Pa­ra 61%, mi­li­ta­res po­dem dar opinião so­bre po­lí­ti­ca

Folha De S.Paulo - - Opinião -

DE SÃO PAULO

Co­man­dan­tes mi­li­ta­res têm o di­rei­to de opi­nar pu­bli­ca­men­te so­bre te­mas po­lí­ti­cos, ava­lia a mai­o­ria da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra.

Se­gun­do pes­qui­sa Da­ta­fo­lha, 61% dos en­tre­vis­ta­dos de­fen­dem que mi­li­ta­res pos­sam co­men­tar a si­tu­a­ção po­lí­ti­ca do país. Con­tra es­sas ma­ni­fes­ta­ções es­tão 33% dos bra­si­lei­ros, en­quan­to 6% não sou­be­ram opi­nar.

Es­se de­ba­te vol­tou à to­na após o co­man­dan­te do Exér­ci­to, o ge­ne­ral Edu­ar­do Vil­las Bôas, afir­mar em re­de so­ci­al no dia 3, vés­pe­ra do jul­ga­men­to do ha­be­as cor­pus do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va no STF, que re­pu­dia a im­pu­ni­da­de.

“As­se­gu­ro à na­ção que o Exér­ci­to bra­si­lei­ro jul­ga com­par­ti­lhar o an­seio de to­dos os ci­da­dãos de bem de re­pú­dio à im­pu­ni­da­de e de res­pei­to à Cons­ti­tui­ção, à paz so­ci­al e à de­mo­cra­cia, bem co­mo se man­tém aten­to às su­as mis­sões ins­ti­tu­ci­o­nais”, es­cre­veu.

A de­cla­ra­ção foi in­ter­pre­ta­da por mui­tos co­mo ten­ta­ti­va de in­ter­fe­rên­cia no STF.

Em se­tem­bro de 2017, de­cla­ra­ções de ou­tro mi­li­tar tam­bém des­per­ta­ram po­lê­mi­ca.

Ho­je na re­ser­va, o ge­ne­ral An­to­nio Ha­mil­ton Mou­rão dis­se na épo­ca que as For­ças Ar­ma­das po­de­ri­am “im­por uma so­lu­ção” ca­so o Ju­di­ciá­rio não so­lu­ci­o­nas­se “o pro­ble­ma po­lí­ti­co”. Mou­rão não foi pu­ni­do por Vil­las Bôas, que con­tem­po­ri­zou as de­cla­ra­ções.

Um de­cre­to as­si­na­do em 2002 pe­lo en­tão pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so clas­si­fi­ca co­mo “trans­gres­são dis­ci­pli­nar”, pas­sí­vel de pu­ni­ção, qual­quer ma­ni­fes­ta­ção pú­bli­ca, sem au­to­ri­za­ção, de um mi­li­tar da ati­va so­bre as­sun­tos po­lí­ti­cos.

No ca­so de Vil­las Bôas, en­tre­tan­to, há dú­vi­das so­bre a apli­ca­ção da re­gra. Es­pe­ci­a­lis­tas em di­rei­to mi­li­tar ava­li­am que, por ser co­man­dan­te do Exér­ci­to, ele só po­de­ria ser de­sau­to­ri­za­do por seu su­pe­ri­or hi­e­rár­qui­co —no ca­so, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, que não co­men­tou as de­cla­ra­ções.

Quan­to ao apre­ço do bra­si­lei­ro pe­la de­mo­cra­cia, os nú­me­ros fi­ca­ram es­tá­veis em re­la­ção à úl­ti­ma pes­qui­sa, em se­tem­bro de 2017. Pa­ra 56%, a de­mo­cra­cia é sem­pre a me­lhor for­ma de go­ver­no.

Se­gun­do o Da­ta­fo­lha, 21% dos bra­si­lei­ros di­zem que tan­to faz se o go­ver­no é uma de­mo­cra­cia ou uma di­ta­du­ra. Já 17% afir­mam que, em cer­tas cir­cuns­tân­ci­as, é me­lhor uma di­ta­du­ra.

Des­de que a per­gun­ta pas­sou a ser fei­ta pe­lo ins­ti­tu­to, em 1989, o mai­or apoio à de­mo­cra­cia foi cons­ta­ta­do em 2014, quan­do 66% a de­fen­de­ram co­mo o me­lhor re­gi­me. (MAR­CO RO­DRI­GO ALMEIDA)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.