Fes­ti­val de Ro­ter­dã ve­rá ‘ po­e­ta ra­di­o­a­ti­vo’

Pres­ti­gi­a­do even­to de po­e­sia con­ta com a par­ti­ci­pa­ção do per­for­mer bra­si­lei­ro Már­cio- An­dré em sua 43 ª edi­ção Em 2007, ar­tis­ta fez per­for­man­ce ar­ris­ca­da na ci­da­de fan­tas­ma de Pripyat, sub­me­ten­do- se a con­ta­mi­na­ção nu­cle­ar

Folha de S.Paulo - - Ilustrada - MAR­CIO AQUI­LES DE SÃO PAU­LO

O po­e­ta bra­si­lei­ro Már­ci­oAn­dré, 34, par­ti­ci­pa na pró­xi­ma se­ma­na da 43 ª edi­ção do Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Po­e­sia de Ro­ter­dã, um dos mais im­por­tan­tes do mun­do.

Ra­di­ca­do em Por­tu­gal, o ar­tis­ta é co­nhe­ci­do por seus tra­ba­lhos com po­e­sia vi­su­al e so­no­ra, ins­ta­la­ções e per­for­man­ces, ou pe­lo pe­cu­li­ar epí­te­to de “o pri­mei­ro po­e­ta ra­di­o­a­ti­vo do mun­do”.

Em 2007, Már­cio- An­dré le­vou ao ex­tre­mo sua veia per­for­má­ti­ca e re­a­li­zou a “1 ª Con­fe­rên­cia Poé­ti­co- Ra­di­o­a­ti­va de Pripyat”, lei­tu­ra de po­e­mas en­tre os es­com­bros da ci­da­de fan­tas­ma, lo­cal mais afe­ta­do pe­lo aci­den­te nu­cle­ar de Tcher­no­bil ( em 1986).

So­zi­nho, fi­cou seis ho­ras ho­ras em fren­te ao an­ti­go Pa­lá­cio da Cul­tu­ra, en­quan­to era con­ta­mi­na­do pe­la ra­di­a­ção ga­ma pro­ve­ni­en­te do cé­sio- 137 que ain­da pai­ra so­bre o lo­cal. O ní­vel se­gu­ro de ex­po­si­ção à subs­tân­cia é de até du­as ho­ras.

“Ao ler os po­e­mas, a pró­pria po­e­sia se fun­diu com mi­nhas cé­lu­las, as­sim co­mo a usi­na, ao ex­plo­dir em 1986, fun­diu a ci­da­de aos seus ci­ta­di­nos, atra­vés da ra­di­a­ção”, ex­pli­ca.

CON­TA­MI­NA­ÇÃO

Seu in­te­res­se no con­cei­to de “con­ta­mi­na­ção” o le­va­rá ago­ra ao mar de Aral — lo­cal de­sér­ti­co e tó­xi­co en­tre o Ca­za­quis­tão e o Uz­be­quis­tão—, co­mo par­te do pro­ces­so de es­cri­ta de um ro­man­ce.

Os ex­pe­ri­men­tos de Már­cio- An­dré ca­rac­te­ri­zam- se pe­la com­bi­na­ção de so­fis­ti­ca­dos pro­ce­di­men­tos poé­ti­cos e ati­vi­da­des cor­po­rais mui­tas ve­zes ex­tre­mas.

“Meu ob­je­ti­vo é dar pro­ta­go­nis­mo ao cor­po e ao es­pa­ço, pro­pon­do a po­e­sia co­mo dan­ça ri­tu­al e con­ver­ten­do a ar­qui­te­tu­ra do lu­gar on­de a per­for­man­ce é re­a­li­za­da em es­pa­ço de co­mu­nhão en­tre lei­tor e a po­e­sia.”

EmRo­ter­dã, Már­cio- An­dré par­ti­ci­pa­rá de lei­tu­ras poé­ti­cas e de uma me­sa- re­don­da.

Es­ta edi­ção traz co­mo te­ma cen­tral a in­com­ple­tu­de.

“Ha­ve­rá de­ba­tes so­bre a po­e­sia de Sa­fo [ es­cri­to­ra da Gré­cia Ab­ti­ga], so­bre a fra­se que Sa­mu­el Bec­kett ten­tou es­cre­ver em seu lei­to de mor­te, e so­bre [ a po­e­ta aus­tría­ca] Fri­e­de­ri­ke Mayröc­ker e seu li­vro com­pos­to só por notas de ro­da­pé”, afir­ma Bas Kwak­man, diretor do fes­ti­val.

“To­dos os 20 po­e­tas con­vi­da­dos fa­la­rão so­bre o ca­rá­ter do ina­ca­ba­do em su­as obras li­te­rá­ri­as”, com­ple­ta.

Kwak­man des­ta­ca a bus­ca da cu­ra­do­ria por po­e­tas con­sa­gra­dos, mas prin­ci­pal­men­te por no­mes com po­ten­ci­al de cres­ci­men­to li­te­rá­rio. “Des­de a pri­mei­ra edi­ção, em 1970, te­mos a na­ta da po­e­sia mun­di­al. Por aqui já pas­sa­ram Pa­blo Ne­ru­da, Oc­ta­vio Paz, Jo­seph Brodsky e Czes­law Mi­losz. Sim­ples­men­te oi­to ven­ce­do­res de No­bel já par­ti­ci­pa­ram, e an­tes de se­rem lau­re­a­dos com o prê­mio.”

O po­e­ta e colunista da Fo­lha Fer­rei­ra Gul­lar foi ho­me­na­ge­a­do em 1998.

Ce­cí­lia Ca­va­li­e­ri/ Di­vul­ga­ção

O po­e­ta e per­for­mer bra­si­lei­ro Már­cio- An­dré

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.