Eco­no­mia na re­tran­ca

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Vai mu­dan­do pa­ra pi­or o hu­mor dos ana­lis­tas que até ou­tro dia ex­pres­sa­vam oti­mis­mo com a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia bra­si­lei­ra, re­cém-saí­da de uma de su­as re­ces­sões mais de­vas­ta­do­ras.

De acordo com o bo­le­tim Focus, em que o Ban­co Central com­pi­la pre­vi­sões de con­sul­to­ri­as e ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, a apos­ta no iní­cio de mar­ço era que o país al­can­ça­ria uma ta­xa de cres­ci­men­to pró­xi­ma de 3% até o fim des­te ano.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, po­rém, uma su­ces­são de no­tí­ci­as frus­tran­tes le­vou os eco­no­mis­tas a re­ver seus nú­me­ros. No bo­le­tim mais re­cen­te, des­ta se­gun­da (16), pro­je­ta­se ta­xa mais mo­des­ta, de 2,76%.

Ou­tro si­nal pre­o­cu­pan­te veio do IBC-Br, ín­di­ce cal­cu­la­do pe­lo BC que pro­cu­ra to­mar o pul­so da ati­vi­da­de econô­mi­ca. Ele apon­tou uma con­tra­ção de 0,64% em ja­nei­ro e uma va­ri­a­ção po­si­ti­va ir­ri­só­ria, de 0,09%, em fe­ve­rei­ro.

Des­de o fim de 2017, quan­do fi­cou cla­ro que o país ha­via dei­xa­do pa­ra trás a re­ces­são, tu­do in­di­ca­va que a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia se­ria len­ta e pou­co vi­go­ro­sa. O de­sem­pe­nho dos úl­ti­mos me­ses pa­re­ce con­fir­mar es­ses in­dí­ci­os.

Ele su­ge­re que ain­da se­rá pre­ci­so es­pe­rar um bom tem­po até que os bra­si­lei­ros re­co­brem a con­fi­an­ça per­di­da nos anos di­fí­ceis da re­ces­são, con­di­ção es­sen­ci­al pa­ra uma re­to­ma­da mais for­te da de­man­da e dos in­ves­ti­men­tos pro­du­ti­vos.

Par­te do pro­ble­ma es­tá na frá­gil ex­pan­são do mer­ca­do de tra­ba­lho. Os que têm con­se­gui­do em­pre­go em ge­ral as­su­mem va­gas sem re­gis­tro em car­tei­ra pro­fis­si­o­nal ou atu­am por con­ta pró­pria.

É um alí­vio de­pois de mais de três anos de de­mis­sões em al­ta, mas são pos­tos que não for­ne­cem a se­gu­ran­ça ne­ces­sá­ria pa­ra re­a­ti­var o consumo, prin­ci­pal mo­tor da ati­vi­da­de econô­mi­ca.

As ven­das do va­re­jo, que pa­re­ci­am es­tar re­a­gin­do nos úl­ti­mos me­ses do ano pas­sa­do, caí­ram 0,1% em fe­ve­rei­ro. Ape­sar da que­da acen­tu­a­da das ta­xas de ju­ros fi­xa­das pe­lo BC, aque­las co­bra­das dos con­su­mi­do­res con­ti­nu­am em pa­ta­mar exor­bi­tan­te.

A saú­de fi­nan­cei­ra das em­pre­sas me­lho­rou, mas mui­tas ain­da pa­de­cem —os pe­di­dos de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al vol­ta­ram a cres­cer.

As in­cer­te­zas da po­lí­ti­ca con­tri­bu­em pa­ra nu­blar a pai­sa­gem. Sem sa­ber se o pró­xi­mo pre­si­den­te es­ta­rá dis­pos­to a pro­mo­ver as re­for­mas ne­ces­sá­ri­as pa­ra que o país vol­te a cres­cer de for­ma sus­ten­tá­vel, con­su­mi­do­res e in­ves­ti­do­res ten­dem a pros­se­guir na re­tran­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.