EDU­CA­ÇÃO

Li­ga­da ao mé­to­do Wal­dorf, es­co­la no Jar­dim Ân­ge­la le­va co­mi­da bi­o­di­nâ­mi­ca e artes a es­tu­dan­tes da pe­ri­fe­ria

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - #392 Índice - Lau­ra Mat­tos tex­to

Na pe­ri­fe­ria, alu­nos cul­ti­vam hor­ta bi­o­di­nâ­mi­ca

A ga­ro­ta­da tem en­tre se­te e oi­to anos e, co­mo faz to­do dia, na­que­la quin­ta em que re­ce­beu a re­por­ta­gem da são­pau­lo, aju­dou a pre­pa­rar o al­mo­ço na co­zi­nha que fi­ca na sa­la de au­la. Qui­be com abó­bo­ra e quei­jo, ar­roz in­te­gral com ce­nou­ra, inha­me re­fo­ga­do, len­ti­lha, to­dos os le­gu­mes e as ver­du­ras plan­ta­dos e co­lhi­dos na hor­ta pe­los es­tu­dan­tes. Eles, aliás, acom­pa­nham a mu­dan­ça da plan­ta­ção, de or­gâ­ni­ca pa­ra bi­o­di­nâ­mi­ca, o que en­vol­ve o en­ri­que­ci­men­to na­tu­ral da ter­ra e a in­fluên­cia dos as­tros no cul­ti­vo.

Es­ta es­co­la de São Pau­lo não fi­ca na Vi­la Ma­da­le­na, no Itaim Bi­bi ou em qual­quer bair­ro de eli­te, mas no Jar­dim Ân­ge­la, na pe­ri­fe­ria da zo­na sul, que já te­ve no cur­rí­cu­lo o tí­tu­lo na­da no­bre de “o mais vi­o­len­to do mun­do”, nu­ma clas­si­fi­ca­ção da ONU. Por is­so, o no­me: Es­co­la de Re­si­li­ên­cia, pa­la­vra que o di­ci­o­ná­rio Hou­aiss de­fi­ne co­mo “ca­pa­ci­da­de de se re­co­brar fa­cil­men­te ou se adap­tar à má sor­te e às mu­dan­ças”.

Cer­ca­do pe­lo ala­ran­ja­do dos ti­jo­los da fa­ve­la, o oá­sis ver­de tem cer­ca de 20 mil m², com be­bês ti­ran­do uma so­ne­ca, cri­an­ças jo­gan­do ama­re­li­nha, con­fec­ci­o­nan­do su­as mo­chi­las com cou­ro, re­ci­tan­do po­e­mas, jo­vens dan­çan­do, fa­zen­do te­a­tro, ca­po­ei­ra.

O pro­je­to é ba­se­a­do na pe­da­go­gia Wal­dorf, de ori­gem ale­mã, que va­lo­ri­za o con­ta­to com a na­tu­re­za, o mo­vi­men­to cor­po­ral e as artes. Con­trá­ria ao avan­ço da tec­no­lo­gia en­tre as cri­an­ças, ela cres­ce no mer­ca­do bra­si­lei­ro de es­co­las par­ti­cu­la­res. As men­sa­li­da­des cos­tu­mam fi­car aci­ma da mé­dia, al­gu­mas per­to dos R$ 3.000.

No Jar­dim Ân­ge­la, os 700 alu­nos, de fa­mí­li­as de bai­xa ou ne­nhu­ma ren­da, são aten­di­dos gra­tui­ta­men­te. Con­vi­da­dos a se en­ga­jar na edu­ca­ção dos fi­lhos, mui­tos pais apro­vei­tam o de­sem­pre­go pa­ra co­la­bo­rar. Pin­tam pa­re­des, au­xi­li­am pro­fes­so­res, tra­ba­lham na hor­ta. In­for­mal­men­te, as ati­vi­da­des se tor­nam te­ra­pia pa­ra de­pen­den­tes de ál­co­ol ou dro­gas e opor­tu­ni­da­de de rein­ser­ção so­ci­al pa­ra ex-pre­si­diá­ri­os.

