Po­lí­ti­ca fis­cal, em res­pos­ta a Lis­boa e Pes­sôa

Con­tra­ri­an­do ‘Lis­bos­sôa’, há es­tu­dos de­mons­tran­do a con­tri­bui­ção da po­lí­ti­ca fis­cal na ace­le­ra­ção e es­ta­bi­li­za­ção da eco­no­mia em 2006-2011

Folha De S.Paulo - - Opinião - NEL­SON BAR­BO­SA www.fo­lha.com.br/pai­nel­do­lei­tor saa@gru­po­fo­lha.com.br 0800-775-8080 Gran­de São Paulo: (11) 3224-3090 om­buds­man@gru­po­fo­lha.com.br 0800-015-9000

Após me acu­sa­rem de de­fen­der a “eco­no­mia do mo­to-per­pé­tuo”, Mar­cos Lis­boa e Sa­mu­el Pes­sôa vol­ta­ram ao as­sun­to nes­ta Fo­lha (10/4). Des­sa vez, a du­pla foi mais fo­ca­da e co­brou um ar­ti­go aca­dê­mi­co pro­van­do que a ex­pan­são de 2006-2010 de­cor­reu so­men­te da ex­pan­são do gas­to pú­bli­co (ou­tro es­pan­ta­lho so­bre mi­nha po­si­ção).

Co­mo apon­tei em res­pos­ta ao pri­mei­ro tex­to de “Lis­bos­sôa”, a po­lí­ti­ca fis­cal de 2006-2010 foi bem-su­ce­di­da e con­tri­buiu pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia. Achar que is­so sig­ni­fi­que que a po­lí­ti­ca fis­cal te­nha si­do a úni­ca cau­sa do cres­ci­men­to é in­sis­tir em ca­ri­ca­tu­ras.

Ar­ti­go de jor­nal não é lu­gar pa­ra de­ba­te aca­dê­mi­co, mas pos­so in­di­car o ca­mi­nho. An­tes dis­so, vou am­pli­ar o pe­río­do em ques­tão pa­ra in­cluir 2011 e di­vi­di-lo em du­as fa­ses: a ex­pan­são de 2006-2008 e a es­ta­bi­li­za­ção de 2009-2011.

Na pri­mei­ra fa­se, as con­di­ções ini­ci­ais jus­ti­fi­ca­vam uma “ex­pan­são fis­cal ba­lan­ce­a­da”, com au­men­to da re­cei­ta pri­má­ria ca­na­li­za­do prin­ci­pal­men­te pa­ra trans­fe­rên­ci­as de ren­da e in­ves­ti­men­to pú­bli­co.

Quan­do há ca­pa­ci­da­de oci­o­sa, co­mo ha­via no Bra­sil de 2005, a ex­pan­são con­jun­ta de re­cei­ta e des­pe­sa pri­má­ri­as po­de au­men­tar o PIB sem afe­tar sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o re­sul­ta­do do go­ver­no e a dí­vi­da pú­bli­ca com ba­se no que nós eco­no­mis­tas cha­ma­mos de “Mul­ti­pli­ca­dor do Or­ça­men­to Equi­li­bra­do”.

A si­tu­a­ção ex­ter­na tam­bém foi bem fa­vo­rá­vel em 2006-2008, mas o im­pul­so fis­cal te­ve im­pac­to po­si­ti­vo so­bre a ren­da, so­bre­tu­do via au­men­to do in­ves­ti­men­to, co­mo in­di­ca o es­tu­do de Ma­no­el Pi­res “Po­lí­ti­ca Fis­cal e Ci­clos Econô­mi­cos no Bra­sil”, pu­bli­ca­do pe­la re­vis­ta Eco­no­mia Apli­ca­da, da USP, em 2014.

Con­tra­ri­a­men­te à vi­são do­mi­nan­te na épo­ca, de que a in­fle­xão da po­lí­ti­ca econô­mi­ca de Lu­la di­mi­nui­ria o in­ves­ti­men­to pri­va­do, au­men­ta­ria a ta­xa re­al de ju­ro e ele­va­ria a dí­vi­da pú­bli­ca em pro­por­ção do PIB, ocor­reu o opos­to em 2006-2008.

Já na se­gun­da fa­se, os da­dos são mais cla­ros. Com ba­se na va­ri­a­ção do re­sul­ta­do pri­má­rio re­cor­ren­te, hou­ve ex­pan­são fis­cal em 20092010, pa­ra com­ba­ter os efei­tos da cri­se in­ter­na­ci­o­nal, e con­tra­ção em 2011 (mas is­so mui­tos es­que­cem).

No­va­men­te a de­ci­são se mos­trou acer­ta­da, pois co­mo in­di­ca­ram Ro­dri­go Orair, Fer­nan­do Si­quei­ra e Ser­gio Go­bet­ti, o im­pac­to de um es­tí­mu­lo fis­cal é mai­or nu­ma re­ces­são do que em uma ex­pan­são no Bra­sil (con­di­ções ini­ci­ais im­por­tam).

O tex­to em ques­tão (“Po­lí­ti­ca Fis­cal e Ci­clo Econô­mi­co: Uma Aná­li­se Ba­se­a­da em Mul­ti­pli­ca­do­res do Gas­to Pú­bli­co”) foi o se­gun­do co­lo­ca­do no Prê­mio do Te­sou­ro Na­ci­o­nal de 2016.

