Uma eco­no­mia de­so­be­di­en­te

Folha De S.Paulo - - Mercado - LAU­RA CAR­VA­LHO CO­LU­NIS­TAS DA SE­MA­NA se­gun­da: Mar­cia Des­sen; ter­ça: Ben­ja­min Stein­bru­ch; quar­ta: Ale­xan­dre Schwarts­man; quin­ta: Lau­ra Car­va­lho; sex­ta: Pedro Luiz Pas­sos; sá­ba­do: Ro­nal­do Cai­a­do; do­min­go:

O JOR­NAL “Va­lor Econô­mi­co” aler­tou na se­gun­da-fei­ra (14), em man­che­te qua­se la­ca­ni­a­na, que, “sem en­dos­so da re­a­li­da­de, (a) eco­no­mia se des­co­la da expectativa”. A re­por­ta­gem des­ta­ca o com­ple­to des­co­la­men­to, des­de ou­tu­bro de 2015, dos ín­di­ces de con­fi­an­ça cons­truí­dos a par­tir das ex­pec­ta­ti­vas fu­tu­ras dos agen­tes —con­su­mi­do­res e em­pre­sá­ri­os— da­que­les que se ba­sei­am na si­tu­a­ção atu­al da eco­no­mia.

Es­que­ce-se de no­tar, no en­tan­to, que mes­mo os ín­di­ces de con­fi­an­ça ba­se­a­dos na si­tu­a­ção atu­al es­tão com­ple­ta­men­te des­co­la­dos da pró­pria re­a­li­da­de econô­mi­ca do país, que se agra­va a ca­da dia.

Em 2011, o Prê­mio No­bel de Eco­no­mia Paul Krug­man cri­ou um per­so­na­gem mís­ti­co —ho­je mun­di­al­men­te co­nhe­ci­do— pa­ra iro­ni­zar a de­fe­sa do cor­te de gas­tos pú­bli­cos co­mo so­lu­ção pa­ra a cri­se econô­mi­ca. Krug­man com­ba­tia a ideia de que, se os go­ver­nos cor­tas­sem seus gas­tos, e só por is­so, uma fa­di­nha da con­fi­an­ça apa­re­ce­ria pa­ra re­com­pen­sá-los com in­ves­ti­men­tos e gas­tos do se­tor pri­va­do, es­ti­mu­lan­do a eco­no­mia.

Em de­ba­te com Krug­man em mar­ço de 2015, Ro­bert Ski­delsky, pro­fes­sor emé­ri­to da Uni­ver­si­da­de de Warwick e bió­gra­fo de John May­nard Key­nes, de­fen­deu a ideia de que a re­tó­ri­ca da aus­te­ri­da­de, por mais equi­vo­ca­da que fos­se, po­de­ria de­te­ri­o­rar as ex­pec­ta­ti­vas dos agen­tes o su­fi­ci­en­te pa­ra tor­nar fra­cas­sa­da uma po­lí­ti­ca de es­tí­mu­lo fis­cal em meio à cri­se. Krug­man, no en­tan­to, in­sis­tiu que a me­ra re­tó­ri­ca e seu efei­to so­bre as ex­pec­ta­ti­vas não se­ri­am su­fi­ci­en­tes pa­ra al­te­rar o re­sul­ta­do de po­lí­ti­cas, fos­sem elas equi­vo­ca­das ou acer­ta­das.

Em ar­ti­go pu­bli­ca­do pe­lo jor­nal “The Gu­ar­di­an” cer­ca de um mês de­pois, em 22 de abril do ano pas­sa­do, Ski­delsky ad­mi­tiu es­tar er­ra­do na­que­la oca­sião.

“O fa­tor con­fi­an­ça afe­ta o pro­ces­so de­ci­só­rio do go­ver­no, mas não afe­ta o re­sul­ta­do de su­as de­ci­sões. A não ser em ca­sos ex­tre­mos, a con­fi­an­ça não po­de fa­zer com que uma má po­lí­ti­ca ob­te­nha bons re­sul­ta­dos, e sua au­sên­cia não po­de fa­zer com que uma boa po­lí­ti­ca ob­te­nha maus re­sul­ta­dos, não mais do que pu­lar de uma ja­ne­la, com a cren­ça equi­vo­ca­da de que se­res hu­ma­nos po­dem vo­ar, eli­mi­na­ria o efei­to da gra­vi­da­de”, afir­mou.

As inú­me­ras frus­tra­ções de su­as pro­je­ções de cres­ci­men­to le­va­ram o pró­prio FMI a atri­buir seus er­ros ao efei­to ne­ga­ti­vo das po­lí­ti­cas de cor­tes de gas­tos em meio à cri­se.

E as­sim, al­guns anos de­pois de seu nas­ci­men­to, a fa­di­nha da con­fi­an­ça pas­sou a con­tar com me­nos con­fi­an­ça do que a fa­di­nha dos den­tes ou mes­mo o ve­lho e bom Pa­pai No­el.

Di­an­te do ce­ti­cis­mo ca­da vez mai­or nos Es­ta­dos Uni­dos e na Eu­ro­pa, a fa­di­nha re­sol­veu mu­dar-se pa­ra os tró­pi­cos, on­de des­co­briu uma le­gião de fiéis. Aqui, o mis­ti­cis- mo an­da em al­ta mes­mo com o fra­cas­so re­tum­ban­te do cor­te de gas­tos e in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos des­de 2015 co­mo for­ma de es­tí­mu­lo aos in­ves­ti­men­tos pri­va­dos ou de es­ta­bi­li­za­ção da dí­vi­da pú­bli­ca.

Sem qual­quer pre­o­cu­pa­ção em trans­for­mar uma con­vic­ção ide­o­ló­gi­ca em uma pre­di­ção ci­en­tí­fi­ca pas­sí­vel de re­fu­ta­ção, a res­pos­ta é sem­pre de que, se não há si­nais de re­to­ma­da, é por­que a po­lí­ti­ca não foi re­a­li­za­da com vi­gor su­fi­ci­en­te.

Di­an­te do des­co­la­men­to en­tre a con­fi­an­ça dos agen­tes e a eco­no­mia re­al, op­ta-se por con­si­de­rar que fa­to­res ines­pe­ra­dos fi­ze­ram com que a eco­no­mia se des­co­las­se das ex­pec­ta­ti­vas. Os cren­tes não ad­mi­tem que as ex­pec­ta­ti­vas pos­sam es­tar con­ta­mi­na­das pe­la re­tó­ri­ca po­lí­ti­ca, e que, sen­do es­se o ca­so, a eco­no­mia não ne­ces­sa­ri­a­men­te vai obe­de­cê-las.

Com­me­nos­pres­tí­gi­o­queo Pa­pai No­el na Eu­ro­pa e nos EUA, fa­di­nha da con­fi­an­ça mi­grou pa­ra os tró­pi­cos

LAU­RA CAR­VA­LHO,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.