Aé­cio na Jus­ti­ça

Ex­pli­ca­ções do tu­ca­no pa­ra a ve­xa­mi­no­sa tran­sa­ção com Jo­es­ley Ba­tis­ta per­ma­ne­cem in­con­vin­cen­tes; STF não de­ve se fur­tar a exa­mi­nar o ca­so

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Cer­ca de um ano atrás, o se­na­dor Aé­cio Ne­ves (MG), en­tão pre­si­den­te do PSDB e um dos ex­po­en­tes do go­ver­nis­mo, di­zia que era pre­ci­so “sal­var a po­lí­ti­ca”.

No con­tex­to da épo­ca, tra­ta­va­se de fi­xar a dis­tin­ção en­tre as prá­ti­cas de fa­to cor­rup­tas e a acei­ta­ção cos­tu­mei­ra de di­nhei­ro pri­va­do pa­ra cam­pa­nhas elei­to­rais, mes­mo que por meio de cai­xa dois.

Se tu­do o que se in­ves­ti­ga­va pe­la La­va Ja­to pa­re­ces­se o mes­mo aos olhos da opinião pú­bli­ca, ar­gu­men­ta­va, ha­ve­ria um des­cré­di­to ge­ral que abri­ria ca­mi­nho pa­ra al­gu­ma re­gres­são po­pu­lis­ta —a as­cen­são de um “salvador da pá­tria”.

Sua te­se, ain­da que dis­cu­tí­vel, mos­tra­va-se per­ti­nen­te; sua con­du­ta, en­tre­tan­to, o des­mo­ra­li­zou.

Em maio de 2017 veio à to­na a es­tar­re­ce­do­ra e con­tro­ver­sa de­la­ção da JBS, da qual cons­ta­va diá­lo­go gra­va­do em que o tu­ca­no mi­nei­ro pe­dia R$ 2 mi­lhões a Jo­es­ley Ba­tis­ta, em 24 de mar­ço da­que­le ano.

Do­cu­men­ta­ram-se fa­tos in­con­tes­tá­veis, que cum­pre re­cor­dar. Na con­ver­sa, en­quan­to se dis­cu­te a tran­sa­ção, o em­pre­sá­rio faz uma in­di­ca­ção pa­ra a pre­si­dên­cia da Vale —que, em­bo­ra se­ja com­pa­nhia pri­va­da (de­ses­ta­ti­za­da em 1997), tem fun­dos de pen­são de es­ta­tais en­tre seus con­tro­la­do­res.

O tu­ca­no res­pon­de que não po­de­ria aten­der ao plei­to, pois já te­ria cui­da­do de tal no­me­a­ção —o que já se­ria es­can­da­lo­so. Mas pa­re­ce dei­xar a por­ta aber­ta pa­ra ou­tros fa­vo­res: “a Vale é um mun­do”.

Acer­tam-se os de­ta­lhes pa­ra a en­tre­ga do di­nhei­ro, que é fei­ta, em es­pé­cie, a um pri­mo do po­lí­ti­co; al­guns pas­sos adi­an­te, re­cur­sos che­gam a em­pre­sa li­ga­da à fa­mí­lia de um co­le­ga de Se­na­do.

Tan­to tem­po de­pois, per­ma­ne­cem in­su­fi­ci­en­tes e pou­co con­vin­cen­tes as jus­ti­fi­ca­ti­vas apre­sen­ta­das pa­ra tão tor­tu­o­sa tran­sa­ção.

Aé­cio Ne­ves afir­ma ter ha­vi­do na­da mais que um ne­gó­cio pri­va­do, um em­prés­ti­mo pa­ra o pa­ga­men­to de ad­vo­ga­dos, co­mo re­pe­te em ar­ti­go pu­bli­ca­do na se­gun­da (16) por es­ta Fo­lha.

Se era as­sim, por que tan­tos ex­pe­di­en­tes he­te­ro­do­xos, to­dos cla­ra­men­te des­ti­na­dos a aco­ber­tar a ori­gem e o des­ti­no da so­ma?

Nem se fa­le na in­ti­mi­da­de, de­mons­tra­da em ri­sos e ter­mos chu­los, com pro­ce­di­men­tos na­da re­pu­bli­ca­nos e um em­pre­sá­rio sob in­ves­ti­ga­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral.

O Se­na­do omi­tiu-se de mo­do ver­go­nho­so ao não ins­tau­rar pro­ce­di­men­to pa­ra es­cla­re­cer o epi­só­dio; o PSDB foi igual­men­te pu­si­lâ­ni­me, dei­xan­do de co­brar mais ex­pli­ca­ções de seu ex-di­ri­gen­te.

Es­tas de­vem ser pres­ta­das ago­ra ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, cu­ja pri­mei­ra tur­ma de­ci­di­rá se tor­na Aé­cio Ne­ves réu sob as acu­sa­ções de cor­rup­ção e obs­tru­ção da Jus­ti­ça. Se o po­lí­ti­co mi­nei­ro de­se­ja pro­var sua inocência, es­ta é a opor­tu­ni­da­de de fa­zê-lo. O que não se po­de mais é pro­cras­ti­nar o exa­me do ca­so gra­vís­si­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.