MTST in­va­de trí­plex, faz co­ro próLu­la e diz ser ‘apar­ta­men­to de po­bre’

Gru­po li­ga­do ao pré-can­di­da­to Bou­los (PSOL) pas­sou 2h40­min em imó­vel em Gu­a­ru­já

Folha De S.Paulo - - Poder - CATIA SE­A­BRA

EN­VI­A­DA ES­PE­CI­AL A GU­A­RU­JÁ

Em uma ação que con­su­miu me­nos de cin­co mi­nu­tos, cer­ca de 30 mi­li­tan­tes do MTST (Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Sem Te­to) in­va­di­ram, na ma­nhã des­ta se­gun­da (16), o trí­plex em Gu­a­ru­já atri­buí­do ao ex-pre­si­den­te Lu­la e pivô de sua pri­são.

O gru­po per­ma­ne­ceu no apar­ta­men­to por 2h40­min, dei­xan­do o edi­fí­cio após ame­a­ça de pri­são. O MTST é co­or­de­na­do por Gui­lher­me Bou­los, pré-can­di­da­to à Pre­si­dên­cia pe­lo PSOL. A ação foi acom­pa­nha­da pe­la Fo­lha.

De­fen­sor da pre­sen­ça de Lu­la na elei­ção, Bou­los não foi a Gu­a­ru­já. Pou­co mais de cem pes­so­as, di­vi­di­das em 20 car­ros, par­ti­ci­pa­ram da ação.

Os ma­ni­fes­tan­tes dei­xa­ram São Paulo e São Ber­nar­do às 4h30. Em Gu­a­ru­já, con­cen­tra­ram-se em uma pa­da­ria e em ru­as vi­zi­nhas à ave­ni­da on­de fi­ca o trí­plex, na praia de As­tú­ri­as, à es­pe­ra de ori­en­ta­ção.

Às 8h50, três car­ros pa­ra­ram di­an­te do edi­fí­cio So­la­ris. De­les, sal­ta­ram 12 sem-te­to. Qua­tro ra­pa­zes pu­la­ram as gra­des do pré­dio, sen­do se­gui­dos por du­as mu­lhe­res.

Um ma­ni­fes­tan­te man­te­ve aber­to o por­tão de en­tra­da de ba­nhis­tas, per­mi­tin­do o aces­so dos de­mais. Ao sur­pre­en­der ope­rá­ri­os na ga­ra­gem, iden­ti­fi­ca­ram-se co­mo in­te­gran­tes do mo­vi­men­to e avi­sa­ram que iri­am a ape­nas um apar­ta­men­to: o 164-A.

Uma mo­ra­do­ra apa­re­ceu no hall, per­gun­tou quem eram aque­las pes­so­as e de­ter­mi­nou que um fun­ci­o­ná­rio aci­o­nas­se a po­lí­cia.

Os mi­li­tan­tes su­bi­ram 16 an­da­res de es­ca­da, ar­rom­ba­ram a frá­gil por­ta do apar­ta­men­to, tra­van­do-a com um pe­da­ço de ma­dei­ra, e fi­xa­ram ban­dei­ras na va­ran­da com vis­ta pa­ra o mar. Da sa­ca­da, gri­ta­ram “se é do Lu­la, o apar­ta­men­to é nos­so”.

“Não tem ar­re­go. Ou sol­ta o Lu­la, ou não vai ter sos­se­go”, era o co­ro. Só de­pois que cer­ca de 30 pes­so­as já es­ta­vam no pré­dio, ou­tros 70 fo­ram pa­ra sua por­ta­ria pro­tes­tar. Qua­tro car­ros da Po­lí­cia Mi­li­tar che­ga­ram ao lo­cal. DESOLAÇÃO Den­tro do apar­ta­men­to, que es­tá sen­do lei­lo­a­do por or­dem do juiz Ser­gio Mo­ro, o ce­ná­rio é de de­gra­da­ção. In­fil­tra­ções mar­cam as pa­re­des, in­clu­si­ve ao re­dor do ino­pe­ran­te ele­va­dor ins­ta­la­do na sa­la, on­de tam­bém há uma ge­la­dei­ra dú­plex. Na co­zi­nha, há fo­gão e mi­cro-on­das.

