Ven­cer a po­la­ri­za­ção

Folha De S.Paulo - - Poder - JO­EL PI­NHEI­RO DA FONSECA

A PO­LA­RI­ZA­ÇÃO po­lí­ti­ca e ide­o­ló­gi­ca, is­to é, a cres­cen­te di­vi­são da so­ci­e­da­de em gru­pos bem de­li­mi­ta­dos e que não se to­le­ram, é ne­ga­ti­va pa­ra a or­dem so­ci­al.

Em uma so­ci­e­da­de po­la­ri­za­da, o go­ver­no ca­re­ce da co­o­pe­ra­ção in­ter­na ne­ces­sá­ria pa­ra fun­ci­o­nar di­rei­to, e sa­bo­tar o la­do con­trá­rio se tor­na mais im­por­tan­te do que agir em con­jun­to pa­ra atin­gir um ob­je­ti­vo par­ti­lha­do; ca­da la­do se fe­cha em su­as po­si­ções, fi­can­do as­sim imu­ne a cor­re­ções e su­jei­to a exa­ge­ros e er­ros; a con­fi­an­ça de que de­pen­de a or­dem ins­ti­tu­ci­o­nal é co­lo­ca­da em ris­co con­for­me ca­da la­do vi­o­la as re­gras do jo­go tan­to quan­to pos­sí­vel, na ex­pec­ta­ti­va de que o ou­tro la­do fa­rá a mes­ma coi­sa; abo­le-se a con­cep­ção de bem co­mum, subs­ti­tuí­do pe­la guerra de uns con­tra ou­tros; e, por fim, a pró­pria con­vi­vên­cia en­tre as pes­so­as se de­ge­ne­ra, com dis­cus­sões, bri­gas e maus sen­ti­men­tos to­man­do uma par­te mai­or do nos­so tem­po. A po­la­ri­za­ção é um sub­pro­du­to no en­tan­to, pri­o­ri­za­mos o co­le­ti­vo e ob­je­ti­vos co­muns.

Es­sa ca­pa­ci­da­de co­le­ti­va (que não es­tá pre­sen­te em ne­nhum ou­tro pri­ma­ta) é o que per­mi­te co­o­pe­ra­ção em lar­ga es­ca­la, mes­mo en­tre pes­so­as sem ne­nhum pa­ren­tes­co, e que nos dá um sen­ti­do de co­mu­ni­da­de. Por ou­tro la­do, a ma­nu­ten­ção da iden­ti­da­de co­le­ti­va exi­ge a iden­ti­fi­ca­ção de um gru­po ini­mi­go con­tra o qual se con­tra­por, se­ja uma tor­ci­da de fu­te­bol, se­ja uma mi­li­tân­cia par­ti­dá­ria. Es­ta­mos na men­ta­li­da­de da tri­bo. por lí­de­res dos di­fe­ren­tes cam­pos pa­ra le­vá-los ao po­der. Nes­se jo­go, nos­sas cren­ças, va­lo­res e pro­pos­tas, em vez de es­ta­rem su­jei­tos à re­fle­xão in­di­vi­du­al, bus­cam ape­nas re­pro­du­zir nos­sa iden­ti­da­de tri­bal.

Além dis­so, ser um ex­po­en­te pu­ris­ta e to­tal dos sím­bo­los da tri­bo con­fe­re sta­tus den­tro de­la. Apre­sen­tar uma vi­são ma­ti­za­da e mes­mo com al­gu­ma crí­ti­ca ge­ra­rá má von­ta­de do gru­po e ten­de a iso­lar o su­jei­to. Is­so tu­do sem­pre exis­tiu, mas pa­re­ce um li­mi­tar su­as pi­o­res ten­dên­ci­as.

Um pas­so de­ci­si­vo se dá no mo­men­to em que a po­la­ri­za­ção blin­da a men­te do in­di­ví­duo des­qua­li­fi­can­do fon­tes de in­for­ma­ção con­trá­ri­as (“mídia gol­pis­ta”, “fa­ke news”) e jus­ti­fi­can­do mo­ral­men­te a in­tran­si­gên­cia. Daí ela deixa de ser al­go a se lu­tar con­tra e se tor­na um de­ver e até um mo­ti­vo de or­gu­lho. Quem vo­ta no PT gos­ta de ban­di­do. Quem vo­ta no PSDB odeia os po­bres. Em am­bos os ca­sos, de­mo­ni­za-se a es­sên­cia do in­ter­lo­cu­tor, que deixa de ser um in­ter­lo­cu­tor le­gí­ti­mo. A par­tir daí, a coi­sa só po­de pi­o­rar.

Não do­mi­na­mos ain­da me­ca­nis­mos so­ci­ais pa­ra fre­ar a po­la­ri­za­ção (e pro­va­vel­men­te em pe­que­nas do­ses ela se­ja po­si­ti­va). ma­lé­fi­co e nem o seu con­cen­tra to­do o bem.

Pro­va­vel­men­te há o que apren­der com eles. E, por fim, quan­do você es­tá mais con­vic­to de que sua atu­a­ção po­lí­ti­ca é uma guerra do bem con­tra o mal, é aí que você se pres­ta de de­grau vo­lun­tá­rio à as­cen­são de li­de­ran­ças ines­cru­pu­lo­sas a pon­to de jo­gar o bem co­mum ao fo­go pa­ra ga­ran­tir seu pró­prio su­ces­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.