As­sim, ao con­trá­rio do que diz “Lis­bos­sôa”, há es­tu­dos em­pí­ri­cos que cor­ro­bo­ram a con­tri­bui­ção po­si­ti­va da po­lí­ti­ca fis­cal pa­ra a ex­pan­são e pos­te­ri­or es­ta­bi­li­za­ção da eco­no­mia bra­si­lei­ra em 2006-2011.

Tam­bém há es­tu­dos no sen­ti­do con­trá­rio, co­mo é na­tu­ral em qual­quer ques­tão es­ta­tís­ti­ca. O de­ba­te con­ti­nua, no Bra­sil e no mun­do, só que ca­da vez mais des­fa­vo­rá­vel aos que de­fen­dem ar­ro­cho fis­cal on­tem, ho­je e pa­ra sem­pre.

Fe­liz­men­te, não pa­re­ce ser mais o ca­so de “Lis­bos­sôa” —pois, se­gun­do sua úl­ti­ma po­si­ção, uma ex­pan­são do gas­to pri­má­rio se­ria vá­li­da quan­do a ta­xa de ju­ro re­al so­bre a dí­vi­da pú­bli­ca fi­cas­se perto da ta­xa de cres­ci­men­to re­al da eco­no­mia.

Pois bem, co­mo ho­je o cus­to de ro­lar a dí­vi­da do go­ver­no caiu pa­ra um va­lor pró­xi­mo ao cres­ci­men­to do PIB, pos­so con­cluir que “Lis­bos­sôa” ago­ra é fa­vo­rá­vel a uma ex­pan­são fis­cal ime­di­a­ta e des­ba­lan­ce­a­da? Nem eu sou tão key­ne­si­a­no!

Pro­po­nho, ape­nas, a pre­ser­va­ção de in­ves­ti­men­tos e gas­tos cor­ren­tes que au­men­tem a pro­du­ti­vi­da­de da eco­no­mia de­vi­do ao qua­dro atu­al de dí­vi­da pú­bli­ca.

Ao mes­mo tem­po, sou fa­vo­rá­vel a re­for­mas gra­du­ais do gas­to obri­ga­tó­rio, tal co­mo já fiz en­quan­to es­ti­ve no go­ver­no e de­fen­di re­cen­te­men­te pa­ra a Pre­vi­dên­cia so­ci­al e a re­mu­ne­ra­ção de ser­vi­do­res. NEL­SON BAR­BO­SA,

É um acin­te que o se­na­dor use es­se tão pre­ci­o­so es­pa­ço do jor­nal pa­ra a defesa de­le —e eu, co­mo as­si­nan­te, te­nho de pa­gar por is­so. Ri­dí­cu­la e ino­por­tu­na a po­si­ção da Fo­lha ao per­mi­tir es­se em­bus­te de pré-defesa. O lo­cal pa­ra is­so, Aé­cio, é nos tri­bu­nais.

CAIO TÚLIO EGIDIO RO­CHA

Aé­cio Ne­ves e a Fo­lha de­ve­ri­am nos pou­par do ver­da­dei­ro con­to das ca­ro­chi­nhas que o pri­mei­ro apre­sen­ta na vés­pe­ra do seu jul­ga­men­to no STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) com o in­tui­to de jus­ti­fi­car o in­jus­ti­fi­cá­vel.

CARLOS CARMELO BALARÓ,

Ta­xa de ju­ros Aos ban­cos, su­gi­ro uma ex­pe­ri­ên­cia: re­du­zir por seis me­ses a ta­xa do che­que es­pe­ci­al pe­la me­ta­de. Se a tão te­mi­da ina­dim­plên­cia cair, po­dem se­guir na re­du­ção até atin­gir pa­ta­ma­res ci­vi­li­za­dos (“Ju­ros ca­em há 16 me­ses, mas ta­xa do che­que es­pe­ci­al não sai do lu­gar”, Fo­lhain­vest, 16/4).

JO­SÉ MAR­COS THALENBERG

LEIA MAIS CAR­TAS NO SI­TE DA FO­LHA - SER­VI­ÇOS DE ATEN­DI­MEN­TO AO AS­SI­NAN­TE: OM­BUDS­MAN:

A pes­qui­sa­do­ra Thais Ni­qui­to faz uma per­gun­ta re­tó­ri­ca: “Até que pon­to es­se ga­nho [em so­ci­o­lo­gia e fi­lo­so­fia] jus­ti­fi­ca sa­cri­fi­car dis­ci­pli­nas co­mo a ma­te­má­ti­ca?”. Ora, is­so não é uma per­gun­ta, mas um juí­zo de va­lor. Es­te po­de ser res­pon­di­do com ou­tra ques­tão: até que pon­to o ex­ces­so de ma­te­má­ti­ca no cur­rí­cu­lo es­co­lar sa­cri­fi­ca dis­ci­pli­nas co­mo a so­ci­o­lo­gia e a fi­lo­so­fia? O Enem e a in­tro­du­ção da so­ci­o­lo­gia e da fi­lo­so­fia re­pre­sen­ta­ram grandes avan­ços pa­ra a de­mo­cra­ti­za­ção da gra­de es­co­lar.

VITOR COS­TA,

Ara­ras trei­na­das Em meio a tan­tas bal­búr­di­as, co­me­çar a se­ma­na com a re­por­ta­gem “Trei­na­das por uma co­zi­nhei­ra, ara­ras vo­am li­vres em par­que no cen­tro de SP” foi sen­sa­ci­o­nal (Co­ti­di­a­no, 16/4). Pa­ra­béns a Sil­via Cor­buc­ci, que con­tri­bui pa­ra uma ci­da­de me­lhor.

CLAU­DIA F. DE ALMEIDA MOU­RA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.