CA­PA

Ba­res, res­tau­ran­tes e em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os re­vi­ta­li­zam a re­gião e atra­em mo­ra­do­res e tu­ris­tas

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - #392 Índice - Le­o­nar­do San­chez tex­to

A re­pa­gi­na­ção da Re­pú­bli­ca e de San­ta Ce­cí­lia

O cen­tro es­tá de ca­ra no­va. A on­da de ba­res mo­der­ni­nhos e es­pa­ços cul­tu­rais que sur­gi­ram nos anos 2000 no Bai­xo Au­gus­ta ago­ra se es­pa­lha pe­la re­gião for­ma­da pe­la Re­pú­bli­ca, Vi­la Bu­ar­que e San­ta Ce­cí­lia. “Es­sa ex­pan­são avan­çou até 2014 e pa­rou por cau­sa da crise. Re­to­mou em 2017, com a aber­tu­ra de lu­ga­res co­mo a pa­da­ria Mun­do Pão do Oli­vi­er e o pub vi­et­na­mi­ta Bia Hoi”, con­ta Fa­bio Re­don­do, di­re­tor da re­de Bu­e­nas Ho­téis. Ele e um gru­po de em­pre­sá­ri­os aca­bam de lan­çar o Mo­vi­men­to Cen­tri­ci­da­de, com di­rei­to a ma­pa tu­rís­ti­co. “A ideia é atrair vi­si­tan­tes e mo­ra­do­res de São Pau­lo que não fre­quen­tam es­sa área”, ex­pli­ca. En­tre os pla­nos es­tá pro­mo­ver uma se­ma­na de des­con­tos, co­mo a Res­tau­rant We­ek, mas ape­nas nas ca­sas da re­gião. Co­nhe­ça o que há de no­vi­da­de nes­se cor­re­dor cul­tu­ral pau­lis­ta­no.

Quem an­da pe­lo en­tor­no da pra­ça da Re­pú­bli­ca sa­be que a re­gião es­tá pas­san­do por uma trans­for­ma­ção. An­tes do­mi­na­da por co­mér­ci­os sim­ples e pré­di­os an­ti­gos, a área exi­be ho­je al­tos e mo­der­nos em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os.

De acor­do com o Se­co­vi-SP (sin­di­ca­to da ha­bi­ta­ção), o bair­ro ga­nhou 4.477 no­vas uni­da­des re­si­den­ci­ais en­tre 2014 e 2017, com me­tra­gem mé­dia de 35 m². Em sua mai­o­ria, os apar­ta­men­tos têm um ou dois dor­mi­tó­ri­os, o que jo­ga luz so­bre o per­fil das pes­so­as que têm se mu­da­do pa­ra o bair­ro: sol­tei­ros e ca­sais jo­vens, que es­tão ad­qui­rin­do sua pri­mei­ra mo­ra­dia.

Com va­lo­res mé­di­os que vão de R$ 200 mil a R$ 400 mil, es­ses imó­veis atra­em a aten­ção não só pe­lo cus­to-be­ne­fí­cio, mas tam­bém por sua lo­ca­li­za­ção. Fi­cam na re­gião cen­tral de São Pau­lo, com gran­de ofer­ta de trans­por­te pú­bli­co, co­mér­cio e em­pre­go, além da agi­ta­ção cul­tu­ral e de la­zer.

Pa­re­ce a re­cei­ta per­fei­ta pa­ra o lu­cro das in­cor­po­ra­do­ras. Mas o fa­tor co­mer­ci­al não é o gran­de res­pon­sá­vel por mo­ver as en­gre­na­gens da Re­pú­bli­ca, se­gun­do Ca­ro­li­na Bu­e­no, 43, do es­cri­tó­rio de ar­qui­te­tu­ra fran­co-bra­si­lei­ro Tripty­que, lo­ca­li­za­do nas ime­di­a­ções. Existe um cer­to ide­a­lis­mo por trás dos ta­pu­mes que in­va­di­ram o bair­ro, ela diz.

“Al­gu­mas cons­tru­to­ras têm a vi­são ur­ba­nís­ti­ca de fu­tu­ro, pro­je­tam na­que­la área o po­ten­ci­al de uma ci­da­de com­pac­ta, on­de vo­cê po­de tra­ba­lhar, mo­rar e cur­tir a vi­da. Ou­tras fo­ram pe­lo pre­ço, é cla­ro. Por pas­sar tan­tos anos no aban­do­no, os va­lo­res ali eram atra­en­tes”, ex­pli­ca. “Mas há quem quei­ra re­qua­li­fi­car o que a gen­te já tem —afi­nal, o cen­tro é lin­do.”

