Uma do­se de ra­ci­o­na­li­da­de

Se uma lei, não de­cla­ra­da in­cons­ti­tu­ci­o­nal, ve­da pri­são an­tes do trân­si­to em jul­ga­do, ela de­ve ser res­pei­ta­da ou mo­di­fi­ca­da pe­lo Con­gres­so

Folha De S.Paulo - - Opinião - PI­ER­PA­O­LO BOT­TI­NI

A exe­cu­ção pro­vi­só­ria da pe­na vi­rou as­sun­to na­ci­o­nal. Se­ja por afe­tar di­re­ta­men­te a si­tu­a­ção ju­rí­di­ca do ex-pre­si­den­te Lu­la, se­ja pe­las idas e vin­das do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, con­fe­rin­do um ar no­ve­les­co ao te­ma, o país se di­vi­de en­tre os prós e os con­tra, em dis­cus­sões mui­tas ve­zes por de­mais apai­xo­na­das.

Mas há um pon­to que pa­re­ce per­di­do nes­se de­ba­te : o tex­to da Cons­ti­tui­ção e da lei. Se­ja qual for a von­ta­de e a in­ten­ção de juí­zes, ad­vo­ga­dos, pro­mo­to­res ou da so­ci­e­da­de em ge­ral, a aná­li­se da le­tra da lei é es­sen­ci­al, pois é o mar­co do qual não de­ve­mos nos afas­tar se qui­ser­mos man­ter um Es­ta­do de Di­rei­to, em que as nor­mas são mais re­le­van­tes que von­ta­des ou im­pul­sos.

A Cons­ti­tui­ção diz que nin­guém se­rá con­si­de­ra­do cul­pa­do an­tes do trân­si­to em jul­ga­do de sen­ten­ça pe­nal con­de­na­tó­ria.

O Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal ex­pres­sa que nin­guém po­de­rá ser pre­so se­não em fla­gran­te de­li­to, por pri­são pre­ven­ti­va ou tem­po­rá­ria; ou por sen­ten­ça con­de­na­tó­ria de­fi­ni­ti­va, sem pos­si­bi­li­da­de de re­cur­sos.

As­sim, fi­ca cla­ro que só há pri­são quan­do o agen­te é fla­gra­do na prá­ti­ca do cri­me ou quan­do atra­pa­lha o an­da­men­to do pro­ces­so, ame­a­çan­do tes­te­mu­nhas, re­pe­tin­do a prá­ti­ca cri­mi­no­sa, ou dan­do in­dí­ci­os de fu­ga. Fo­ra dis­so, a res­tri­ção de li­ber­da­de exi­ge de­ci­são tran­si­ta­da em jul­ga­do, ir­re­cor­rí­vel, de­pois de es­go­ta­dos to­dos os re­cur­sos.

Es­sa pre­vi­são ex­pres­sa do CPP não é an­ti­ga. Foi apro­va­da em 2011, com ba­se em pro­pos­ta subs­cri­ta por res­pei­ta­dos ju­ris­tas, co­mo Ada Pellegrini Gri­no­ver, cu­ja ex­po­si­ção de mo­ti­vos di­zia: “Nes­sa li­nha, as prin­ci­pais al­te­ra­ções com a re­for­ma pro­je­ta­da são: (...) d) im­pos­si­bi­li­da­de de, an­tes da sen­ten­ça con­de­na­tó­ria tran­si­ta­da em jul­ga­do, ha­ver pri­são que não se­ja de na­tu­re­za cau­te­lar”.

Há quem di­ga —e mui­tos o fa­zem — que tal pre­vi­são le­gal é ina­de­qua­da por­que cria um sis­te­ma de qua­tro ins­tân­ci­as, mo­ro­so, que se bem ma­ne­ja­do por ad­vo­ga­dos ex­pe­ri­en­tes levará sem­pre à pres­cri­ção.

Em pri­mei­ro lu­gar, is­so não é ver­da­de. Há fil­tros que di­fi­cul­tam o uso das qua­tro ins­tân­ci­as, co­mo, por exem­plo, a ne­ces­si­da­de de de­mons­trar a re­per­cus­são ge­ral do ca­so pa­ra que se­ja jul­ga­do pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Não é qual­quer ques­tão que che­ga ao Su­pre­mo, ape­nas aque­las que os pró­pri­os mi­nis­tros entendem co­mo re­le­van­tes.

Em se­gun­do lu­gar, a pres­cri­ção não é cor­ri­quei­ra. Uma re­for­ma le­gis­la­ti­va fei­ta em 2010 di­fi­cul­tou sua ocor­rên­cia, tor­nou mais lar­gos seus pra­zos. Um ca­so de cor­rup­ção, por exem­plo, le­va dé­ca­das pa­ra pres­cre­ver, dan­do ao po­der pú­bli­co tem­po pa­ra jul­gar pro­ces­sos sem que a pu­ni­bi­li­da­de se­ja ex­tin­ta.

Mas, ain­da que se in­sis­ta que exis­tem re­cur­sos e pres­cri­ção de mais, é um pro­ble­ma da lei. Po­de­ria o le­gis­la­dor res­trin­gir as hi­pó­te­ses de re­cur­sos nos tri­bu­nais su­pe­ri­o­res e no STF, am­pli­ar seus re­qui­si­tos, di­fi­cul­tar sua in­ter­po­si­ção, fa­zen­do com que se an­te­ci­pe o en­cer­ra­men­to de­fi­ni­ti­vo do pro­ces­so.

