A ati­vi­da­de po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria só te­ria iní­cio com a fun­da­ção do PT. Sin­ger foi o res­pon­sá­vel pe­lo pro­gra­ma

Folha De S.Paulo - - Poder -

in­dús­tria de São Paulo por mais de um mês em 1953. No ano se­guin­te se na­tu­ra­li­zou. Fi­li­ou-se ao Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Bra­si­lei­ro, mas não de­sen­vol­veu ati­vi­da­de par­ti­dá­ria.

Foi au­to­di­da­ta no es­tu­do da eco­no­mia e só em 1956 in­gres­sou na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as Econô­mi­cas e Ad­mi­nis­tra­ti­vas da USP.

Ain­da es­tu­dan­te, Sin­ger foi con­vi­da­do a to­mar par­te no “Se­mi­ná­rio de Marx”, que mais tar­de ga­nha­ria no­to­ri­e­da­de de­vi­do às car­rei­ras pos­te­ri­o­res dos in­te­lec­tu­ais que de­le par­ti­ci­pa­vam, co­mo o so­ció­lo­go Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, a an­tro­pó­lo­ga Ruth Car­do­so e o fi­ló­so­fo Jo­sé Arthur Gi­an­not­ti. Na épo­ca, con­si­de­ra­va-se um mar­xis­ta.

O gru­po da­ria ori­gem ao Cebrap, que reu­niu a na­ta dos in­te­lec­tu­ais de opo­si­ção à di­ta­du­ra mi­li­tar. Sin­ger che­gou a fi­car pre­so por uma se­ma­na em 1974, mas não so­freu tor­tu­ra. VI­DA PO­LÍ­TI­CA econô­mi­co do can­di­da­to Lu­la ao go­ver­no de São Paulo, em 1982, na pri­mei­ra elei­ção di­re­ta ao car­go.

Lu­la per­deu, mas o pro­gra­ma foi ins­cri­to no DNA do par­ti­do. Sin­ger de­fen­dia a am­pli­a­ção do mer­ca­do in­ter­no via in­clu­são so­ci­al, o que aca­bou ocor­ren­do du­ran­te a Pre­si­dên­cia de Lu­la, de quem seu fi­lho, o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co An­dré Sin­ger, ho­je co­lu­nis­ta da Fo­lha, foi por­ta-voz.

Paul Sin­ger con­si­de­ra­va o pro­gra­ma re­for­mis­ta. O so­ci­a­lis­mo não en­tra­va di­re­ta­men­te na equa­ção. “A mar- OS­CAR PILAGALLO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.