Pri­ma­ve­ra som­bria

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Prosa/poesia -

Sem­pre que a coi­sa aper­ta ou al­go ruim es­tá pres­tes a acon­te­cer, sin­to ne­ces­si­da­de de me en­con­trar com o Fran­go, meu ami­go de in­fân­cia que ho­je mo­ra em Jun­di­aí. Ele me co­nhe­ce bas­tan­te, tem um ou­vi­do de ou­ro e em ge­ral con­se­gue me tran­qui­li­zar. Mas des­sa vez o pro­ble­ma não era pes­so­al, ou não era só pes­so­al. An­do re­vol­ta­do e de­pri­mi­do com a pos­si­bi­li­da­de de vi­ver num país go­ver­na­do por um fas­cis­ta. (Nun­ca es­cre­vo so­bre po­lí­ti­ca, não en­ten­do de po­lí­ti­ca, po­rém o ní­vel da dis­cus­são bai­xou a tal pon­to que eu tam­bém vou re­cla­mar.) Os va­lo­res de­mo­crá­ti­cos, que eu jul­ga­va ape­nas um pon­to de par­ti­da, são ago­ra um lon­gín­quo pon­to de che­ga­da. Po­bre Fran­go, co­mo po­de­ria me aju­dar?

Mes­mo as­sim va­leu a pe­na pas­sar o sá­ba­do com ele e a Da­ni, sua mu­lher, seu fi­lho Pe­dro e sua so­gra Cris­ti­na, co­men­do chur­ras­co e be­ben­do cer­ve­ja (e de­pois Fer­net com Co­ca-Co­la, e de­pois vi­nho tin­to), no pri­mei­ro dia da pri­ma­ve­ra, sob um céu de bri­ga­dei­ro, no quin­tal da sua ca­sa nos ar­re­do­res da ci­da­de. Pa­re­cia o fim de al­gu­ma coi­sa. Foi co­mo se es­ti­vés­se­mos nos des­pe­din­do. Cho­ra­mos mui­to ou­vin­do Le­gião Ur­ba­na, en­quan­to o Fran­go ia re­cor­dan­do os me­lho­res mo­men­tos da nos­sa ado­les­cên­cia sel­va­gem.

Fui to­ma­do por uma gran­de nos­tal­gia de cer­tas tar­des en­ve­ne­na­das com ta­ba­co e clo­ro de pis­ci­na — per­nas se es­fre­gan­do em­bai­xo d’água, bei­jos com gos­to de pi­ca­nha, biquí­nis in­ces­tu­o­sos sob o sol. Pri­mas. Ami­gas. Ti­ve uma úni­ca na­mo­ra­da an­tes dos vin­te. Não du­rou uma se­ma­na. Pâ­me­la. Olhos do­ces e pe­le ca­ra­me­lo. Em quem se­rá que ela vai vo­tar?

Com Pe­dro, de dez anos, con­ver­sei so­bre ca­va­los. Co­res, ra­ças, ida­de cer­ta pra do­mar. Me con­tou que tem dois pan­ga­rés e um man­ga-lar­ga na fa­zen­da do avô. Com a Da­ni, que é en­fer­mei­ra, con­ver­sei so­bre do­en­ças, ou­tro as­sun­to que me in­te­res­sa. Pe­di que ela me des­se de­ta­lhes da sua ro­ti­na no hos­pi­tal. Foi no­jen­to e ma­ra­vi­lho­so. Cris­ti­na, por sua vez, con­fes­sou que era vi­ci­a­da em vi­de­o­ga­me, que apren­deu a jo­gar com o ne­to.

No dia se­guin­te pe­guei o trem de vol­ta pra São Pau­lo. Mais céu azul atra­vés das ja­ne­las, bar­ra­cos pen­du­ra­dos nos bar­ran­cos, um ven­de­dor de Skol e pu­ru­ru­ca (às no­ve da ma­nhã!), um evan­gé­li­co pre­gan­do con­tra ho­mos­se­xu­ais. An­tes de che­gar na es­ta­ção da Luz, ter­mi­nei a lei­tu­ra de “As­co”, no­ve­la do sal­va­do­re­nho Ho­ra­cio Cas­tel­la­nos Moya que diz mui­to so­bre o Bra­sil de ho­je e, es­pe­ro es­tar en­ga­na­do, de ama­nhã.

As­co, de­cep­ção e de­ses­pe­ro.

Que es­ta crô­ni­ca en­ve­lhe­ça de­pres­sa.

Que se trans­for­me lo­go em pas­sa­do a ori­gem des­te mal-es­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.