De qual­quer for­ma, o lu­gar pa­ra dis­cu­tir tais ques­tões é o Po­der Le­gis­la­ti­vo, não o STF. Se há uma lei que ve­da a pri­são an­tes do trân­si­to em jul­ga­do, e ela não foi de­cla­ra­da in­cons­ti­tu­ci­o­nal, de­ve ser res­pei­ta­da ou mo­di­fi­ca­da pe­lo Con­gres­so. Por mais bem-in­ten­ci­o­na­da que a Su­pre­ma Cor­te se­ja, ela não tem le­gi­ti­mi­da­de pa­ra re­gu­lar as­sun­to que já foi tra­ta­do pe­lo par­la­men­to.

O Con­gres­so é a fon­te pri­má­ria da lei. Gos­te­mos ou não de nos­sos par­la­men­ta­res, eles são elei­tos, pas­sam pe­lo cri­vo po­pu­lar e têm le­gi­ti­mi­da­de pa­ra de­fi­nir as nor­mas e re­gras pro­ces­su­ais. Dei­xar de la­do o prin­cí­pio da le­ga­li­da­de por qual­quer ra­zão é um pe­ri­go­so pre­ce­den­te. PI­ER­PA­O­LO CRUZ BOT­TI­NI

É na­tu­ral que no mo­men­to as aten­ções es­te­jam vol­ta­das prin­ci­pal­men­te pa­ra os can­di­da­tos à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. To­da­via, é es­sen­ci­al pa­ra o país não tra­tar as elei­ções pa­ra o Con­gres­so co­mo al­go me­nos im­por­tan­te. No sis­te­ma cons­ti­tu­ci­o­nal bra­si­lei­ro, mar­ca­do por um pre­si­den­ci­a­lis­mo com for­te co­no­ta­ção par­la­men­ta­ris­ta, é im­pos­sí­vel pa­ra o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca go­ver­nar sem mai­o­ria na Câ­ma­ra e no Se­na­do (“Mais que cen­tro: cen­trão”, de Vi­ni­cius Mota, Opinião, 16/4).

ALE­XIS SALES DE PAULA E SOU­ZA

Aé­cio Ne­ves Che­ga a ser co­mo­ven­te o ar­ti­go do se­na­dor in­jus­ti­ça­do (“Sua ex­ce­lên­cia, o fa­to”, Ten­dên­ci­as / De­ba­tes, 16/4). Co­mo pu­de não en­xer­gar a ver­da­de dos fa­tos? Ago­ra que es­tá tu­do es­cla­re­ci­do su­gi­ro que o se­na­dor se­ja per­do­a­do e as pes­so­as de bem se­jam con­de­na­das a ler es­se ar­ti­go sem ima­gi­nar que se tra­ta de um de­lí­rio.

NIL­TON NAZAR

Pa­ra­béns, que­ri­do se­na­dor, pe­la hu­mil­da­de ao re­co­nhe­cer a sua inocência de ter caí­do em uma ar­ma­ção. Co­mo mi­nei­ra de Be­lo Ho­ri­zon­te, acom­pa­nho a sua vi­da pú­bli­ca e sei dos seus pro­je­tos em prol de Mi­nas Ge­rais e do Bra­sil.

MA­RIA JO­SE DI­AS AN­DRA­DE

Há quem de­fen­da que a lei de­va ser mu­da­da pa­ra que se pos­sa pren­der em se­gun­da ins­tân­cia. Mas li­de­mos com a re­a­li­da­de e ve­ja­mos quem são os nos­sos le­gis­la­do­res. A de­ci­são do STF —es­pe­ro que de­fi­ni­ti­va— per­mi­te um pou­co de efe­ti­vi­da­de da Jus­ti­ça.

BAR­BA­RA MAIDEL

For­tu­na Ta­xar for­tu­nas de­ve­ria ser o ob­je­ti­vo pri­mei­ro dos ad­mi­nis­tra­do­res pú­bli­cos (“Sem Pre­vi­dên­cia, só ta­xan­do for­tu­nas”, de Paulo Feld­mann, Ten­dên­ci­as / De­ba­tes, 16/4). O nos­so sis­te­ma tri­bu­tá­rio pu­ne as me­no­res ren­das, os mais po­bres, es­pe­ci­al­men­te por meio do ICMS. A re­for­ma tri­bu­tá­ria te­ria de ir nes­sa di­re­ção e ali­vi­ar a alí­quo­ta so­bre pro­du­tos bá­si­cos, o que re­sul­ta­ria em um enor­me au­men­to no consumo, pro­du­ção e in­ves­ti­men­to.

EUZIR BAGGIO

Fi­lo­so­fia e so­ci­o­lo­gia Cer­ta­men­te os as­pec­tos quan­ti­ta­ti­vos do cur­rí­cu­lo po­dem afe­tar as con­di­ções de apren­di­za­gem dos alu­nos (“Fi­lo­so­fia e so­ci­o­lo­gia obri­ga­tó­ri­as der­ru­bam no­tas em ma­te­má­ti­ca”, Co­ti­di­a­no, 16/4). Mas as­so­ci­ar a pre­ca­ri­e­da­de es­tru­tu­ral do en­si­no de ma­te­má­ti­ca com a obri­ga­to­ri­e­da­de das dis­ci­pli­nas de fi­lo­so­fia e so­ci­o­lo­gia em to­do o en­si­no mé­dio é ar­ris­ca­do, uma vez que as con­di­ções de apren­di­za­do são mul­ti­fa­to­ri­ais e com­ple­xas quan­do se con­si­de­ram po­pu­la­ções de bai­xa ren­da.

WAL­TER ROBERTO COR­REIA,

Paulo Bran­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.