Dir­ceu cri­ti­ca La­va Ja­to e pe­de que mi­li­tan­tes de­fen­dam ex-pre­si­den­te

Ex-mi­nis­tro, que po­de vol­tar a ser pre­so, fez ra­ra apa­ri­ção no DF

Folha De S.Paulo - - Poder -

Em uma ra­ra apa­ri­ção pú­bli­ca, fei­ta em um sa­lão apertado da ca­pi­tal fe­de­ral, o ex­mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil Jo­sé Dir­ceu de­fen­deu na noi­te des­ta se­gun­da-fei­ra (16) que a mi­li­tân­cia pe­tis­ta se­ja im­pla­cá­vel, não dei­xan­do o go­ver­no fe­de­ral fun­ci­o­nar.

Num dis­cur­so a cer­ca de cem mi­li­tan­tes, em um ce­ná­rio mo­des­to com­pa­ra­do ao da épo­ca que era ho­mem for­te do Pa­lá­cio do Pla­nal­to, ele pre­gou que to­do lu­gar de­ve ser uma trin­chei­ra e que o pa­pel prin­ci­pal do par­ti­do nes­te mo­men­to é de li­ber­tar o ex­pre­si­den­te Lu­la e re­e­le­gê-lo.

“Te­mos de lu­tar, le­van­tar a ca­be­ça, en­fren­tá-los. Eles têm de ter cer­te­za de que va­mos res­sur­gir das cin­zas. Nós te­mos de apren­der a lu­tar em to­das as fren­tes e te­mos de ser im­pla­cá­veis com eles. Eles não nos dei­xa­ram go­ver­nar. E por que va­mos dei­xar eles go­ver­na­rem?”, ques­ti­o­nou.

Con­de­na­do pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to, o pe­tis­ta par­ti­ci­pou de ple­ná­ria no Sin­di­ca­to dos Ser­vi­do­res Pú­bli­cos do Dis­tri­to Fe­de­ral. Ele dis­se que o mo­men­to não é mais de re­sis­tir e cri­ti­cou o juiz fe­de­ral Ser­gio Mo­ro.

Na opinião de­le, o ma­gis­tra­do é um ins­tru­men­to de um “apa­ra­to de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca” no país.

Em uma es­pé­cie de au­to­crí­ti­ca, re­co­nhe­ceu que o seu par­ti­do fa­lhou, que co­me­teu er­ros e que, ago­ra, é o mo­men­to de for­mar uma fren­te de lu­ta e “ir ao en­con­tro do po­vo”. “Te­mos uma con­tra­di­ção. Nós ga­nha­mos as elei­ções, mas não te­mos ba­se po­pu­lar pa­ra de­fen­der o go­ver­no”, dis­se.

Com o ris­co de ser no­va­men­te pre­so, o pe­tis­ta dis­se que ho­je es­tá pre­o­cu­pa­do com a si­tu­a­ção do ex-pre­si­den­te, não com a de­le, e que pre­ten­de em ju­nho lan­çar seu li­vro de me­mó­ri­as.

Em maio do ano pas­sa­do, Dir­ceu con­se­guiu o di­rei­to de aguar­dar um re­cur­so em li­ber­da­de. Em 2016, ele foi con­de­na­do pe­los cri­mes de la­va­gem de di­nhei­ro, cor­rup­ção pas­si­va e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa. A pe­na de­le che­ga a 30 anos e 9 me­ses de pri­são.

An­tes da che­ga­da de Dir­ceu à ple­ná­ria, uma das or­ga­ni­za­do­ras pe­diu à mi­li­tân­cia que não fi­zes­se trans­mis­sões ao vi­vo do en­con­tro, a pe­di­do de Dir­ceu.

Nos dis­cur­sos, ele foi cha­ma­do de “co­man­dan­te”, “lí­der” e “ami­go”. CAR­TA DE LU­LA O ex-pre­si­den­te Lu­la man­dou um re­ca­do pa­ra a mi­li­tân­cia acam­pa­da perto da PF em Cu­ri­ti­ba em defesa de­le. “Con­ti­nuo acre­di­tan­do na Jus­ti­ça e por is­so es­tou tran­qui­lo, mas in­dig­na­do co­mo to­do ino­cen­te fi­ca in­dig­na­do quan­do é in­jus­ti­ça­do”, es­cre­veu.

Lu­la dis­se na car­ta que ou­ve o que os ma­ni­fes­tan­tes can­tam e que es­tá agra­de­ci­do pe­la pre­sen­ça e re­sis­tên­cia de to­dos. Afir­mou tam­bém que con­ti­nua de­sa­fi­an­do Po­lí­cia Fe­de­ral, Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, o juiz Ser­gio Mo­ro e a se­gun­da ins­tân­cia a pro­va­rem o cri­me que su­pos­ta­men­te co­me­teu.

A men­sa­gem foi li­da pe­la pre­si­den­te do PT, a se­na­do­ra Glei­si Hoff­mann (PR). Ela dis­se que tem con­ver­sa­do com Lu­la por meio de seus ad­vo­ga­dos. Se­gun­do ela, o ex-pre­si­den­te pe­diu que o re­ca­do fos­se li­do aos ma­ni­fes­tan­tes do acam­pa­men­to mon­ta­do perto da se­de da PF.

O PT e a CUT as­si­na­ram acordo com a Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Se­gu­ran­ça do Pa­ra­ná trans­fe­rin­do o acam­pa­men­to em di­re­ção ao par­que Atu­ba, a cer­ca de 3 km da su­pe­rin­ten­dên­cia da PF.

O se­na­dor Lind­bergh Fa­ri­as (PT-RJ) dis­se, no en­tan­to, que atos con­ti­nu­a­rão a acon­te­cer perto da se­de da po­lí­cia. (GUS­TA­VO URIBE E ANA LUIZA AL­BU­QUER­QUE)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.