Ma­ni­fes­to pe­la ma­ter­ni­da­de re­al

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Mamãe Neura -

men­ti­ra que sua vi­da só ga­nhou sig­ni­fi­ca­do de­pois da ma­ter­ni­da­de. É men­ti­ra que vo­cê nun­ca foi tão fe­liz. É men­ti­ra que a gen­te se apai­xo­na pe­lo fi­lho já no pri­mei­ro ul­tras­som. É men­ti­ra que o seu be­bê dor­me inin­ter­rup­ta­men­te dez ho­ras por noi­te. É men­ti­ra que vo­cê con­se­gue tra­ba­lhar igual an­tes de ser mãe (tal­vez até me­lhor, mas igual, nun­ca mais). É men­ti­ra que an­da ta­ra­da e que a pe­le da bar­ri­ga não fica meio mo­len­gui­nha pa­ra sem­pre.

É men­ti­ra que dá tu­do or­gâ­ni­co e sem sal. É men­ti­ra que vo­cê nun­ca sen­te rai­va do seu fi­lho. É men­ti­ra que vo­cê nun­ca tem sau­da­de da vi­da an­tes de­le. É men­ti­ra que co­zi­nha tu­do no va­por e ja­mais me­te um mi­cro-on­das qu­an­do es­tá can­sa­da ou com pres­sa.

É men­ti­ra que a me­mó­ria vol­ta, que os sei­os vol­tam, que a bun­da vol­ta, que a von­ta­de de vol­tar de ma­dru­ga­da no meio da semana vol­ta. É men­ti­ra que do es­fínc­ter até o zi­go­má­ti­co não dói tu­do de tan­to abai­xar e le­van­tar se­gu­ran­do um ma­ra­vi­lho­so hu­ma­no de no­ve qui­los. É men­ti­ra que se­gue ido­la­tran­do o ca­chor­ro co­mo an­tes.

É men­ti­ra que vo­cê vai ter sa­co pa­ra os ami­gos que não são tão ami­gos. É men­ti­ra que vo­cê vai ter tem­po pa­ra os ami­gos que de fa­to são ami­gos —em re­la­ção aos mui­to ami­gos, de vez em qu­an­do vo­cê vai en­con­trá-los, mas vai vol­tar exaus­ta.

É men­ti­ra que é bem-dis­pos­ta o tem­po to­do e ja­mais sen­te von­ta­de de dar en­tra­da no hos­pi­tal com al­gu­ma do­en­ça in­ven­ta­da ape­nas pa­ra dor­mir uma noi­te in­tei­ra lon­ge de tu­do. É men­ti­ra que qual­quer ou­tro hu­ma­no di­vi­de a bu­cha igual­men­te com vo­cê.

É men­ti­ra que vo­cê cur­te de mon­tão fi­car o dia in­tei­ro sen­do mãe com tan­to li­vro pa­ra ler, cur­so pa­ra fa­zer, tra­ba­lho pa­ra en­tre­gar e com is­so se sen­tir fo­do­na e atu­an­te e ga­nhan­do gra­na. É men­ti­ra que vo­cê acei­tou nu­ma boa abrir mão da sua car­rei­ra. É men­ti­ra que, en­quan­to tra­ba­lha, não fica an­gus­ti­a­da pen­san­do se o seu fi­lho co­meu, fez cocô e não ba­teu a ca­be­ça na qui­na.

É ver­da­de que a gen­te ama mui­to e mais que tu­do, é ver­da­de que eu fa­ria tu­do de no­vo, mas o res­to é men­ti­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.