O di­le­ma de Bru­no Co­vas

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Na ter­ra dos vi­ces, a si­tu­a­ção de Bru­no Co­vas é subs­tan­ci­al­men­te di­fe­ren­te da de Mi­chel Te­mer e de Már­cio Fran­ça, ou­tros des­co­nhe­ci­dos que pas­sa­ram a nos go­ver­nar sem te­rem si­do elei­tos.

Te­mer as­cen­deu ao po­der atra­vés de um gol­pe par­la­men­tar, exe­cu­ta­do pa­ra im­ple­men­tar, trai­ço­ei­ra­men­te, um pro­gra­ma ela­bo­ra­do pe­la opo­si­ção, di­a­me­tral­men­te opos­to ao da cha­pa pe­la qual foi elei­to.

Fran­ça ga­nhou um man­da­to tam­pão, de­pois de Alck­min ter ad­mi­nis­tra­do o es­ta­do de São Paulo por se­te anos e três me­ses. Mais do que pa­ra go­ver­nar, en­trou pa­ra ser can­di­da­to à re­e­lei­ção, con­tan­do com a má­qui­na pú­bli­ca pa­ra dar uma “mão­zi­nha”.

Co­vas tem ou­tro de­sa­fio. Sem ter ti­do vo­tos, ga­nhou de Do­ria a chan­ce de go­ver­nar efe­ti­va­men­te, por qua­se 33 me­ses, uma das mai­o­res ci­da­des do mun­do.

O ex-pre­fei­to aban­do­nou a pre­fei­tu­ra pe­la por­ta dos fun­dos, ati­tu­de condenada por 66% dos pau­lis­ta­nos. Só 18% apro­vam sua ges­tão, en­quan­to 47% a ava­li­a­ram co­mo ruim ou pés­si­ma.

Os nú­me­ros ex­pres­sam uma ges­tão de­sas­tra­da. A “Ci­da­de Lin­da” vi­rou uma pi­a­da fren­te à su­jei­ra nas ru­as, se­má­fo­ros apa­ga­dos, ru­as es­cu­ras e bu­ei­ros en­tu­pi­dos. A cra­co­lân­dia se es­pa­lhou. Equi­pa­men­tos de saú­de fo­ram fe­cha­dos. Os de­sa­ti­nos não têm fim.

A for­ma co­mo foi ela­bo­ra­da e en­ca­mi­nha­da a frus­tra­da re­for­ma da pre­vi­dên­cia dei­xou o fun­ci­o­na­lis­mo des­mo­ti­va­do. A apo­sen­ta­do­ria de ser­vi­do­res se in­ten­si­fi­cou e vá­ri­os ór­gãos es­tão com bai­xa ca­pa­ci­da­de de fun­ci­o­na­men­to.

Es­cân­da­los de cor­rup­ção se su­ce­dem, co­mo o re­cen­te ca­so do Ilu­me, que adi­a­rá por tem­po in­de­ter­mi­na­do a re­so­lu­ção do pro­ble­ma da ilu­mi­na­ção pú­bli­ca.

Pro­je­tos es­tra­té­gi­cos do go­ver­no, co­mo a de­ses­ta­ti­za­ção de ati­vos mu­ni­ci­pais, a mu­dan­ça do zo­ne­a­men­to e a li­ci­ta­ção do trans­por­te co­le­ti­vo so­frem opo­si­ção de pro­fis­si­o­nais, co­le­ti­vos, mo­vi­men­tos e or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de, que des­con­fi­am das re­la­ções pou­co re­pu­bli­ca­nas do go­ver­no com o se­tor pri­va­do.

Em­bo­ra te­nha se com­pro­me­ti­do a con­ti­nu­ar as iniciativas do seu an­te­ces­sor, o novo pre­fei­to pre­ci­sa en­fren­tar es­sa he­ran­ça mal­di­ta com mu­dan­ças es­sen­ci­ais tan­to no es­ti­lo co­mo no pro­gra­ma de go­ver­no.

A me­lhor al­ter­na­ti­va pa­ra en­fren­tar es­sa si­tu­a­ção, sem ser acu­sa­do de trai­ção, é uti­li­zar os ca­nais ins­ti­tu­ci­o­nais de par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar pa­ra di­vi­dir com a so­ci­e­da­de a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la for­mu­la­ção dos pro­je­tos e ações de go­ver­no.

Res­pei­tan­do as di­ver­gên­ci­as e cons­truin­do co­le­ti­va­men­te as pro­pos­tas mais ade­qua­das, o pre­fei­to po­de­rá en­con­trar as me­lho­res es­tra­té­gi­as pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os es­tru­tu­rais da ci­da­de, co­mo o de­se­qui­lí­brio or­ça­men­tá­rio, a de­ses­tru­tu­ra­ção ad­mi­nis­tra­ti­va e des­cen­tra­li­za­ção da ges­tão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.