Co­mo con­sequên­cia da re­des­co­ber­ta da Re­pú­bli­ca pe­lo se­tor imo­bi­liá­rio, os ar­re­do­res da pra­ça homô­ni­ma ga­nha­ram ca­fés, mer­ca­di­nhos, con­fei­ta­ri­as, hor­ti­frú­tis, la­van­de­ri­as que ten­tam se ade­quar ao per­fil de con­su­mo dos no­vos mo­ra­do­res. Mas é na noi­te que se en­con­tram as prin­ci­pais no­vi­da­des ge­ra­das por es­se flu­xo.

Ca­da vez mais ba­res e res­tau­ran­tes mo­der­ni­nhos es­tão abrin­do as por­tas na re­gião. Ver­da­dei­ros ímãs de hips­ters —co­mo é cha­ma­da a ju­ven­tu­de de clas­se mé­dia-al­ta que se opõe à cul­tu­ra de mas­sa e aca­ba di­fun­din­do seus pró­pri­os mo­dis­mos—, es­ses es­ta­be­le­ci­men­tos querem que os pau­lis­ta­nos re­des­cu­bram o cen­tro. Co­mo trun­fo, a mai­o­ria tem a in­ven­ti­vi­da­de em seu DNA.

“Aten­do a um pú­bli­co mais hips­ter, ape­sar de es­sa não ter si­do a mi­nha in­ten­ção”, con­ta Da­ni Bor­ges, 37, chef que abriu o gas­tro­pub vi­et­na­mi­ta Bia Hoi em no­vem­bro pas­sa­do. “Vim pa­ra cá por­que aqui cir­cu­la gen­te de to­do per­fil e que­ria apro­vei­tar es­sa di­ver­si­da­de. É di­fe­ren­te do que acon­te­ce em Pi­nhei­ros ou no Itaim. Eu bus­ca­va a de­mo­cra­cia que ro­la no cen­tro”, diz ela, que gos­ta de aju­dar a des­mis­ti­fi­car a área. “As pes­so­as ain­da têm pre­con­cei­to, acham que é um lu­gar pe­ri­go­so. Mas a ci­da­de to­da é pe­ri­go­sa.”

As ca­sas no­va­tas têm se aglo­me­ra­do em um pe­da­ço es­pe­cí­fi­co da Re­pú­bli­ca, pa­ra­le­lo ao Mi­nho­cão e de­li­mi­ta­do pe­las ave­ni­das Ama­ral Gur­gel e Ipi­ran­ga e pe­las ru­as da Con­so­la­ção e Marquês de Itu.

É a cha­ma­da No­va Re­pú­bli­ca.

“Os em­pre­en­de­do­res já não pen­sam ape­nas em on­de es­tá o di­nhei­ro. Qu­e­re­mos em­pre­en­der com va­lo­res so­ci­ais, po­lí­ti­cos e ar­tís­ti­cos, e es­sa re­gião é a mais cri­a­ti­va da ci­da­de”, diz Ju­ni­or Pas­si­ni, 33, que inau­gu­rou em maio o Tokyo, pro­je­to que mis­tu­ra ka­ra­o­kê, bar, ba­la­da e res­tau­ran­te em um edi­fí­cio tom­ba­do de 1949.

“Mui­ta gen­te fa­la da re­vi­ta­li­za­ção do cen­tro, mas es­te é um ter­mo mui­to for­te, por­que sig­ni­fi­ca dar vi­da ao que es­tá mor­to. Só que o cen­tro é o lu­gar mais vi­vo de São Pau­lo, é on­de es­tá tu­do. O que nós qu­e­re­mos fa­zer é dar opor­tu­ni­da­de pa­ra que mais pes­so­as co­nhe­çam a re­gião.”

Es­ses são os va­lo­res dos pi­o­nei­ros Ja­nai­na e Jef­fer­son Ru­e­da, de 43 e 40 anos, res­pec­ti­va­men­te. Ca­sal-sím­bo­lo da re­to­ma­da do bair­ro, eles atu­al­men­te co­man­dam qua­tro dos pon­tos mais dis­pu­ta­dos da Re­pú­bli­ca. Ela é do­na do Bar da Do­na On­ça, inau­gu­ra­do no tér­reo do Edi­fí­cio Co­pan em 2008. Elei­to o chef de 2018 pe­lo es­pe­ci­al O Me­lhor de são­pau­lo - Res­tau­ran­tes, Ba­res & Co­zi­nha, ele é o res­pon­sá­vel por A Ca­sa do Por­co, na rua Araú­jo des­de 2015.

Nes­te ano, Jef­fer­son par­tiu pa­ra du­as ou­tras em­prei­ta­das, am­bas a pou­cos me­tros da­li: o Hot Pork, es­pe­ci­a­li­za­do em ca­chor­ro­quen­te, aber­to em ja­nei­ro, e a Sor­ve­te­ria do Cen­tro, em ati­vi­da­de des­de o fim de maio.

