Su­jis­mun­do

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Selva De Pedra - Mar­cos No­guei­ra

ra­mos, os pau­lis­ta­nos, enor­mes por­ca­lhões nos anos 1970. Du­vi­da? Pes­qui­se na in­ter­net a pa­la­vra “su­jis­mun­do” pa­ra co­nhe­cer o nos­so pas­sa­do en­car­di­do.

O há­bi­to de ati­rar li­xo na rua era tão ar­rai­ga­do —não ape­nas em São Paulo, mas em to­do o Bra­sil— que o go­ver­no mi­li­tar cri­ou uma cam­pa­nha edu­ca­ti­va de exi­bi­ção ma­ci­ça na te­le­vi­são.

Su­jis­mun­do era subs­tan­ti­vo pró­prio, no­me de um per­so­na­gem de de­se­nho ani­ma­do cu­ja apa­rên­cia os­ci­la­va en­tre o re­pul­si­vo e o dig­no de pi­e­da­de. Ele usa­va ter­no e gra­va­ta, amas­sa­dos, e ti­nha mos­cas vo­an­do ao re­dor da ca­be­ça. Seu ani­mal de es­ti­ma­ção era um gam­bá.

Fo­ram du­as tem­po­ra­das de fil­mi­nhos de pro­pa­gan­da: em 1972 e em 1977. Su­jis­mun­do fez tan­to su­ces­so que se tor­nou ad­je­ti­vo e subs­tan­ti­vo co­mum. A pa­la­vra, que ho­je ha­bi­ta os di­ci­o­ná­ri­os, de­sig­na in­di­ví­du­os com há­bi­tos pre­cá­ri­os de hi­gi­e­ne. Os mais ve­lhos a usam até ho­je.

De­mo­rou até me­a­dos da dé­ca­da se­guin­te pa­ra que a po­pu­la­ção da ci­da­de apren­des­se a jo­gar o li­xo nas li­xei­ras. Ha­via a per­cep­ção ge­ral de que is­so não era ne­ces­sá­rio, pois exis­ti­am tra­ba­lha­do­res (mal) pa­gos pa­ra re­co­lher a su­jei­ra das ru­as.

Res­tos de co­mi­da vo­a­vam pe­las ja­ne­las de car­ros e ôni­bus. Sa­cos de sal­ga­di­nho caíam dis­pli­cen­te­men­te no chão, sem pro­vo­car re­a­ção al­gu­ma. Aqui­lo era na­tu­ral, to­do mun­do fa­zia as­sim. Éra­mos, as cri­an­ças, ga­rim­pei­ras do li­xo. Em 1980, o go­ver­na­dor Paulo Ma­luf lan­çou o álbum da “Tur­ma do Pau­lis­ti­nha”, uma ten­ta­ti­va de di­mi­nuir a so­ne­ga­ção de im­pos­tos. Vo­cê tro­ca­va no­tas fis­cais por fi­gu­ri­nhas do tal Pau­lis­ti­nha, um me­ni­no de apu­ra­do es­pí­ri­to cí­vi­co que vi­si­ta­va obras im­por­tan­tes co­mo a usi­na de Bar­ra Bo­ni­ta e a ro­do­via dos Imi­gran­tes.

Eu e meus ami­gos per­cor­ría­mos os mer­ca­dos da gran­de Acli­ma­ção: Cam­bu­ci, Jar­dim da Gló­ria, Vi­la De­o­do­ro e Vi­la Mo­nu­men­to. No chão, en­con­trá­va­mos de­ze­nas de no­tas graú­das en­tre as mon­ta­nhas de pa­pel des­car­ta­do. Com­ple­ta­mos o álbum sem gas­tar um cen­ta­vo nos­so. Uns três anos mais tar­de, a Co­ca-Co­la lan­çou mais uma den­tre vá­ri­as pro­mo­ções com tam­pi­nhas pre­mi­a­das.

De­pois da festa ju­ni­na da mi­nha es­co­la, a ga­ro­ta­da pôs-se a vas­cu­lhar a por­ca­ri­a­da que alu­nos e seus pais ati­ra­ram ao chão do pá­tio. A clas­se in­tei­ra foi de gra­ça ao Play­cen­ter —a coi­sa mais pró­xi­ma da Dis­ney que São Paulo já te­ve— com os prê­mi­os de tam­pi­nhas jo­ga­das fo­ra.

Aos pou­cos, co­me­çou a pe­gar mal ser um su­jis­mun­do. Me­nos pa­ra os fu­man­tes, que ain­da pre­ci­sam apren­der que bi­tu­ca de ci­gar­ro tam­bém é li­xo.

FABRIZIO LENCI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.