As raí­zes do co­lé­gio es­tão na As­so­ci­a­ção Co­mu­ni­tá­ria Mon­te Azul, fun­da­da nos anos 1970 pe­la edu­ca­do­ra ale­mã ra­di­ca­da no Bra­sil Ute Cra­e­mer, 80. Em 2015, foi as­su­mi­do pe­la As­so­ci­a­ção Pe­da­gó­gi­ca Ru­dolf Stei­ner, da qual fa­zem par­te a pri­mei­ra es­co­la Wal­dorf de São Pau­lo e a úni­ca fa­cul­da­de de pe­da­go­gia do país li­ga­da ao mé­to­do.

Lo­ca­li­za­das no Al­to da Boa Vis­ta (zo­na sul) e par­ti­cu­la­res, elas con­ce­dem bol­sas pa­ra for­mar pro­fes­so­res da Re­si­li­ên­cia. É o ca­so de Ana Eli­sa San­ta­na, 30, que fez cur­sos na as­so­ci­a­ção qu­an­do ado­les­cen­te e ago­ra é a pro­fes­so­ra do 2º ano —a sa­la do al­mo­ço com qui­be ve­ge­ta­ri­a­no. Emo­ci­o­na-se ao ex­pli­car a im­por­tân­cia de ir além de nú­me­ros em uma área co­mo aque­la. “Não é uma sa­la com 24 cri­an­ças. É a sa­la da Ana Cla­ra, da Ísis, do Ga­bri­el... São 24 in­di­ví­du­os.”

Quem co­nhe­ce pra­ti­ca­men­te to­dos os 700 in­di­ví­du­os pe­lo no­me é Má­rio Zo­ri­ki, 64, o tio Má­rio, edu­ca­dor que, na dé­ca­da de

1980, dei­xou ca­sa e tra­ba­lho em bair­ros de clas­se mé­dia pa­ra aju­dar a cons­truir o pro­je­to no Jar­dim Ân­ge­la, on­de pas­sou a mo­rar. Ad­mi­nis­tra­dor do lo­cal, vi­ve abra­ça­do pe­las cri­an­ças. “Já te­ve uma épo­ca em que ha­via cor­pos pe­las ru­as; ho­je, es­ta­mos cer­ca­dos pe­lo trá­fi­co. Mas, na es­co­la, nun­ca ti­ve­mos pro­ble­mas de vi­o­lên­cia”, diz.

Alu­nos do en­si­no mé­dio da Es­co­la Wal­dorf Ru­dolf Stei­ner, cu­ja men­sa­li­da­de gi­ra em tor­no de R$ 2.000, pas­sam uma se­ma­na na Re­si­li­ên­cia, co­mo par­te do pro­gra­ma pe­da­gó­gi­co. A ex­pe­ri­ên­cia mais re­cen­te foi re­gis­tra­da no jor­nal “Nós”, fei­to por eles: “De­ve­mos ge­rar es­sa cor­ren­te do bem, cau­san­do mu­dan­ças po­si­ti­vas em am­bi­en­tes di­fe­ren­tes dos nos­sos, pa­ra que pos­sa­mos evo­luir co­mo so­ci­e­da­de e co­mo pes­so­as”.

Em um li­vre­to de po­e­mas edi­ta­do pe­la as­so­ci­a­ção Mon­te Azul, o fi­ló­so­fo ale­mão Go­ethe (1749-1832) pa­re­ce co­men­tar as possibilidades des­sa co­ne­xão: “O amor não do­mi­na, con­tu­do for­ma, e is­so é mais”. ★

Keiny An­dra­de fo­tos

Sil­va­na Gon­za­ga, 44, che­gou a ca­tar co­mi­da no li­xo an­tes de co­nhe­cer o co­lé­gio, on­de ho­je es­tu­da sua fi­lha Ma­ri­na, 9

À esq., es­tu­dan­tes brin­cam na Es­co­la de Re­si­li­ên­cia e cer­cam o di­re­tor, ‘tio’ Má­rio; abai­xo, la­vam a lou­ça após o al­mo­ço

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.