Diz o chef: “Acho im­por­tan­te que a gen­te cui­de da eco­no­mia cri­a­ti­va lo­cal e que is­so ins­pi­re pes­so­as em ou­tros bair­ros”.

Pa­ra ele, o mai­or le­ga­do de­ve ser a aces­si­bi­li­da­de. “Já que es­ta­mos cri­an­do tan­to, que a po­pu­la­ção lo­cal tam­bém te­nha aces­so a is­so”, com­ple­men­ta Ru­e­da.

Atu­al­men­te, A Ca­sa do Por­co é o mai­or exem­plo do bo­om que atin­ge a Re­pú­bli­ca.

Nos fi­nais de se­ma­na, as fi­las do res­tau­ran­te pa­re­cem in­ter­mi­ná­veis. Sal­tos co­lo­ri­dos e tê­nis de mar­ca se acu­mu­lam so­bre as cal­ça­das que­bra­di­ças da rua on­de fi­ca a pre­mi­a­da ca­sa, aguar­dan­do por uma mesa.

O mes­mo acon­te­ce na por­ta da fi­li­al cen­tral da ham­bur­gue­ria Z De­li.

O lo­cal tem pé-di­rei­to al­to e pa­re­des en­vi­dra­ça­das, pe­las quais a cli­en­te­la ob­ser­va a be­le­za da re­gião en­quan­to apre­cia san­duí­ches de pas­tra­mi ou de sal­mão de­fu­ma­do —itens que, há pouquís­si­mo tem­po, nin­guém ima­gi­na­ria en­con­trar na­que­les quar­tei­rões do cen­tro pau­lis­ta­no.

Jun­tam-se a es­ses su­ces­sos de pú­bli­co e crí­ti­ca ou­tros no­va­tos, co­mo o bar Cama de Ga­to, que le­vou me­sas co­le­ti­vas e es­pa­ço pa­ra jo­gar pin­gue-pon­gue à rua Ama­ral Gur­gel, em­bai­xo do Mi­nho­cão; uma no­va uni­da­de da do­ce­ria fran­ce­sa Éclair Moi, des­de se­tem­bro na rua Ge­ne­ral Jar­dim; o Fel, es­pe­ci­a­li­za­do em co­que­téis clás­si­cos es­que­ci­dos e to­ca­do ape­nas por mu­lhe­res, vi­zi­nho do Do­na On­ça no Co­pan.

Des­sa for­ma, um ci­clo é cri­a­do: no­vos em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os agi­tam a gas­tro­no­mia e a vi­da no­tur­na da Re­pú­bli­ca, o que, por sua vez, le­va ao bair­ro um no­vo pú­bli­co, ca­da vez mais in­te­res­sa­do em co­nhe­cê-lo —e, quem sa­be, fi­xar re­si­dên­cia ali. En­tre ve­lhos marcos da ci­da­de, co­mo o já ci­ta­do Co­pan, o Ter­ra­ço Itá­lia, a Ga­le­ria do Rock e o edi­fí­cio Ca­e­ta­no de Campos, uma No­va Re­pú­bli­ca es­tá em for­ma­ção. ★

Ou­tras pa­ra­das

/Bar da Do­na On­ça. Ed. Co­pan - Av. Ipi­ran­ga, 200, lj. 27/29, tel. 3257-2016 /Bia Hoi. R. Re­go Frei­tas, 516, tel. 3151-2508

/Cama de Ga­to. R. Ama­ral Gur­gel, 453, tel. 3129-9581

/Éclair Moi. R. Ge­ne­ral Jar­dim, 277, tel. 3129-9736

/Esther Ro­of­top. R. Ba­sí­lio da Ga­ma, 29, tel. 3256-1009

/Fel. Ed. Co­pan - Av. Ipi­ran­ga, 200, lj. 69, tel. 3237-2215

/Mun­do Pão do Oli­vi­er. R. Se­te de Abril, 425, lj. 1, tel. 3151-4909

/Sor­ve­te­ria do Cen­tro. R. Epi­tá­cio Pes­soa, 94, tel. 3129-8735

/Z De­li. R. Ben­to Frei­tas, 314, tel. 3129-3162

Bru­no San­tos fo­tos SPCRED

Sor­ve­te­ria do Cen­tro (à esq.) e Hot Pork, du­as ca­sas do chef Jef­fer­son Ru­e­da

Tokyo /R. Ma­jor Ser­tó­rio, 110, s/ tel

Hot Pork /R. Ben­to Frei­tas, 454, tel. 3129-8735

A Ca­sa do Por­co /R. Araú­jo, 124, tel. 3258-2578

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.