lha na lo­ja do ho­tel e ves­te pon­cho fei­to por ar­te­sãos

Ca­sas equi­li­bram lu­xo e ar rús­ti­co

Aci­ma, bar do ho­tel na praia; ao la­do, área in­ter­na com ma­ta atlân­ti­ca pre­ser­va­da

Ca­val­ga­da na praia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.