De­graus da es­trei­ta es­ca­da es­tão las­ca­dos. Tá­bu­as do píer que en­vol­vem a pis­ci­na de águas tur­vas es­tão que­bra­das. Não há luz, nem água. A aber­tu­ra de um re­gis­tro deu iní­cio a um ala­ga­men­to no se­gun­do an­dar, obri­gan­do seu fe­cha­men­to.

In­te­gran­te da Fren­te Po­vo Sem Me­do, An­dreia Bar­bo­sa cri­ti­cou a qua­li­da­de do ma­te­ri­al de cons­tru­ção. “Gen­te, é um apar­ta­men­to de po­bre, pe­que­no. Tan­to es­cân­da­lo por is­so?”, dis­se ou­tra ma­ni­fes­tan­te.

Ao la­do da mo­ra­do­ra Re­na­ta Simões, 36, um se­gu­ran­ça do con­do­mí­nio foi à por­ta do apar­ta­men­to na ten­ta­ti­va de ne­go­ci­ar a saí­da. Fil­mou os sem-te­to, afir­mou que o apar­ta­men­to es­ta­va la­cra­do por or­dem ju­di­ci­al e per­gun­tou se es­ta­vam ci­en­tes do que fa­zi­am. Sem su­ces­so.

Os ocu­pan­tes fo­ram aler­ta­dos, en­tão, da apro­xi­ma­ção de dois po­li­ci­ais, que aca­ba­ram de­sis­tin­do da ope­ra­ção.

Ori­en­ta­dos por lí­de­res do mo­vi­men­to a sus­pen­der pu­bli­ca­ções de sel­fi­es em re­des so­ci­ais e sem água, os sem­te­to ex­plo­ra­ram os cô­mo­dos do apar­ta­men­to. Dei­ta­ram-se nas ca­mas: du­as be­li­ches, uma de sol­tei­ro e ou­tra de ca­sal. Sen­ta­dos no chão, ou­tros co­me­ram pa­ço­cas e bo­la­chas.

Lá em­bai­xo, ad­vo­ga­dos do mo­vi­men­to de­fi­ni­am com a po­lí­cia uma saí­da ne­go­ci­a­da. O MTST dis­se que só sai­ria quan­do hou­ves­se ação de rein­te­gra­ção de pos­se, cu­jo pe­di­do de­pen­de­ria do re­al pro­pri­e­tá­rio do imó­vel. Era uma ten­ta­ti­va de mos­trar que o imó­vel não per­ten­ce a Lu­la.

A PM deu, no en­tan­to, pra­zo de uma ho­ra pa­ra a saí­da. Do con­trá­rio, in­va­di­ria o apar­ta­men­to e pren­de­ria to­dos os ocu­pan­tes.

Às 11h20, a co­or­de­na­ção do MTST ori­en­tou seus mi­li­tan­tes a re­ti­rar as fai­xas e dei­xar o apar­ta­men­to em dez mi­nu­tos. O ro­tei­ro foi cum­pri­do. “O re­ca­do foi da­do. Se o trí­plex fos­se do Lu­la, te­ria per­mi­ti­do fi­car lá. Se não é, co­lo­ca­mos em xe­que a sua pri­são”, dis­se Bou­los.

Uma sem-te­to che­gou a di­zer que não era uma in­va­so­ra, mas uma con­vi­da­da pa­ra um fes­ta pro­mo­vi­da por Lu­la. No hall da en­tra­da, os mo­ra­do­res não exi­bi­am hu­mor.

Ele­nil­ce So­a­res Me­dei­ros se dis­se hu­mi­lha­da e com me­do. “Te­nho 66 anos. Meu co­ra­ção e mi­nha pres­são fo­ram a mil”, dis­se. En­quan­to os sem-te­to dei­xa­vam o pré­dio, al­guns mo­ra­do­res os cha­ma­ram de co­me­do­res de pão com mor­ta­de­la. Ao meio dia, eles vol­ta­ram a São Paulo e São Ber­nar­do. RICHMOND MÔ­NI­CA BERGAMO KLAUS

Fo­tos Mar­ce­lo Jus­to/Folhapress

Gru­po do Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Sem Te­to no trí­plex atri­buí­do a Lu­la, em Gu­a­ru­já, du­ran­te in­va­são nes­ta se­gun­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.